Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

Tag: Cota de tevê

9 dias de descanso!


Após uma semana de descanso, o Santos terá mais nove dias para descansar antes do jogo de volta contra a Ponte, no Pacaembu.

Pelo que se depreende de suas entrevistas, a grande notícia que o técnico Dorival Junior deu aos seus jogadores após a derrota de 1 a 0 para a Ponte Preta, na qual o adversário dominou o tempo todo e merecia mais gols, é que agora o Santos terá nove dias de descanso até o jogo de volta, dia 10, segunda-feira, às 20 horas, no Pacaembu.

Há quem diga que o time de reservas que enfrentou o Novorizontino é melhor do que aquele que jogou em Campinas e deveria ser o escalado contra a Ponte, na partida que decidirá uma vaga na semifinal. Eu não chegaria a esse extremo, mas admito que jogadores como Victor Ferraz, Lucas Lima e Ricardo Oliveira não estão bem.

De qualquer forma, o Santos tem a obrigação de vencer o mediano time da Ponte e passar para a semifinal do Paulista. Estou certo de que a torcida santista fará a sua parte e empurrará a equipe para a sua 18ª vitória consecutiva no Pacaembu, o estádio no qual o Santos tem tido os seus melhores desempenhos.

Notas dos santistas em Campinas

Vanderlei: 9. O melhor do time. Evitou um placar mais dilatado.
Victor Ferraz: 4.
Lucas Veríssimo: 3.
David Braz: 3.
Jean Mota: 4.
Renato: 4 (Rafael Longuine: 5).
Thiago Maia: 4.
Lucas Lima: 4.
Bruno Henrique: 4.
Vitor Bueno: 4 (Copete: 5).
Ricardo Oliveira: 2 (Kayke: sem nota)
Dorival Junior: 4.
O melhor da Ponte Preta foi William Pottker, autor do único gol do jogo, aos 20 minutos do primeiro tempo.

E você, acha que o Santos se classificará no Pacaembu?

Enfim Globo admite o óbvio

Há seis anos, em março de 2011, neste mesmo blog, eu fiz um post com minha proposta de divisão de cotas de tevê: 40% da verba dividida entre todos os clubes da Série A, 40% por índice técnico e 20% por audiência. Agora, depois de perder um tempo enorme, a Globo está anunciando que dividirá a verba da seguinte forma: 40% para todos os participantes, 30% por índice técnico e 30% por audiência. Mudou um pouquinho da minha proposta, mas seguiu o espírito. Antes tarde do que nunca.

Cotas de tevê: Minha proposta para uma fórmula boa para todos

A história do Santos em PDFs a preços simbólicos

DonosdaTerraNa Raça!Ser SantistaPedrinho escolheu um time

Diante de constantes pedidos de livros já esgotados em papel, como Donos da Terra, Na Raça, Ser Santista e Pedrinho escolheu um time, o blog está oferecendo cópias em PDF dessas obras por apenas R$ 4,50 (quatro reais e cinquenta centavos). O PDF é enviado pelo e-mail que o comprador designar no endereço para a entrega.

Clique aqui para comprar o PDF do livro “Donos da Terra” por apenas R$ 4,50

Movimento por um Santos Melhor – Encontro em São Paulo

Dia 18, a partir das 18 horas, encontro no Murymarelo Bar

Venha conhecer nossas ideias e também dar as suas para um futuro melhor para o Santos Futebol Clube

Entrada gratuita. Você só paga o que consumir.

murymarelo

Na compra de um exemplar de Time dos Sonhos ou do Dossiê – por apenas 30 reais – ganhe um chope claro ou escuro.

Na compra de uma dose do uísque Chivas, ganhe mais uma de graça.

Confirme sua presença pelo e-mail blogdoodir@blogdoodir.com.br

Clique aqui para entrar no site oficial do Murymarelo


Se fosse só o futebol, o Santos estaria muito bem


Paulo Cesar Verardi, que já passou por Umbro e Grêmio, é o novo gerente de marketing do Santos. Ele foi anunciado para o lugar de Alex Fernandes nesta segunda-feira. Com um perfil mais agressivo, Verardi vem para conseguir patrocínios e turbinar a campanha de sócios do clube. Que os céus o iluminem.

Lucas Lima
Adversário no chão, Lucas Lima segue com a bola. Diante das dificuldades financeiras provocadas pela última gestão, não era para o Santos estar jogando tão bem dentro do campo. O problema continua sendo fora dele (Ivan Storti/ Santos FC).

Mesmo com dispensas de tantos jogadores e contratações de outros a toque de caixa, o Santos tem feito um bom Campeonato Paulista e poderá brigar pelo título. Não digo que é o favorito, mas poderá lutar com boas chances. Agora, o que pega é o jogo fora de campo. Neste, o clube ainda tem muito a evoluir. E o problema é que se não agir rápido, não terá como segurar o elenco e seguirá depauperado para o Campeonato Brasileiro, com riscos até de rebaixamento.

Analisemos, com calma, a maneira como o Santos tem lidado com suas fontes de recursos e o que pode ser melhorado:

Sócios – O presidente Modesto Roma finalmente percebeu que esse contrato com a CSU é péssimo para o Santos. A terceirizada não é nada ágil para conseguir mais sócios e se mostra inepta para manter os que o clube já conquistou. O resultado é uma inadimplência enorme. De 60 mil, o clube só recebe mensalidades de 20 mil sócios. Como já escrevi aqui e já alertei no Conselho, o Santos só pode contar com seu torcedor, ele é o consumidor de sua marca. É preciso perdoar os inadimplentes, acelerar a captação de novos sócios e criar benefícios para eles. É possível, sim, chegar a 100 mil sócios, ou mais, mas para isso é indispensável criatividade, iniciativa e trabalho.

Rendas nos jogos – Dá para conseguir boas arrecadações jogando só na Vila Belmiro? Não! A não ser que todo jogo alcance a lotação máxima do estádio (pouco mais de 12 mil pessoas), sem muito ingresso de cortesia e com preços mais altos. Isso é plausível? Não! Então, o jeito é jogar em um estádio maior, certo? Óbvio! O Santos pode jogar no Pacaembu, sua casa em São Paulo, com capacidade para 39 mil pessoas. Trata-se de um estádio central, com muitas vias de acesso. Mas a diretoria não sabe se decide usar mais o Pacaembu, ou entra na onda dos que fazem campanha contra. Ou seja, a política rasteira e citadina está atrapalhando um plano evidente de marketing, que deveria incluir o agendamento de vários jogos no Pacaembu, com trabalho de hospitalidade e atrações para cativar o torcedor, principalmente as crianças. Por que não adotar a promoção do “Sócio mais Um”, dando ao associado a possibilidade de adquirir uma entrada para um amigo ou parente que não é sócio? Por que não resolver de vez o imbróglio que é comprar ingressos pela Internet?

Patrocínio – Não sabemos o que ocorre nesse departamento do clube, mas passar tanto tempo sem um patrocinador máster é de amargar. Creio que os quesitos anteriores – mais sócios e mais público nos jogos – seriam argumentos essenciais para convencer grandes empresas a usarem o Santos como divulgador de suas marcas. Por isso é que o aumento do quadro de sócios e mais jogos no Pacaembu são providências obrigatórias para dar ao Santos maiores possibilidades de conseguir um bom patrocinador. Quanto mais tempo o clube demorar para reconhecer isso, mais tempo sofrerá agruras financeiras e verá seus rivais dispararem na frente.

Cota de tevê – Como a audiência da tevê depende muito da qualidade do time, este é um item no qual o Santos vai bem no momento. Como o previsto, o seu jogo com o Palmeiras bateu o recorde de audiência no Campeonato Paulista, e o confronto com o Corinthians, que provavelmente decidirá o líder desta fase do Campeonato, dará um ibope ainda maior. Por mais que as equipes de jornalismo esportivo bajulem outros times, não se pode negar que o Santos é uma atração no futebol da tevê brasileira. Isso precisa ser capitalizado pela diretoria do clube. Mas enquanto, sem outras receitas significativas, o Santos seguir pedindo adiantamentos para a Globo, seu poder de negociação será nulo e continuará recebendo cotas menores do que clubes que têm tido piores resultados em campo e piores audiências nos últimos anos.

Clique no link abaixo para saber que o Santos teve R$ 122.388,00 de “Despesas Diversas” e R$ 269.943,00 de Despesas Totais no jogo contra o Audax, no sábado, o que gerou um prejuízo de R$ 5.878,65:
http://www.fpf.org.br/sumulas_2015/a1/3973-109f.pdf

Uma boa notícia: Leandro Damião está fazendo gols
Destaque do Cruzeiro na Copa Libertadores da América e no Campeonato Mineiro, Leandro Damião tem feito gols nas duas competições. Isso é ótimo, pois aumenta a chance de algum clube se interessar pela compra de seu passe. Acho muito difícil que o Santos recupere a fortuna paga pela administração de Odílio Rodrigues ao atacante (R$ 42 milhões, com aumento da dívida de 10% ao ano, em euros!!!). Mas ao menos poderá amenizar o prejuízo. Veja que golaço do LD:

E pra você, como o Santos esta jogando fora do campo?


Juvenal Juvêncio diz que Santos é “de médio para pequeno”

A cada frase, Juvenal mais complica a situação do São Paulo

Ouvi agora mesmo a entrevista que Juvenal Juvêncio deu à uma emissora de rádio conhecida por suas raízes são-paulinas, também conhecida como Jovem Pan, em que ele – aparentemente desesperado com a possibilidade de o Morumbi ser rejeitado para a Copa e se cristalizar como um elefante branco –, atira para todos os lados e nessa artilharia tenta, como é seu feitio, diminuir o Santos, a quem define como “médio para pequeno” e que por isso não deveria receber nenhum aumento nas cotas de tevê.

Juvenal deu a entender que o presidente Luís Álvaro votou em Kléber Leite para presidente do Clube dos Treze porque o candidato da CBF teria prometido aumentar as cotas de tevê do Santos. Juvenal, sem qualquer base estatística, disse que o Santos tem a oitava torcida do Brasil e deixou claro que é contra qualquer alteração no valor das cotas atualmente distribuídas aos clubes.

Como o presidente do São Paulo estava sóbrio e deu entrevista a uma rádio que mesmo não sendo das mais ouvidas, tem o seu público, é importante fazer alguns esclarecimentos:

A pesquisa de torcida mais fidedigna que existe, já falei várias vezes, é a timemania. Lá milhões apostam e escolhem o seu “time do coração”. Não é como certas pesquisas que ouvem meia dúzia de gatos pingados. E pela timemania o Santos disputa com o Grêmio a quinta posição do Brasil, enquanto o São Paulo é o terceiro, separados por míseros 2%. E como movimento de torcida é algo dinâmico, neste momento é óbvio que a do São Paulo está diminuindo e a do Santos crescendo (ou alguma criança, hoje, vai preferir o Rogério Ceni ao Neymar?).

Por outro lado, não é só a torcida que define o quanto um clube deve receber da tevê, mas o que ele representa como espetáculo televisivo. Depois que personalidades do futebol, como Zico e Ronaldo, declararam que não perdem um jogo do Santos, fica evidente qual o time, hoje, atrai mais público em suas transmissões e, consequentemente, dá mais retorno aos anunciantes da tevê.

A empáfia já matou o futebol do Paulistano

Os são-paulinos se orgulham se serem originários do glorioso Paulistano, o maior vencedor da fase amadora do futebol brasileiro. Na verdade, só herdaram os jogadores, que ficaram sem clube para jogar quando o Paulistano fechou o seu departamento de futebol, e fundaram o São Paulo. O Club Athlético Paulistano, como sabemos, continua a existir e é um dos clubes mais elegantes e seletos de São Paulo, encravado nos Jardins, região mais valorizada da cidade. Não tem absolutamente nada a ver com o São Paulo Futebol Clube, no periférico Jardim Leonor.

O São Paulo tem uma origem humilde, pobre mesmo. No início, era só um jogo de camisas, como um time de várzea.  Não tinha sede, muito menos estádio. Não sei se é o caso de se lembrar aqui, mas o São Paulo atual começou nos anos 30 sem um tostão e se valeu das hostilidades e desconfianças da II Guerra para comprar a preço de banana o Canindé de um clube alemão. Depois, tentou apropriar-se do Parque Antártica, já que pertencia ao Palestra Itália, colônia de um país que também estava em guerra com o Brasil, e por fim, graças à participação ativa de Laudo Natel, que era governador do Estado e ao mesmo tempo tesoureiro da construção do Morumbi, ergueu o estádio que tem hoje.

Mesmo nos anos 40, em que teve alguns bons resultados e ídolos como Leônidas da Silva, era um clube de torcedores de baixa renda, quase todos empregados em empresas do Estado, a ponto de ser chamado de “o time dos funcionários públicos”.

Mas o que eu queria dizer é que o Paulistano, que tinha um líder poderoso e intransigente, o senhor Antonio Prado Júnior, fez e desfez tanto no futebol paulista, que acabou marginalizado. Com a ascensão dos clubes mais populares Corinthians e Palestra Itália (Palmeiras), o Paulistano tentou mudar as regras do jogo várias vezes, a ponto de criar uma outra liga, porém, quando viu que a popularização do esporte era irreversível e ele não era mais o xodó das arquibancadas e da mídia, fez beicinho e afastou-se definitamente do futebol.

Juvenal e os prejuízos ao São Paulo

Há uma explicação para o fato de, para muitos torcedores, o São Paulo ter se tornado um reduto de refugos santistas, como Léo Lima, Rodrigo Souto, Cléber Santana e André Luis. A verdade é que falta dinheiro para o clube contratar. Sim, o São Paulo também está com sérios “problemas de fluxo de caixa”.

Tudo começou com mais um palpite infeliz de Juvenal Juvêncio, que diante do impasse de quanto cobrar pelo aluguel do estádio ao Corinthians, disse que quem não tinha casa tinha de jogar na casa dos outros e se sujeitar às condições do locatário. Foi o bastante para que o clube mais popualr do Estado decidisse não jogar mais no Morumbi.

Com isso, o São Paulo não perdeu apenas a comissão pelo aluguel do estádio. Perdeu alguns milhões de reais de empresas que pagavam por placas de publicidade no Morumbi. Sem jogos de Corinthians, e também de Santos e Palmeiras, obviamente a visibilidade do Cícero Pompeu de Toledo se tornou bem menor. Andrés Sanchez me disse que o maior dos anunciantes do Morumbi chegou a ligar para ele antes de renovar o contrato com o São Paulo. Quando soube que era definitivo que o Corinthians não jogaria mais lá, decidiu não renovar.

Desespero para salvar o elefante branco

Com a Copa, há a possibilidade de a região metropolitana de São Paulo contar com um estádio novo e moderno, que tornaria o Morumbi obsoleto, usável apenas pelo seu proprietário. É óbvio que isso seria providencial para Corinthians e Santos, times que têm grande massa de torcedores na Capital e poderiam adotar o novo estádio como seu. Mas para o São Paulo seria um horror. Essa possibilidade parece estar tirando o sono do presidente são-paulino.

Quem vai ao futebol em São Paulo sabe que a pior alternativa é o Morumbi. É distante, as vias de acesso são raras e difíceis. Há pontos cegos no estádio, sim, falta estacionamento e a segurança em torno é precária. O velho Pacaembu é, de longe, a melhor opção para o torcedor paulistano.

Entretanto, ainda sinto uma boa vontade geral dos paulistas para que São Paulo receba um dos grupos da Copa. Que seja no Morumbi, Pacaembu ou no novo estádio que virá. Na verdade, por tudo que representa para o futebol brasileiro, o melhor estádio brasileiro deveria ficar aqui. Como o Morumbi é o maior, apesar de precário, tolera-se o estádio são-paulino. Porém, mais uma vez a artilharia de Juvenal Juvêncio pode transformar parceiros em adversários e colocar tudo a perder. Para o seu orgulhoso São Paulo.

Clique AQUI para ouvir a íntegra da entrevista de Juvenal Juvêncio na Jovem Pan


© 2017 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑