O empate de 1 a 1, no Mineirão, foi justo, mas com um pouco mais de precisão no ataque o Santos bem que poderia ter vencido o Cruzeiro. No clássico, o Palmeiras foi o menos ruim e superou o São Paulo, por 4 a 2. E no sábado o líder conseguiu sua maior façanha no campeonato: perder, em casa, para o praticamente rebaixado Atlético Goianiense, por 1 a 0. Em suma, o Campeonato Brasileiro continua medíocre e foi esse mesmo termo que usei na sexta-feira, no programa das 20 horas da Rádio Transamérica.

Os jovens comunicadores do programa me olharam entre surpresos e incomodados, mas o experiente Silvio Luiz não se abalou. É que falavam muito do Corinthians e eu tive de lembrá-los que o Campeonato Brasileiro está esvaziado, pois a competição mais importante do ano para os times brasileiros é a Copa Libertadores da América. Além disso, há os que estão priorizando a Copa do Brasil. Dos que colocaram o Brasileiro como meta principal, o Palmeiras é o único que poderia lutar pelo título, mas está 14 pontos atrás do primeiro colocado.

Usei “medíocre”, como sinônimo de mediano, para definir o Brasileiro e seu líder. Logo em seguida, para não parecer que estava puxando a sardinha para o meu lado, admiti que o Santos também é medíocre, assim como todos os grandes clubes brasileiros. E fiz a pergunta, que sempre fica sem resposta: “Qual é o craque em atividade no Brasil, hoje?”.

Até o ano retrasado talvez esse craque fosse Lucas Lima, mas agora perde a bola e fica assistindo a partida, leva cartões amarelos a todo momento, reclama mais do que joga. Em um clube europeu, mesmo de nível médio, teria vida curta, pois lá o jogador tem de ser participativo, não pode jogar só com a bola no pé. Vejam que até Neymar ajuda na marcação.

No dia seguinte ao programa na rádio, o Corinthians perdeu do lanterna em sua arena, e no domingo, em que prevaleceu a lógica absoluta, além do empate do Santos, o Palmeiras ganhou do São Paulo depois de sofrer um pouco. A única grande jogada foi o gol de Willian, o segundo do Palmeiras, batendo da direita, enviesado, no canto alto oposto do goleiro. Gol bonito, mas um tanto óbvio, na verdade, repetição de muitos outros nas mesmas circunstâncias.

A imprensa esportiva deveria evitar comentar em cima de resultados e da tabela de classificação, mas como esperar que jovens cronistas não elogiem o líder do Brasileiro, se ele tem uma vantagem tão grande de pontos e se a maior torcida também é dele? Torcida grande dá ibope e influencia nas análises, mas não deveria. É evidente que o líder tem um ótimo sistema defensivo, mas apresenta muitos problemas quando precisa atacar, pois não possui jogadores de grande habilidade.

Outra evidência desse Brasileiro, em que vemos tantos ex-santistas espalhados por aí – Robinho no Atlético Mineiro, Diego e Geuvânio no Flamengo, Marquinhos Gabriel no Corinthians… – é que não é em todo time que certos jogadores mostram o seu melhor futebol. O Santos tem um ambiente especial que favorece a atuação jovens, principalmente, mas também de veteranos identificados com o clube. Aliás, essa maior tolerância dos santistas com os garotos e velhinhos tem de ser aproveitada para montar grandes equipes sem se gastar muito dinheiro.

Bem, mas eu comentava a postura da imprensa esportiva diante dos times paulistas. Com a necessidade de se conseguir audiência, é compreensível que ela endeuse um time medíocre, apenas porque é o líder. Essa falta de visão, porém, influi na meritocracia e acaba provocando aberrações, como a convocação para a Seleção Brasileira de jogadores de esquema tático, mas que individualmente deixam muito a desejar, como o grandalhão e pouco ágil goleiro Cássio. Depois, a Seleção toma uma traulitada e fica todo mundo de boca aberta, sem saber por quê.

Inscrições abertas para o II Curso de Especialização Técnica e Ética do Novo Jornalismo Esportivo

Sou do tempo em que jornalistas precisavam ter o diploma universitário para exercer a profissão. Hoje parece que ele não é obrigatório. Porém, continua sendo obrigatório escrever bem, conhecer a técnica e a ética da profissão. Idealizei esse curso pensando em profissionais, estudantes e interessados. O primeiro, em julho, foi um sucesso. Estou esperando a turma de setembro. Lembro que as inscrições se encerrram dia 4, próxima segunda-feira. Abaixo, o programa e informações para as inscrições.

Temas do Curso

Pirâmide Invertida X Novo Jornalismo

As maneiras tradicional e criativa de se escrever uma reportagem

As regras para uma boa entrevista

Da preparação à técnica de colher informações e escrever

As dez qualidades do bom jornalista

Extraídas do livro “Lições de Jornalismo”.

Como escrever para

Jornal – Revista – Rádio – TV – Blog

Mídia Social e Assessoria de Imprensa

Escrever um livro

Como pesquisar, escrever e publicar

Os limites da polêmica

Como evitar os crimes de opinião:

Difamação, Injúria e Calúnia

Princípios do bom texto

Clareza

Objetividade e ordem direta

Escolha das palavras simples e concretas

Uma ideia por parágrafo

Precisão. Sem ela não há credibilidade.

Isenção. A necessidade de ser neutro.

Empatia. O melhor repórter se apaixona pela matéria.

A importância de reler o texto

Criatividade e os caminhos que levam a ela

Comportamento do repórter

Humildade e Respeito. Qualidades essenciais.

Ousadia e Iniciativa. Quando elas são obrigatórias.

Descrição das funções Jornalísticas

Repórter – Copidesque – Chefe de Reportagem

Revisor – Editor – Editor-chefe

Como fazer

Títulos – Subtítulos – Olhos – Intertítulos – Legendas

Lições na classe e em casa

Matérias sobre eventos escolhidos

Trabalho Final

Certificado de Conclusão com o número de horas/aula

Curso de Especialização Técnica e Ética do Novo Jornalismo Esportivo

Carga horária: 16 horas

Datas e horários: dias 5, 6, 12, 14, 19, 21, 26 e 28 de setembro, das 19h30 às 21h30.

Local: Associação dos Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo (ACEESP).

Endereço: Av. Paulista, 807, 9º andar, conjunto 904, São Paulo. Fones: (11) 3251-2420 e 3289-8409.

Investimento: R$ 300,00 (trezentos reais – 50% na matricula, 50% até o dia 15 de setembro.)

Sócios da ACEESP em dia com a anuidade não pagam.

Informações e inscrição até 4 de setembro pelo e-mail blogdoodir@blogdoodir.com.br

Ministrado por Odir Cunha, jornalista profissional há 40 anos – Jornal da Tarde, O Globo, rádios Globo, Excelsior e Record, TV Record, editor de nove revistas esportivas, diretor de comunicação da Secretaria Municipal de Esportes de São Paulo, diretor da Ampla Comunicação, editor das editoras de livros Novo Conceito e Magma Cultural, dono do Blog do Odir, autor de 27 livros, biógrafo de Oscar Schmidt, Pelé e Gustavo Kuerten, ganhador de dois prêmios Esso e três prêmios da Associação Paulista dos Críticos de Arte.