Esta camisa cai bem no garoto

A cada dia cresce o coro dos que pedem Neymar na Copa. Não se trata só de torcedores santistas fanáticos, mas de gente que conhece muito o futebol, como Zito e Clodoaldo, jornalistas como Cláudio Carsughi e Milton Neves e nada menos do que o rei do futebol, sua majestade, Pelé. Isso, dos que eu ouvi e posso comprovar. Imagino que por este Brasil afora, nos bares, esquinas, praças, o nome de Neymar já é mais falado do que o de muitos que compõem os preferidos de Dunga.

O técnico já disse que o grupo está fechado, mas o torcedor, perspicaz como poucos especialistas, sabe que em dois meses muita água pode passar embaixo da ponte do futebol. As “fases” boas ou más dos jogadores na maior parte das vezes são rápidas e imprevisíveis. Quando a lista sair, nem todos os que hoje são convocados desfrutarão de ótima forma física e técnica.

Neymar, ao contrário, é um garoto em curva totalmente ascendente. Está mais forte, mais técnico, mais seguro e experiente a cada partida. Leva pancada, é xingado, e responde com gols e sorrisos. Ele recuperou a alegria de jogar que parece ter sido perdida no carrancudo futebol brasileiro. Daqui a dois meses talvez seja o melhor jogador em atividade no Brasil, se já não é…

Pedir sua presença na Seleção não é só coisa de garoto deslumbrado com o futebol bonito (como eu sou), mas também de veteranos circunspectos da crônica, como Cláudio Carsughi, da rádio Jovem Pan. Hoje, no programa “Esporte em Discussão”, aquele no qual todos falam ao mesmo tempo e você não entende nada, o mestre tomou a palavra e diante do silêncio e do respeito geral, disse que gostaria de ver não só Neymar, mas também Paulo Henrique na Seleção. Carsughi acha que são os reservas ideais para, respectivamente, Robinho e Kaká. Ninguém ousou discordar de argumento tão lógico.

No mesmo programa, alguém perguntou no lugar de quem Neymar poderia ir, como se todos os convocados fossem intocáveis. Ora, respondeu Fernando Sampaio, no lugar de um lateral, um volante ou mesmo do terceiro goleiro. Com sua habilidade, Neymar pode entrar e decidir um jogo. Quantos mais podem fazer isso nesse time?

Além de Kaká, quem é tão completo como Neymar?  

Pelo que se viu até aqui, o Brasil dependerá das arrancadas de Kaká, dos dribles de Robinho, das peitadas de Luís Fabiano, das bolas paradas de Elano e, talvez, das cobranças de falta de Daniel Alves e das investidas de Nilmar, que começará no banco de reservas. Porém, além de Kaká, quem tem habilidade e visão de jogo para driblar, correr com a bola, lançar, tabelar e marcar gols? Na Seleção, ninguém mais.

Mesmo tão técnico, percebam que Neymar é o artilheiro do Campeonato Paulista. E não marcou apenas contra defesas medíocres, como a da Irlanda, mas desvirginizou também a do São Paulo de Rogério Ceni e o Corinthians de Felipe. Não creio que ele tremeria na África do Sul. Ao contrário.

O ambiente na África será extremamente amistoso para o Brasil. A torcida só não ficará a favor se a Seleção Brasileira se encontrar com o time da casa, o que é bastante improvável. Ou seja, o Brasil jogará cercado de carinho e proteção. É mais difícil para Neymar enfrentar os zagueiros do Interior Paulista, do que será jogar na Copa. Podem apostar nisso.

Se acho que deveria ser titular? Não nos primeiros jogos. Mas dou duas partidas para que o menino entre e ganhe a posição, aclamado por todo o País. Modéstia à parte, conheço um craque quando vejo um e digo isso de Neymar desde a sua estréia como profissional. Já conversei com ele, assisti seus treinos e posso afirmar que ele tem uma qualidade essencial a todo jogador fora de série. Não é só a habilidade, não é só uma qualidade física. É algo intangível e que nunca nos abandona: o raciocínio, a inteligência.

Neymar pensa na frente. Domingo, quando o experiente Alessandro percebeu, o garoto já tinha matado a bola e girado para mandá-la no canto direito de Felipe. Não culpo os jogadores corintianos. Neymar pensa rápido demais para eles. Da mesma forma que no segundo gol, quando podia fazer de tudo, até chutar para a meta, só olhou de canto de olho, mediu a velocidade de André e empurrou-lhe a bola, que o centroavante encontrou no lugar e no momento certos.

O melhor reserva de Kaká?

Dunga tem feito um bom trabalho até aqui e montou um time forte, talvez o melhor que pudesse ter montado com os jogadores que tem à disposição. Dos que não chamou para o jogo contra a Irlanda, já testou todos – técnica e psicologicamente. Ronaldinho Gaúcho talvez esteja jogando bem, mas quem garante que na Copa ele não vá entornar o caldo novamente, como fez no último Mundial? Dunga não quer correr riscos não com o jogador, mas com o homem Ronaldinho Gaúcho.

Neymar, por sua vez, assim como Paulo Henrique Ganso, é um craque do bem, bom moços, educado, respeitador, sem vícios e sem noitadas no currículo, que está jogando o fino mas ainda não foi testado porDunga com a sagrada amarelinha. Quase todos acreditam que Neymar e Paulo Henrique não terão mais nenhuma chance até o início do Mundial. Mas algo me diz que ao menos um dos dois terá. E ajudará o Brasil a ganhar sua sexta Copa do Mundo.

E você, acha que estou delirando, ou ainda é possível sonhar com Neymar e/ou Paulo Henrique na Copa da África do Sul?