Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

Tag: Curso Escrever bem

Que tal voltar de férias, Santos?

Não vi o jogo e não gostei. Não vi porque estava iniciando meu curso ESCREVER BEM, no Instituto Bettarello – que darei nas próximas quintas-feiras, das 20 às 22 horas.

Ontem tive o prazer de ter entre meus alunos o professor José Teixeira, ex-técnico de Corinthians e Santos e ex-auxiliar técnico de Cláudio Coutinho na Seleção Brasileira. Como o trabalho, para mim, sempre vem em primeiro lugar, não pude assistir a Palmeiras e Santos.

Ouvi os comentários do Zé Boquinha, da Rádio Eldorado/ESPN, e apesar de saber que ele é um cara do basquete que está fazendo uma boquinha como comentarista de futebol, acreditei, com ressalvas, no que ele disse.

Acreditei porque conheço o Santos. Sei que o time às vezes dá um perdido e não joga nada. Pelo que o Zé Boquinha (que leva todo o jeito de palmeirense) disse, Neymar, André e Alan Patrick não jogaram absolutamente nada.

Dorival Junior tirou Neymar e o garoto não gostou. Eu também não gostaria de sair e ver que o nulo do Alan Patrick continuou no jogo.

Todos concordam que o Ganso entrou e o time melhorou. É óbvio que com ele todo mundo joga melhor. O Ganso é, hoje, peça-chave no Santos. O Neymar, o André, o Robinho e outros deveriam dar uma porcentagem do que ganham para o Ganso, pois sem ele ninguém rende muito bem nesse time.

O Neymar sozinho, sem Ganso e Robinho do lado, se apaga. E a defesa continua batendo cabeça. E os laterais Pará e Maranhão também não jogaram nada. E a diretoria não contratará mais ninguém. E o time perde mais um clássico e vai se afastando dos líderes…

Não é porque pode garantir a vaga para a Libertadores na final com o Vitória – decisão dificílima, na verdade, pois o time de Salvador está jogando melhor do que o Santos – que o Campeonato Brasileiro deve ser encarado como “o que vier é lucro”.

O Santos já mostrou que tem time para brigar também pelo título do Brasileiro, mas está faltando atitude, personalidade. Contra o Palmeiras o Santos não foi sombra do que jogou no primeiro semestre. A esperança é de que volte a ser um time de verdade na próxima partida, domingo, contra o Fluminense.

Técnicos, esses eternos insatisfeitos

Técnico de futebol é o sujeito que tem mais desculpas prontas. Se o time está jogando duas vezes por semana, eles reclamam que “o desgaste é grande”. Se tem umas férias de mais de um mês, reclamam que a equipe “perdeu o ritmo”.

Dorival, eu gosto muito de você, mas para de dar desculpas. Você teve um mês para descansar os jogadores e acertar algumas coisas. Voltar bem pior do que antes é culpa sua.

Pare de se explicar e faça este time jogar bem de novo. Seja profissional e force os jogadores a serem também. Enquanto estiverem recebendo salários do Santos – e ótimos salários – têm de se dedicar.

Aliás, nem sei se é bom deixar o André no time. Se ele não estiver mais a fim de suar a camisa e botar a canelinha nas divididas, que ceda seu lugar ao Zé Eduardo, que já fez por merecer começar jogando como centroavante.

Na próxima semana o Santos joga na quarta-feira, contra o Atlético/PR, em Curitiba. Então, poderei acompanhar a partida inteirinha, já que as aulas de redação do curso ESCREVER BEM, como eu disse, são na quinta-feira.

Na próxima aula falarei e ensinarei as técnicas do Novo Jornalismo, como escrever as notícias do dia-a-dia com mais talento e charme – algo que aprendi nos bons tempos do Jornal da Tarde. Essas técnicas já me ajudaram a ganahr dois Prêmios Esso. Quem sabe ajudam a você também…

Se você é jornalista, ou pretende ser, ou tem um blog ou site, acho que deveria ir ao Instituto Bettarello e dar um passo à frente na sua carreira.

Se ligar pra Neusa e disser que é meu amigo, não terá desconto, mas será servido com refrigerante e bolachinhas durante a aula. Ligue Djá (11) 30827062 ou 30611464.


Quer aprender a escrever bem? Deixa comigo!

Castilho de Andrade e eu, jovens ganhadores do Prêmio Esso de Jornalismo em 1979.

Acho que tinha uns sete, oito anos, e já queria viver como escritor. Bem, ainda estou tentando, já que escrever bem exige a dedicação de uma vida inteira, ou mais… Mas o bom é que ao tentar a gente aprende, se aprimora, ao mesmo tempo em que consegue, de vez em quando, criar textos que tocam as pessoas, ampliam o conhecimento e podem até influenciar nos fatos e na história.

Creio que comunicar-se com eficiência passou a ser uma necessidade dos novos tempos. Estudantes sempre precisaram redigir bem, necessidade que aumentou agora com a obrigatoriedade de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs); no mundo dos negócios torna-se vital a capacidade de elaborar planos e projetos eficazes; a Internet, com suas redes sociais, difunde e populariza a linguagem escrita entre um público que pouco a utilizava antes e, finalmente, o profissional de comunicação – jornalista, relações públicas ou escritor – se vê diante de maiores desafios e exigências para se destacar em um meio cada vez mais concorrido.

Por isso, resolvi dar aulas sobre o tema e através delas passar o mais importante que aprendi nesses anos de caneta e teclado. Ao rever minha vida, percebo que escrevi para todas as mídias (rádio, tevê, revista, Internet), fui ainda assessor de imprensa, poeta, compositor e tenho 17 livros publicados. Enfim, de todas as formas de se ganhar a vida escrevendo, só não fui escrivão de política e tabelião de cartório.

Como escrever é um quebra-cabeça que tento desvendar diariamente, posso dizer que algums vezes encontrei soluções bem interessantes, e sinto prazer em transmiti-las a outros tão apaixonados pelo bom texto como eu. Por isso é que aceitei o convite do Instituto Bettarello e criei um curso que, tenho certeza, ajudará muitas pessoas a escrever melhor. Espero, sinceramente, que você seja uma delas.

Curso ESCREVER BEM

No Curso “Escrever Bem” reúno o que aprendi de melhor em 33 anos de carreira e transmito a quem quer se comunicar com mais criatividade e eficiência através da palavra escrita.

O curso, com quatro aulas semanais de duas horas cada, começa dia 15 de julho – na semana posterior à final da Copa do Mundo – e prosseguirá pelas três quintas-feiras seguintes, sempre das 20 às 22 horas.

Ele será ministrado no Instituto Agostinho Bettarello, um aconchegante espaço de saber e arte situado à rua Teçaindá, 86. Pinheiros (travessa da Rebouças, sentido bairro).

Os inscritos terão um atendimento personalizado e poderão trocar e-mails comigo durante o período do curso, desfazendo dúvidas e adquirindo mais conhecimento sobre a arte de escrever bem. Informe-se, abaixo, sobre o curso, e tome uma decisão que pode mudar a sua vida.

ESCREVER BEM

Primeira aula
Por que é essencial escrever bem
A importância de redigir com clareza e eficiência
Fundamentos de um bom texto
Exemplos e análises de bons textos

Segunda aula
Novo Jornalismo, ou Jornalismo Literário
O jornalismo tradicional e o Novo Jornalismo
Os bons tempos do Jornal da Tarde
Exemplos e análises de textos jornalísticos

Terceira aula
O texto empresarial
Como comunicar-se bem com clientes e funcionários
O bom texto na assessoria de imprensa
Como redigir propostas, projetos e TCCs

Quarta aula
Escrever um livro
Escolha do Tema/ Pesquisa/ Edição
A boa redação literária/ Argumentos/ Personagens
Exemplos/ Disciplina/ Cuidados com o texto

Participação especial do escritor Luís Fernando Pereira.

Todas as aulas terão exercícios e lições de casa

Necessário trazer caderno de anotações e caneta/lápis

Datas
Dias 15, 22 e 29 de julho e 5 de agosto

Dias da Semana
Quintas-feiras, das 20 às 22 horas

Carga horária
Oito horas

Local
Instituto Agostinho Bettarello
Rua Teçaindá, 86. Pinheiros – travessa da Rebouças, sentido bairro.

Organização
Sergio Vieira Bettarello

Valor
R$ 360,00 (quatro encontros, pagamento em duas vezes) ou R$ 110,00 (participação em palestra avulsa)

Certificado de participação
Os participantes receberão certificado assinado pelo mestre Odir Cunha e pelo doutor Sergio Vieira Bettarello, diretor do Instituto Bettarello.

Informações e Inscrições
Instituto Bettarello – (11) 30827062 ou (11) 30611464


© 2017 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑