Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

Tag: Dossiê Unificação dos Títulos Brasileiros (page 2 of 3)

Perder para o Sport não dá


Lucas Lima voltou e passeou em campo. Jean Mota perdeu um gol que minha mãe faria e o Santos conseguiu a proeza de perder para o Sport na Vila Belmiro. Esqueçamos o título brasileiro. Esse time é muito ruim.

Santos FC, o maior espetáculo da Terra

Este livro de arte nenhum time tem e nunca terá. Chegou o livro que traz as maravilhosas viagens do Santos pelo mundo. Um livro único, que vale por um título mundial.

Esse livro de arte nenhum time tem e nunca terá. Chegou a esperada obra que conta as maravilhosas viagens do Santos pelo mundo. Um livro único, que vale por um título mundial.

Prossegue a campanha de financiamento coletivo para o lançamento do livro “Santos FC, o maior espetáculo da Terra”, uma obra única, que nos encherá de orgulho e consolidará o Santos em outro nível na história do futebol mundial. Os autores são Marcelo Fernandes e eu. Prestigie. Garanto que não vai se arrepender. Há muitas recompensas para quem adquirir o livro nessa fase de pré-lançamento.

Vamos transformar este sonho de todo santista em realidade. Clique aqui para entrar no time que vai lançar o livro das viagens maravilhosas do Santos pelo mundo. Ele está pronto e precisa ser impresso. Participe e não se arrependerá!

Ninguém vende Time dos Sonhos e Dossiê mais baratos

time-dossie ok
Compare os menores preços do mercado (com o frete incluso)

Time dos Sonhos
Livraria 2005, RJ, livro usado: R$ 52,89
Sebo do Monge, SP, livro usado: R$ 57,70
Livraria do Blog do Odir, livro novo, com dedicatória exclusiva e três PDFs de brinde: R$ 39,00

Dossiê Unificação dos Títulos Brasileiros
Livraria Capítulo Primeiro, livro usado, Santos: R$ 67,89
Travessa da Praia, livro usado, Santos, R$ 87,89
Livraria do Blog do Odir, livro novo, com dedicatória exclusiva: R$ 39,00

E tem mais: Na compra de dois exemplares você só paga R$ 31 reais por exemplar.

Clique aqui para comprar os livros Time dos Sonhos e Dossiê Unificação dos Títulos Brasileiros pelo menor preço do mercado.

Curso de Especialização em Jornalismo Esportivo
Inscrições abertas
Para jornalistas, estudantes e interessados.

Aproveite o mês de julho para se especializar na profissão

Novo Jornalismo Esportivo – Técnica e Ética
Curso de Especialização

Ministrado por Odir Cunha, jornalista profissional há 40 anos – Jornal da Tarde, O Globo, rádios Globo, Excelsior e Record, TV Record, editor de nove revistas esportivas, diretor de comunicação da Secretaria Municipal de Esportes de São Paulo, diretor da Ampla Comunicação, editor das editoras de livros Novo Conceito e Magma Cultural, dono do Blog do Odir, autor de 27 livros, curador do Museu Pelé, coautor do Dossiê que unificou os títulos brasileiros, biógrafo de Oscar Schmidt, Pelé e Gustavo Kuerten, ganhador de dois Prêmios Esso e três prêmios da Associação Paulista dos Críticos de Arte.

Temas do Curso

Pirâmide Invertida X Novo Jornalismo
As maneiras tradicional e criativa de se escrever uma reportagem.

As regras para uma boa entrevista
Conhecimento – Respeito – Planejamento – Dicas

Os limites da polêmica
Os cuidados com os crimes de opinião: Difamação, Injúria e Calúnia

Princípios do bom texto
Clareza
Escolha das palavras
Uma ideia por parágrafo
Precisão. Sem ela não há credibilidade.
Isenção. A necessidade de ser neutro.
Empatia. O melhor repórter se apaixona pela matéria.
Criatividade. Os caminhos que levam a ela.
Reler é obrigatório
Humildade e Respeito. Qualidades essenciais.
Ousadia e Iniciativa. Quando elas são obrigatórias.

Como escrever para
Jornal diário
Revista
Rádio
Televisão
Blogs e Sites

Funções Jornalísticas
Repórter
Copidesque
Chefe de Reportagem
Editor
Editor Chefe

Fechamento de matérias
Títulos
Subtítulos
Olhos
Intertítulos
Legendas

Lições de casa durante o curso
Matérias sobre eventos escolhidos

Trabalho Final

Certificado de Conclusão

Novo Jornalismo Esportivo – Técnica e Ética
Curso de Especialização

Carga horária: 16 horas
Datas e horários: dias 4, 6, 11, 13, 18, 20, 25 e 17 de julho, das 19h30 às 21h30.
Local: Associação dos Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo (Aceesp).
Endereço: Av. Paulista, 807, 9º andar, conjunto 904, São Paulo. Fones: (11) 3251-2420 e 3289-8409.
Investimento: R$ 300, 00 (trezentos reais – 50% na matricula, 50% até o dia 15 de julho.
Sócios da Aceesp em dia com a anuidade não pagam.
Informações e inscrição: blogdoodir@blogdoodir.com.br

clinica de tenis do castelo - 2017

E você, acha que o Santos pode deslanchar no Brasileiro? Ou não?


O Santos e os contratos

Enquanto o time conseguia ótima vitória sobre o Paysandu, em Belém, por 3 a 1 – com dois gols de Bruno Henrique e um de Kayke – que o leva às quartas de final da Copa do Brasil, surgiu a informação de que a BWA está acionando o clube por quebra de contrato e cobra uma multa de R$ 32 milhões. Pelo que se divulga pela imprensa, o contrato foi prorrogado simplesmente porque ninguém do Santos se lembrou de que a BWA deveria ser notificada da interrupção do mesmo.

Agora, para garantir o recebimento desse valor – cinco milhões de reais mais caro do que os 27 milhões que o clube recebeu pela venda de Neymar – a BWA pede o bloqueio das cotas da Globo, Caixa Econômica Federal, CBF e outros patrocinadores do Santos. Enfim, está cristalizado mais um erro crasso e infantil que fere profundamente as finanças há combalidas do Glorio Alvinegro Praiano.

O fato é gravíssimo, mas não é a primeira vez e nem deverá ser a última – ao menos nesta gestão – que o clube faz maus contratos e ainda não os monitora com a seriedade e a eficiência necessárias. Outro caso atual é a relação com a tevê, descuidada e passional.

Não fosse uma improvisada transmissão pelo Sportv, na bela voz de Paulo Stein, e os santistas não teriam como ver o time nem na tevê fechada. Uma lástima, uma desatenção da diretoria com seu grande mercado em todo o Brasil. Quem dirige o Santos precisa estar consciente de que sua responsabilidade não se restringe ao clube ou aos sócios, mas aos seus torcedores, à sua marca, ao seu plano de expansão, e para isso o relacionamento com a televisão é primordial.

Uma das primeiras providências de uma nova gestão é estreitar o relacionamento com a tevê, não só com a principal do país, mas também com as outras, em busca de acordos e soluções bons para o Santos e para essas emissoras. O Santos é tão, ou mais importante, para a cultura e o mercado do futebol, como os dois chamados “times de massa”. Essa percepção ficou bem clara ontem, no Cine Olido, durante a exibição do excelente “Preto no Branco, o clássico do século”, do diretor Kim Teixeira.

Não são apenas as histórias de Santos e Corinthians que se inter-relacionam. O Santos está encravado na vida dos outros grandes do futebol brasileiro. O Santos é onipresente e universal. Qualquer boicote da tevê voltará contra essa mesma tevê, mas isso tem de ser exposto civilizadamente. Conflitos infantis só aumentarão a distância para um acordo bom para os dois lados.

Com todo o boicote que a Globo e o Sportv teimam em cometer contra o Alvinegro Praiano, o jogo de maior audiência na tevê fechada neste ano foi Santos e Ponte Preta. Isso porque não é verdade que a torcida do Santos tem poucos jovens – como, inexplicavelmente, defendeu o próprio marketing do clube em pleno Conselho Deliberativo – e também não é verdade que ela parou de crescer. Ela é imensa e continua crescendo, com Globo ou sem Globo. Mas “com” seria mais rápido e natural.

Contratos bem feitos e rigorosamente monitorados são essenciais para levar o Santos ao estágio de organização e profissionalismo que almejamos. Eles garantirão uma saudável e produtiva relação com os jogadores profissionais, garotos da base, parceiros comerciais, meios de comunicação, patrocinadores, associados, torcedores e funcionários do clube. Esse é um aspecto que tem sido negligenciado no clube.

Amanhã, dia 12, estarei na Cidade Dutra lançando o livro “Lições de Jornalismo”

licoes de jornalismo

O amigo Ary Costa Pinto, que editava o jornal de colégio “O Gil” em 1968, quando fiz minhas primeiras reportagens, organizou um encontro amanhã, dia 12, a partir das 19 horas, na Padaria Bandeirantes da Cidade Dutra para que eu lance ali o livro “Lições de Jornalismo”. EDstou feliz com a possibilidade de rever belhos amigos.

Muita gente já está confirmada, mas não é preciso garantir presença. É só comparecer e participar. Aviso aos muitos santistas e palmeirenses da região que levarei também exemplares dos livros Time dos Sonhos e Dossiê Unificação dos Títulos Brasileiros.

Começou o Brasileiro, voltou a promoção do Dossiê

Convencido por insistentes pedidos, principalmente de palmeirenses e santistas, em homenagem ao início de mais um Campeonato Brasileiro estendo até o final de maio a promoção do Dossiê da Unificação dos títulos brasileiros. Um exemplar, com frete pago e dedicatória exclusiva, volta a custar apenas R$ 39,00.

dossie - peres e eu

Clique aqui para comprar um exemplar do Dossiê por 39 reais ou dois exemplares por apenas 69 reais, com frete pago e dedicatória do autor.

E você, o que acha dos contratos do Santos


Continha de Porcentagem

No meio do trabalho, toca o telefone. É um amigo conselheiro do Santos. Está indignado com o presidente Modesto Roma, que aceitou passivamente a pesquisa depreciativa do Datafolha e disse não sei aonde que o Santos só tem cinco por cento de torcedores na capital. Mais uma vez Roma estava aceitando o primeiro argumento à mão para evitar jogar em São Paulo e assinar um acordo com o prefeito João Dória para fazer do Pacaembu a casa do Santos na metrópole.

– Imagine, Odir – esbravejava meu amigo –, se um grande investidor internacional está chegando ao Brasil para investir no Santos e ouve o próprio presidente do clube falando, com desdém, que São Paulo só tem cinco por cento de santistas. Justo o mercado que mais interessa aos investidores estrangeiros. Será que a Caixa, que está anunciando de graça na sagrada camisa do Santos, vai querer patrocinar um time que tem tão pouca representação no mercado paulistano? Será que esse presidente não conhece nem a quantidade de torcedores do seu time? Será que ele acha que os santistas são só aqueles nove mil, no máximo?

– Acho que é muito mais de cinco por cento – respondi – e o Datafolha está errado. Ouvir mil pessoas e achar que já mapeou as torcidas de uma cidade com 12 milhões e 40 mil habitantes é brincadeira. Mas quanto você acha que o Santos tem de torcedores na capital?

– Pô, Odir, vai dizer que você não sabe? Em 30 de março do ano passado a Pluri Stochos divulgou uma pesquisa depois de ouvir 21.049 pessoas… Eu disse vinte e uma mil e não mil, copiou? Pois é. E nessa pesquisa o Santos tinha 5,3% em toda a Região Sudeste. De lá para cá ganhou mais um Paulista, foi vice Brasileiro, semi da Copa do Brasil, teve vários jogadores na Seleção e agora tem só cinco por cento em São Paulo, a cidade com mais santistas no mundo? Ah….. Olha, em outubro de 2007, antes de ganhar a Libertadores e mais sete títulos, e antes da geração Neymar e Ganso, uma pesquisa da Placar/TNS Sports deu que o Santos tinha 14,5% da torcida de São Paulo. Reduziu quase dois terços de lá para cá? Com todo o respeito, só um animal pode acreditar nisso, seo Odir.

– Mas e se for mesmo cinco por cento? – perguntei só para provocar, pois sei que não é.

– Ah, seo Odir, tá me gozando, né? Pois eu vou lhe dizer. Sabe fazer continha de porcentagem?

– Sei, claro…

– Pois então segura aí e vai copiando, senhor Odir. Se for só cinco por cento, de um total de 12 milhões e 40 mil pessoas, já são 602 mil pessoas. E 602 mil pessoas da maior e mais rica cidade da América Latina… Sabe o que é chamado de “templo do consumo”?

– Shopping?

– Isso aí. Em São Paulo tem 52 shopping centers, senhor Odir. Aqui está a grana. Nosso Santos tem de jogar aqui, senhor Odir…

– Mas a cidade de Santos está colada a São Vicente e há ainda Praia Grande a cerca de 25 quilômetros. Só aí dá uma população de um milhão e 80 mil pessoas, das quais quase 40 por cento são santistas.

– Mas aí o senhor está recorrendo às cidades próximas, senhor Odir…

– Pode parar de me chamar de senhor.

– Quando eu fico nervoso eu chamo de senhor. Segura essa… Se é para contar as cidades próximas, então eu lhe digo que… Nem vou dizer.
Vou ler o que está aqui na Wikipédia: “Região Metropolitana de São Paulo, também conhecida como Grande São Paulo, é a maior metrópole do Brasil, com cerca de 21,2 milhões de habitantes e uma das dez regiões metropolitanas mais populosas do mundo… A Região Metropolitana de São Paulo é o maior polo de riqueza nacional. A renda per capita em 2011 atingiu cerca de 38 mil e 348 reais. A metrópole detém a centralização do comando do grande capital privado, concentrando a maioria das sedes brasileiras dos mais importantes complexos industriais, comerciais e principalmente financeiros que controlam as atividades econômicas no país”. Que tal, senhor Odir?

– E quantos santistas devem ter na Grande São Paulo?

– Voltamos à continha de porcentagem. Dez por cento de 21,2 milhões dá 2,1 milhões. E se for essa miséria de cinco por cento, que não é nem matando, dá um milhão e 50 mil pessoas.

– Mas e se um estádio novo em Santos atrair o torcedor do planalto para lá?

– Odir, acorda. Se nem os maloqueiros conseguem uma média de 20 mil pessoas por jogo, com o preço médio do ingresso inferior a 40 reais, e não tem pedágio para ir para lá, como o Santos vai conseguir média de 18 mil pessoas com ticket de 85 reais?…
– 82…

– Que seja. É uma loucura. Se começar a jogar só em Santos o nosso time vai perder a torcida que tem em São Paulo e depois vai começar a perder também na Baixada. Pode escrever. É isso que muita gente quer. Que o Santos volte para a sua toca e não encha mais o saco com essa mania de ser grande. Querem que volte a jogar o campeonato santista. E esses mentecaptos que dirigem o clube fazem o jogo dos inimigos do Santos…

– Calma, calma… Onde tem de jogar, então?

– No Pacaembu, seo Odir, claro. O Athié levou décadas para tornar o Santos universal e agora vem esse filho do Roma e seus asseclas para querer que ele seja regional de novo. A cidade de Santos não tem para onde crescer, seo Odir. Bem que eu queria, pois você sabe que tenho imóveis lá. Mas a realidade é que não tem para onde crescer. Veja que na Grande São Paulo já tem seis cidades com mais habitantes que Santos. A população da cidade não vai sair disso… Não foi você quem escreveu aquele livro, “Donos da Terra”, falando da final de 1962 com o Benfica?

– Foi.

– E quantos habitantes Santos tinha em 1962?

– Quatrocentos e trinta mil.

– E quantos tem agora?

– Quatrocentos e trinta e quatro mil.

– Viu? Já se passaram 54 anos e só aumentou quatro mil habitantes. Olha, seo Odir, gosto muito de Santos, o pessoal de lá é dez, acho que é uma ótima cidade para muitas coisas, mas não para ter um grande estádio de futebol. Grandes estádios têm de ficar nas metrópoles, nos grandes centros, ou é prejuízo na certa, seo Odir.

– Mas o Santos é de Santos.

– Sei que você está falando isso para me provocar, seo Odir. Pois é uma pena que haja santistas que pensem assim. Se, no futuro, o clube erguer um estádio moderno na Zona Sul de São Paulo, vai dar a mesma média de público que os outros grandes da cidade, pois já deu muito mais e, apesar de tudo, nosso time tem mais história e apelo popular do que os outros. Não podemos deixar que apequenem o Santos, senhor Odir.

– Jamais será pequeno… Alô? Alô?

É sempre assim. Ele liga, desabafa tudo o que quer falar e desliga o telefone. E eu fico pensando no que ele falou…

E você, o que me diria em um telefonema?

Pelé dormindo com os livros Time dos Sonhos

Liquidação Total dos livros em 60 dias de aniversário!

Como prometi, este blog comemorará o aniversário de 105 anos do nosso amado Santos Futebol Clube nos meses de março e abril. E nessa comemoração, para tornar a rica história santista mais acessível a todos, reduzi ainda mais os preços dos livros oferecidos na livraria do blog e ainda mantive o frete grátis e a dedicatória, claro.

Confira os novos preços e entre na livraria para comprar para você ou para os amigos santistas, ou quase. Divulgar a história é uma forma de manter o carisma, a cultura e a visibilidade do Santos.

Veja só como os livros ficaram baratos (e todos com frete grátis)

Dossiê Unificação dos títulos brasileiros
Por 39 reais um exemplar, ou 69 reais dois exemplares

Time dos Sonhos
Por 39 reais um exemplar, ou 69 reais dois exemplares

Sonhos mais que possíveis
Por 14 reais o exemplar

Dinheiro, é possível ser feliz sem ele
Por 23 reais um exemplar, ou 35 reais dois exemplares

OS PREÇOS FINAIS SÃO ESSES AÍ, NENHUM CENTAVO A MAIS. O FRETE É POR CONTA DO BLOG. APROVEITA QUE NUNCA ESTEVE TÃO BARATO.

A PROMOÇÃO VAI ATÉ 30 DE ABRIL OU ATÉ ACABAR O ESTOQUE

—— Para entrar na livraria, tecle aqui ——
ou entre na sala Comprar Livros, anunciada no alto desta página.

E você, agora vai comprar um livro meu?


Voluntários para Pesquisa

Meus amigos, uma pesquisa que chega à conclusão de que a torcida de um time carioca é igual à do Santos no centro de São Paulo no mínimo está de sacanagem com a imensa torcida santista. Mas, como os idiotas da objetividade acham que os números podem provar tudo, até as maiores besteiras do universo, não adianta discutir com eles. O melhor e a única solução verdadeira é fazer a nossa própria pesquisa.

Isso de ouvir 100, 200 pessoas, a gente faz em uma tarde, ou manhã. Só preciso de uns voluntários que, de preferência, morem próximos a Santo Amaro. Não há pagamento em pecúnia, mas divulgarei os nomes das almas bondosas que participarão do evento aqui no blog e darei um exemplar do Time dos Sonhos, ou do Dossiê, para cada um. Vamos fazer história garotada!

A ideia é realizar a pesquisa em um dia da semana que vem. Os interessados devem enviar e-mail para blogdoodir@blogdoodir.com.br

Liquidação Total dos livros em 60 dias de aniversário!

Como prometi, este blog comemorará o aniversário de 105 anos do nosso amado Santos Futebol Clube nos meses de março e abril. E nessa comemoração, para tornar a rica história santista mais acessível a todos, reduzi ainda mais os preços dos livros oferecidos na livraria do blog e ainda mantive o frete grátis e a dedicatória, claro.

Confira os novos preços e entre na livraria para comprar para você ou para os amigos santistas, ou quase. Divulgar a história é uma forma de manter o carisma, a cultura e a visibilidade do Santos.

Veja só como os livros ficaram baratos (e todos com frete grátis)

Dossiê Unificação dos títulos brasileiros
Por 39 reais um exemplar, ou 69 reais dois exemplares
Time dos Sonhos
Por 39 reais um exemplar, ou 69 reais dois exemplares
Sonhos mais que possíveis
Por 14 reais o exemplar
Dinheiro, é possível ser feliz sem ele
Por 23 reais um exemplar, ou 35 reais dois exemplares

A promoção vai até 30 de abril, ou até acabar o estoque.

—— Para entrar na livraria, tecle aqui ——
ou entre na sala Comprar Livros, anunciada no alto desta página.

E você, o que acha disso?


Sem meta não há motivação

O pequeno público na Vila Belmiro, o aparente desânimo de jogadores e da comissão técnica e os problemas administrativo-financeiros do Santos têm uma causa comum: a falta de metas em todas as áreas do clube. E sem meta, não há motivação para alcançá-la.

Tudo está ligado. O mesmo espírito de competição que atrai uma criança para o esporte, alimenta o sonho do atleta profissional. Vitórias, títulos – é isso que faz o esportista empenhar-se nos treinos e nos jogos. Sem um objetivo maior, lá no final, o ânimo para seguir lutando diminui.

Mesmo quando, com um time recheado de reservas, o Santos liderava o Campeonato Brasileiro e queriam saber do técnico Dorival Junior se a equipe estava na disputa do título, ele desconversava, dizia que não era bem assim e citava outros seis ou sete times que também poderiam ser campeões.

Mesmo conhecendo as dificuldades internas do clube e as limitações de cada um de seus jogadores, Dorival deveria ter demonstrado mais confiança, e dito algo como: “Temos muitas dificuldades com as mudanças constantes no elenco, mas mesmo assim lutaremos até o final pelo título brasileiro e também pelo título da Copa do Brasil. Esta é a sina do Santos: ser campeão de toda competição que participar”.

Talvez soasse como frase feita, mas seria um recado claro para os jogadores e deixaria evidente que ele, Dorival, não fugiria à sua responsabilidade de comandar um time grande para conquistas importantes. Esse “não é bem assim” tira a pressão dos jogadores e dele próprio, como se um time de futebol profissional fosse apenas um grupo de exibicionistas amadores que se reúne no fim de semana para eventos filantrópicos.

E o agravante é que há poucos dias o empresário de Dorival Junior teve a cara de pau de pedir aumento para o técnico. Ora, se não há objetivo alcançado; pior, se não há nem objetivo definido a ser alcançado, por que o Santos daria um aumento ao privilegiado Dorival Junior, que já recebe um salário acima do abiscoitado por 99,9999% dos brasileiros?

Na verdade, a falta de metas, típica de uma empresa e uma direção amadoras, permeia todas, ou quase todas, as áreas do Santos. Qual é, por exemplo, a meta para a média de espectadores a ser atingida nas partidas do time? A meta de tempo e de valor para se conseguir o patrocínio máster? A meta de tempo para a aquisição de novos sócios? A meta anual, semestral, trimestral, para a redução das dívidas? A meta de arrecadação com a venda do uniforme? A meta de redução do número de jogadores do elenco? A meta de redução da quantidade de funcionários do clube, que, ao invés de diminuir, só aumenta?

E se, em vez de definir e cobrar metas para cada área do clube e priorizar a redução de uma dívida que coloca o Santos em gravíssima situação financeira, o presidente não faz a sua obrigação e lança o balão de ensaio de uma pretensa arena milionária colada à Vila Belmiro, e ainda consegue o apoio de alguns, seduzidos por esse sonho maluco, então por que se preocupar com a chatice de ter objetivos e trabalhar duro para cumpri-los?

Enfim, o Santos é um clube sem metas. Isso explica também por que Gabriel foi para a Europa sem saber usar o pé direito; por que Victor Ferraz é indicado por Dorival Junior para a Seleção Brasileira mesmo sem saber marcar; por que jogadores jovens saem da base com habilidade com a bola, mas sem saber jogar sem ela; por que ninguém acerta um chute a gol de longa distância; por que não há comprometimento tático da equipe nos jogos fora de casa; por que nos jogos em que os atletas são um pouco mais exigidos, há sempre casos de distensão e cãibra; por que jogadores são contratados e não são usados pelo técnico; por que, enfim, diante de uma atuação firme dos conselheiros, cobrando competência, transparência e metas, sempre surge uma medida paliativa para deixar tudo como está e seguirmos, negligentemente, empurrando os problemas com a barriga, sem metas a cumprir, fazendo vistas grossas a tudo de errado que ocorre no nosso pobre e querido Santos Futebol Clube.

E você, o que acha disso?

Conheça em detalhes os tempos de ouro do futebol, em que o Santos tinha metas ousadas. E cumpria todas.

Preste atenção: Com apenas 68 reais você receberá dois exemplares do livro Time dos Sonhos e as versões eletrônicas dos livros Donos da Terra, Ser Santista e Pedrinho escolheu um time. Aproveite que a promoção só vai até 9 de outubro!


Clique aqui, compre apenas um exemplar de Time dos Sonhos, e eu mando mais quatro livros de presente para você.


Pelé dormindo com os livros Time dos SonhosDonosdaTerraA sensação de ser especialPedrinhoEscolheuUmTimedossie - livro
Clique aqui, compre apenas um exemplar de Time dos Sonhos, e eu mando mais quatro livros de presente para você.

E tem mais: se quiser, pode trocar um exemplar de Time dos Sonhos por um do Dossiê da Unificação dos Títulos Brasileiros. É só pedir pelo e-mail blogdoodir@blogdoodir.com.br


Então, o que acha disso?


Older posts Newer posts

© 2017 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑