Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

Tag: Dimba (page 1 of 2)

E agora, Muricy? Quem é titular e quem é reserva?

A boa vitória de ontem, sobre o Linense – por indiscutíveis 4 a 1 – deixou no santista dúvidas atrozes: esses jogadores são mesmo os reservas, ou, ao menos muitos deles, devem ser guindados a titulares?

Eu diria que na zaga tanto faz Vinícius Simon e Bruno Rodrigo como Edu Dracena ou Durval. Aliás, por estarem sem o chamado ritmo de jogo, eu não escalaria Dracena e Durval no início da partida contra o Strongest, da Bolívia. Dupla de zagueiros depende de entrosamento.

Nas laterais, Crystian e Paulo Henrique são melhores de que Pará e Maranhão e, no meio, Anderson Carvalho e Felipe Anderson estão sendo mais eficientes do que Íbson, Elano ou Henrique.

No ataque, se Borges estiver recuperado, tem de jogar ao lado de Neymar. Mas, se o número nove continuar machucado, Alan Kardec ou mesmo Dimba, devem ter uma chance.

Assim, se eu fosse o técnico do Santos, o time que escalaria para estrear na Libertadores, em busca do inédito quatro título sul-americano, teria Rafael ou Aranha no gol (sinceramente, é uma posição em que tanto faz um ou outro); Fucile ou Crystian na lateral-direita (só não pode é inventar o Pará ou o Maranhão); Bruno Rodrigo e Vinícius Simon na zaga (seria um erro escalar Dracena ou Durval) e Léo ou Paulo Henrique na lateral esquerda (novamente Pará e Maranhão não servem).

No meio, sem Adriano, machucado, eu escalaria, de olhos fechados, Anderson Carvalho, Arouca, Felipe Anderson e Paulo Henrique Ganso. Tanto Elano, como Íbson e Henrique são jogadores que podem ter nome e ganhar altos salários, mas NÃO ESTÃO JOGANDO NADA. Só mesmo um técnico medroso, conservador ao extremo, continuaria mantendo um dos três no time. Mas Muricy pode manter, eu sei.

No ataque, não dá para fugir de Borges e Neymar. E se Borges não puder, que entre Alan kardec. E se este estiver mal, Dimba tem entrado bem, principalmente quando joga caído pela direita. Acho até que dá para escalar um time mais ofensivo, com três no meio campo e três no ataque.

Enfim, o jogo de ontem mostrou que nem todos que Muricy considera reservas são piores do que os titulares. Resta saber se o técnico terá coragem de escalar os melhores, sem levar em conta a fama.

E para você, qual o time do Santos para as Libertadores?


Dá pra ser campeão sem centroavante?

Com a venda de Zé Eduardo para o Genoa, o santista está se perguntando se dá para ser campeão sem centroavante. E isso nos faz tecer várias considerações sobre o assunto:

Ontem o Santos ganhou do Grêmio Prudente por 4 a 2, depois de conseguir uma folgada vantagem de 4 a 0, e continua na liderança do Campeonato Paulista. E chegou à convincente vitória sem centroavante.

Ao ver Elano fuzilando o goleiro com tanta desenvoltura, no primeiro gol, imaginamos se ele não seria um centroavante mais técnico do que a maioria. Sim, seria. Mas Elano não é centroavante e não vai mudar de posição justo nesta fase de sua carreira.

Teoricamente é possível ser campeão sem centroavante, mas, na prática, quase todos os times que conquistam títulos têm um jogador especialista em ficar na área adversária mandando as bolas para dentro do gol. Em 2010 o Santos teve André; o Fluminense, Fred

Em 2002 desabrochou o futebol de Alberto, que antes e depois daquele ano foi um jogador medíocre, mas que naquela temporada foi para os santistas o que Coutinho, Pagão e Toninho Guerreiro tinham sido. Até gol de bicicleta o rapaz fez. Ao sair do Santos, Alberto nunca mais repetiu seu desempenho naquele ano de graça, e o Santos também passou um 2003 difícil – experimentando jogadores como Fabiano e William –, e só resolveu a questão quando trouxe Deivid de volta, e com ele conquistou o título brasileiro de 2004.

A posição de centroavante não exige só técnica, mas temperamento. É preciso estar disposto a brigar pela bola (e pelo espaço) o tempo todo. Protege-la para quem vem de trás, tentar um ou outro drible e sempre estar atento à possibilidade do arremate. Exige experiência, malícia, personalidade, pois lida-se com zagueiros e goleiros nem sempre amistosos. Enfim, ser um bom camisa 9 não é só questão de fundamento, mas de conhecimento.

Zé Eduardo é um centroavante nato? Não. Assim como Diogo também não é. Zé Eduardo é um meia que cai pelos lados, pode tabelar, penetrar e bater com força e precisão ao gol. Não é, mas tem características de um bom centroavante. Se o Santos não puder contar com ele, e não conseguir ninguém à altura para a Libertadores, o time terá uma lacuna tática difícil de preencher.

Mesmo com Zé Eduardo no time, a verdade é que o Santos sentia a falta de um bom centroavante, já que Keirrison não está sendo. Keirrison marcou muitos gols pelo Coritiba, mas vindo de trás, geralmente acompanhando um contra-ataque em velocidade. Nunca foi um jogador de ficar na área.

Depois de uma contusão séria, parece que Keirrison perdeu velocidade e força muscular. E com isso perdeu também a confiança. Talvez o que falte a ele sejam músculos – e disposição para ficar horas preparando melhor seu físico para os embates na chamada zona do agrião. Mesmo jovem, Keirrison está ficando com fama de jogador acabado para o futebol. Só ele pode sair do buraco em que se meteu. Não é com desculpas esfarradas que recuperará o respeito. Tem de voltar a jogar bola, ou logo estará em um time da Série B, ou C.

Enfim, minha opinião é que dá para ser campeão sem um centroavante, mas – a história prova – a possibilidade é bem maior quando se tem um. Pois ele é aquele que pode pegar pouco na bola, mas, quando pega, pode decidir o jogo. É o que não se apavora diante do goleiro, é o que está acostumado com a sensação de ver a bola entrando na meta adversária. Enfim, é o especialista em mandar a gorduchinha pro fundo das redes.

Então, como não dá para confiar em Keirrison, e muito menos no garoto Dimba, que foi promovido não sei por quê, o Santos precisa, sim, contratar um bom centroavante. A não ser que não leve tão a sério a briga pelo título da Libertadores.

Mas esta é apenas a minha opinião. E você, acha que é possível ser campeão sem um centroavante? Dê e explique sua opinião, por favor.


A saída de Zé Eduardo, a promoção de Dimba e o drama do centroavante

Está tudo muito bom, está tudo muito bem, mas o Santos tem um problema: ficará sem centroavante. Na verdade, o problema é dinheiro e por falta dele o clube teve de vender André e agora fará o mesmo com o surpreendente Zé Eduardo, que vive a melhor fase de sua carreira.

Zé Eduardo pode não ser um craque, mas é ágil, raçudo, bate bem na bola, enfim, um fazedor de gols muito bom. E já está entrosado com o resto do time. Perdê-lo agora, por 2,7 milhões de euros (a parte que caberá ao Santos), só pode ser um bom negócio se for possível trazer um jogador melhor. Pois sem o Zé o time ficará, momentaneamente, sem um centroavante à altura.

A esperança Keirrison, uma das contratações mais ousadas da diretoria, que veio para o lugar de André, até agora não jogou pelo Santos e, pelo jeito, encerrará o seu contratado de empréstimo – em julho deste ano – sem o fazer. Dispersivo, errático, inseguro, o jogador que o Barcelona comprou do Palmeiras por R$ 44 milhões não é nem sombra do que foi quando começou no Coritiba e tinha a mania chata de fazer muitos gols no Santos.

Se fosse possível devolvê-lo, ou passá-lo a outro time, seria melhor. Pagar o teto do clube – R$ 160 mil – para um jogador inútil, é jogar dinheiro fora. E o torcedor, sábio como sempre, está percebendo essas incongruências da diretoria.

Zé Eduardo disse que pela metade do salário que o Genoa lhe ofereceu, ficaria no Santos (o atacante Maikon Leite também ficaria no clube por um salário menor do que o de Keirrison). E ainda há a promoção de Dimba. Se foi promovido, vai assinar contrato como profissional e ganhar um salário. Não sei quanto ele vai receber, mas já aviso que, pelo que ele joga, qualquer valor será caro.

A impressão que fica é que, no caso do centroavante, o Santos está gastando vela com defunto ruim. Como ficar com Keirrison e Dimba para disputar a Libertadores seria um absurdo descomunal, acredito que a saída de Zé Eduardo implicará a contratação de alguém.

Mas aí é que está: quem está no mercado que possa ser contratado por 2,7 milhões de euros e seja melhor do que Zé Eduardo? O medo é trocar seis por três, e o clube que tinha André e Zé Eduardo brigando pela posição, agora fique sem ninguém para ocupá-la.

Enfim, a posição de centroavante tem sido o calcanhar de Aquiles nesse planejamento do Santos para 2011. Justo nesta posição-chave – que já foi ocupada por foras de série como Feitiço, Pagão, Coutinho, Toninho Guerreiro, Juary – o clube não se acerta, desfazendo-se dos melhores e mantendo alguns que não seriam titulares nem no time de juniores.

Bem, como a saída de Zé Eduardo parece inevitável, quem o Santos deve contratar para a posição? Sugira e explique sua escolha.


Copinha: Santos jogou mal e se classificou sem merecer

Amigos, que ninguém se iluda: o Santos ganhou do São Carlos, por 2 a 1, e se classificou para a próxima fase da Copa São Paulo, mas o time voltou a jogar mal e ainda não mostrou nenhum jogador que ao menos possa completar o quadro dos reservas em um treino dos profissionais. Por enquanto a impressão que se tem é que essa safra é muito ruim.

Alguns jogadores têm alguma habilidade, mas não têm cabeça; outros têm cabeça, mas não sabem nem andar em campo. Num dá!

No primeiro tempo o time jogou como um time, tentando passar a bola ao companheiro com mais espaço, e adotar essa teoria básica do futebol já foi suficiente para dominar a partida e ter dois pênaltis a favor: o primeiro batido por Crystian e defendido pelo goleiro, e o segundo convertido por Dimba.

Não se anime. Apesar do gol, Dimba voltou a ser quase nulo, como todo o ataque do Santos. Aliás, como o ataque e o meio-campo. Aliás, como o ataque, o meio-campo e a defesa.

Alguns poderão dizer: mais o Crystian tem habilidade, o Elivelton lutou, o Dimba segurou mais a bola… Mas eu respondo que o Crystian segura demais a bola e a perde em situações perigosas, propiciando o contra-ataque ao adversário; Elivelton não certa um passe de dois metros e Dimba não seria titular nem no meu time do campinho do Diamante. O tio dele já não era grande coisa, mas fazia gols. Ele, nem isso. Até o pênalti chutou mal, com o pé mole, e a bola só entrou porque o goleiro escolheu o canto errado.

Quando, ao final do primeiro tempo, ao ser entrevistado pelo repórter do Sportv, Dimba disse que na segunda etapa o Santos iria “manter o resultado”, já fiquei preocupado. O time estava dominando, sempre rondando a área adversária, e voltaria no segundo tempo para se defender?

Como se esperava, o São Carlos dominou a segunda etapa e não merecia perder. Incrível que mesmo quando o time do Interior tinha só dois jogadores tabelando pela lateral, eles conseguiam segurar a bola no meio de quatro, cinco, jogadores do Santos, sem que nenhum fizesse o corte.

Tiago Alves jogou só 9 minutos e foi expulso

Um dos motivos da melhora do time no primeiro tempo foi a ausência de Tiago Alves, cujo improdutivo individualismo vinha contagiando a equipe. Mas ele entrou faltando dez minutos e, para variar, tentou resolver tudo sozinho. Perdeu a primeira; chutou sem ângulo a segunda; driblou dois e perdeu a bola na terceira; saiu com bola e tudo na quarta, e no final, quando o Santos ganhou um gol-contra do pobre zagueiro adversário, Tiago cismou de provocar a torcida e foi expulso.

Enfim, o garoto é um caso para o psicólogo do Santos. Está se achando e não tem jogado nada. Talvez ainda consiga jogar, pois tem físico, rapidez e alguma habilidade, mas sua falta de inteligência chega a doer. Se seus neurônios tivessem a mesma rapidez de sua pernas, seria um craque.

Não estou sendo cruel. Estou sendo sincero. Se todo mundo agisse assim, os clubes economizariam tempo e dinheiro. Há quanto tempo os santistas não esperaram que Tiago Luís se transformasse no novo Messi?

O que dizer do zagueiro Jairo, que cometeu o pênalti que quase elimina o Santos? Eu, com 58 anos, sou mais rápido, tenho mais habilidade e sou mais magro do que ele. Num dá. É muito ruim!

Pra não dizer que todo mundo não presta neste Santos, hoje vi algumas boas jogadas do Geovanio, lateral-esquerdo, logo no comecinho da partida. Mas depois voltou a jogar o seu futebol de sempre, também abaixo da média.

Narciso comemorou o quê?

Não entendi a comemoração do técnico Narciso. Ele havia dito que nesta idade títulos não importam, mas sim revelar jogadores. Pois esse time que ele montou não revelou ninguém até agora, e os piores são exatamente os dois zagueiros, posição que Narciso deveria conhecer bem, pois jogou nela.

Para este time continuar na Copa São Paulo tem de começar a jogar futebol, coisa que não fez até agora. Dirão que hoje ao menos teve garra. Sim, mas novamente faltou inteligência. Se garra resolvesse tudo no futebol, Grêmio e Inter terminariam todo campeonato gaúcho empatados.

Bem, esta é apenas a minha opinião. E você, gostou do Santos?


Sobrou garra pras Sereias, faltou inteligência pros Meninos

Sei que é preciso ter paciência com adolescentes. Quando eles menos merecem, mais precisam de carinho. Então, dei um tempo, respirei fundo e só agora começo a analisar o jogo dos Meninos da Vila neste domingo, contra o Atlético Acreano, pela Copa São Paulo de Futebol Junior.

O técnico Narciso já disse que nesta fase títulos não importam, importa é revelar jogadores. Concordo. Por isso, estou meio conformado de que o Santos não vencerá esta Copa São Paulo. Mas ao menos queria ver algum novo Menino da Vila ser revelado – o que, reconheço, está difícil.

Do time que venceu o Atlético Acreano por 1 a 0, hoje, ninguém se salvou. A maior esperança, Tiago Alves, foi a maior decepção. Não vou dizer que o rapaz pensa que é o Pelé, pois o Pelé ao menos tabelava com o Coutinho. O garoto abaixa a cabeça e tenta se livrar de todas as pernas adversárias que vê à sua frente e, invariavelmente acaba perdendo a bola. Um dia talvez faça um gol de placa, mas até lá pode passar jogos e jogos sem produzir nada.

O que falta a Tiago Alves é inteligência para jogar futebol. E isso é grave, pois sem ela não existe craque. Garrincha podia ser um brincalhão fora de campo, mas era um Eisntein com a bola nos pés. Craques não são geniais apenas pela habilidade, mas pela antevisão da jogada, pela visão periférica, por saber usar tudo que um jogo de futebol lhe proporciona, e entre esses “acessórios” estão os companheiros, claro.

Outro que me decepcionou profundamente foi o lateral-direito Crystian. Contra o Confiança ele segurou demais a bola, mas perdeu-a muito pouco. Desta vez ele continuou querendo jogar sozinho, mas fez pouca coisa de útil e ainda proporcionou contra-ataques ao adversário que por pouco não resultaram no gol que eliminaria o Santos da Copa.

Dimba? Olha, um time que já teve os centroavantes que o Santos teve, não pode dar a 9 para um jogador tão ruim e dispersivo como este Dimba. Talvez um dia o rapaz melhore, o que acho difícil, mas por enquanto não entendo como a divisão de base do Santos aceitou um centroavante assim – e ainda lhe deu a camisa titular. O moço não é mais nenhum garotinho. Fará 19 anos daqui a dois meses. Quem puder, me explique melhor o caso desse Dimba.

Tinga é outro jogador inexplicável. Quando não dava para chutar a gol, forçava a jogada e mandava a bola para as nuvens; quando teve a melhor chance para chutar, na risca da área, cismou de passar para Dimba, em impedimento, e desperdiçou o lance. E ainda parecia nervoso. Ora, se você fica nervoso contra os garotos do Atlético Acreano, com torcida a favor, como se sairá em circunstâncias mais adversas? Enfim, não me parece que Tinga tenha a mínima possibilidade de se tornar profissional.

Da mesma forma que os zagueiros, o goleiro, o lateral-esquerdo, os atacantes, ninguém deste Santos dá pinta de que um dia jogará pelo time principal. Narciso pode ser um técnico fraco, que não sabe armar o time e nem tem a psicologia para tirar o máximo dos garotos, mas há coisas que não dependem do técnico. Chegar à linha de fundo e bater a gol é burrice; querer driblar quando há três ou quatro jogadores na área pedindo o cruzamento, também é.

O pior é que o único em que depositávamos alguma confiança, Tiago Alves, deve achar que a cabeça só serve para usar o mesmo corte moicano do Neymar. Não fez uma única jogada em que fosse possível vislumbrar um lampejo daquela clarividência que só os craques têm.

Bem, pra resumir, eu digo que pelo que vi nestes dois jogos de Copa São Paulo, o Santos não tem ninguém capaz de ser promovido a profissional em 2011. É prematuro dizer isso? Talvez. E torço para queimar a língua. Mas, infelizmente, temo estar certo.

Sereias, que luta!

Zapeei entre os dois jogos o tempo todo e posso assegurar que o jogo das Sereias da Vila, contra o Palmeiras, foi mais técnico do que o dos rapazes. E elas tiveram mais garra e foram mais inteligentes também. Um grande jogo, que o Santos venceu por 1 a 0, garantindo vaga na final do Torneio Internacional de Araraquara.

Mesmo contanto com Marta apenas no primeiro tempo – ela viajou para a Suíça, onde concorrerá ao título de melhor jogadora do mundo pela quinta vez –, o Santos, comandado pela craque Maurine, soube se defender do ótimo Palmeiras comandado por Formiga.

O resultado mais justo seria o empate, apesar de a arbitragem não ter marcado um pênalti em Suzana, a autora do único gol do jogo. O Palmeiras teve mais a posse de bola, mas as Sereias, ao contrário dos Meninos, souberam jogar com a cabeça, além de terem um controle emocional maior.

Bem, esta é só a minha opinião. Quero saber a sua. Será que desse time de juniores sairá ao menos um jogador para o profissional?


Older posts

© 2017 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑