Não gosto de gastar muita tinta com isso, mas algumas coisas têm de ficar claras e nós, que lidamos com a comunicação e a formação da opinião pública, não podemos lavar as mãos, ou seremos coniventes com a violência contra os craques, os habilidosos, os poucos jogadores excepcionais que ainda justificam a fama do nosso futebol.

Digo isso porque fiquei preocupado com o teor de muitos programas esportivos de hoje. Para muitos companheiros da imprensa, “fazer gracinhas” em campo dá ao adversário um motivo para agredir.

Ora, você, jornalista que defendeu essa tese hoje – e entre eles alguns amigos – disse uma bobagem monumental e perigosa. Se não viu, procure nos filmes e veja como se jogava nos anos 50 e 60, a década de ouro do nosso futebol. Se as pedaladas ou os toquinhos, como o de Madson, justificam tumultos e agressões, o que diriam, então, das debochadas de Garrincha, das sentadas na bola de Luizinho, das canetas e gingadas de Pelé? Hoje seriam condenados à morte, provavelmente.

Percebi nas críticas uma vontade recôndita de fazer média com o time mais popular de São Paulo, o que garante o ibope e o feijão de muitos colegas.

Pergunto: por que transformar a vítima em réu? Que interesse há em perseguir os meninos e justificar a violência do adversário?

O árbitro protegeu o Santos? Ora, ora, ora. Pois eu afirmo que o jogador mais indisciplinado e violento em campo ficou no jogo até o final, sem que nos programas de tevê de hoje eu visse ou ouvisse alguém se lembrar de que ele, intencionalmente, acertou uma cotovelada em Pará e tirou o santista de campo.

Com a desculpa de se proteger no lance. Dentinho chegou convenientemente atrasado, com o cotovelo alto, e feriu seriamente o lateral santista, com quem tinha discutido um minuto antes.

Não foi a primeira vez que Dentinho agiu assim. Em um jogo contra o Atlético Paranaense, no Pacaembu, usou o mesmo recurso contra Rafael Moura, seu ex-companheiro do Corinthians (veja o filme clicando no link abaixo).

Confesso que não teria qualquer interesse em divulgar lance tão feio e reprovável, mas como sei que Dentinho ameaçou Neymar e os garotos do Santos na probabilidade de um jogo pelas finais no Pacaembu, com ambiente totalmente hostil para os Meninos da Vila, acho bom alertar desde já árbitros e autoridades competentes para a má intenção deste atacante do Corinthians, que é um bom jogador, mas se perde pela falta total de educação e descontrole.

Clique aqui e veja como o passado de Dentinho o condena

E você, acha que o jogador que abusa da habilidade e usa o talento para desmoralizar o marcador, merece levar pancada?