Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

Tag: Federação Paulista de Futebol

Mal tratados em Osasco

Atendendo a pedidos, promoção vai até o dia 10 de maio!

Clique aqui para saber como adquirir o livro Time dos Sonhos, A Bíblia do Santista, com dedicatória exclusiva do autor, sem despesas de correio e ainda ganhar de presente a versão eletrônica do livro Donos da Terra, com a história do primeiro título mundial do Santos, por apenas R$ 68.

MAL TRATADOS EM OSASCO

Sede, desconforto, insegurança – assim o torcedor foi tratado no pequeno Estádio José Liberatti, em Osasco, sem capacidade nem estrutura para receber um jogo de final de Campeonato Paulista. Veja neste vídeo do conselheiro Rachid Bourdoukan como os torcedores santistas sofreram para acompanhar o primeiro jogo da decisão do Campeonato Paulista.

Torcedores compraram ingressos para um setor demarcado para a torcida do Santos, mas não puderam entrar no estádio por usarem camisas do time. Uma criança tinha sede, mas não havia água para comprar; torcedores tinham fome, mas a lanchonete estava fechada; uma multidão tentava entrar no minúsculo banheiro, mais lotado do que coletivo na hora do rush…

Ingressos numerados? Lugares reservados para deficientes? Esqueça (veja na comemoração do gol do Santos uma muleta ser agitada). O Estatuto do Torcedor foi esquecido pela Federação Paulista de Futebol, presidida por Reinaldo Carneiro Bastos; pelo Santos Futebol Clube, do presidente por Modesto Roma, e pelo Audax, de Vampeta. Os três foram irresponsáveis.

Por não fazer o óbvio, que seria marcar os dois jogos para um estádio maior, como Pacaembu ou Morumbi, a Federação, o Santos e o Audax colocaram os torcedores dos dois times, principalmente os santistas, no caso os visitantes, em uma situação de risco.

Lamentável, mais uma vez, a participação de Modesto Roma em uma negociação importante para o Santos. No ano passado, o time já perdeu a Copa do Brasil por consentir com o adiamento da final, e perdeu também a vaga para a Copa Libertadores por usar reservas em jogos decisivos do Campeonato Brasileiro.

Agora, além de correr o grande risco de ser derrotado na primeira partida da final, Roma ainda obrigou seus torcedores a passar situações dramáticas em Osasco. E tudo isso para quê? Para jogar a segunda partida na Vila Belmiro, único estádio em que os jogadores do Santos, e essa diretoria que pensa pequeno, têm confiança em si mesmos. Uma vergonha.

A necessidade de vencer aumentará a pressão sobre o Santos na Vila. Devemos ter confiança na vitória porque o Santos é melhor e tem melhores jogadores do que o Audax, mas o normal era já ter vencido a primeira partida – o que não ocorreu devido às circunstâncias especiais provocadas pela precariedade do estádio, no qual o ambiente hostil aos santistas até pressionou o árbitro Flavio Rodrigues de Souza para cometer erros importantes contra o Alvinegro Praiano, como um pênalti não marcado em Gustavo Henrique, um cartão amarelo ignorado e um impedimento mal assinalado. Jogar em La Bombonera teria sido mais tranquilo. Na Vila nenhum árbitro será louco de prejudicar tão escandalosamente o Santos.

Ronaldo Mendes mais 10

Como em uma final é preciso determinação e confiança na vitória, sugiro que Vitor Bueno seja substituído por Ronaldo Mendes, o jogador mais motivado do Santos no momento. Caso Lucas Lima não possa jogar, que Ronaldo seja escalado. Essa é uma partida em que os jogadores terão de se empenhar além da conta, no ataque e na marcação, movimentando-se bastante, mesmo sem bola. Não dá para ser campeão só cercando, marcando de longe, porque o Audax vai correr bastante e tentar fechar os espaços.

A técnica mais aprimorada e a experiência dos jogadores do Santos, aliadas ao gritos constantes da torcida, só farão a diferença se cada jogador santista se atirar à bola com vontade. E inteligência. Não se pode esquecer que, apesar da longa invencibilidade na Vila Belmiro, muitos dos jogos nesse período terminaram empatados, o que levaria o jogo para a dramática e imprevisível disputa por tiros diretos da marca do pênalti caso uma igualdade volte a ocorrer nesse domingo.

Empatar no caldeirão de Osasco obriga o Santos a vencer domingo. É o único resultado que se espera de um time que fez uma campanha bem superior, tem jogadores mais gabaritados e muito mais bem remunerados, e uma torcida que é mil vezes maior do que a do seu rival.

Promoção do livro Time dos Sonhos vai até 10 de maio

Tenho recebido alguns e-mails de santistas inconformados com o fim da promoção do livro Time dos Sonhos – dentre eles o comovente apelo do garoto Wellington, de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Nessa promoção, o leitor tem direito ao livro, de 528 páginas, chamado de “A Bíblia do Santista”, com dedicatória, sem despesa de correio, e ainda ganha a versão eletrônica do livro Donos da Terra, tudo isso por apenas 68 reais, que podem ser pagos parceladamente.

“Não tem lógica o senhor acabar com a promoção antes do Santos ser campeão. Será o meu primeiro livro do Santos, senhor Odir, não acabe a promoção”, pediu o Wellington. Pediu, e será atendido. Será um presente do Blog do Odir para o santista comemorar esta oitava final consecutiva do Campeonato Paulista e, se tudo correr bem, mais um título estadual.

Time dos Sonhos + dedicatória + frete pago + Donos da Terra (versão eletrônica) por apenas 68 reais! Mas só até o dia 10 de maio. Compre já!
DonosdaTerra Neste momento especial da história do Santos, em que o Alvinegro Praiano chega à sua oitava final consecutiva do Campeonato Paulista, presenteie a você mesmo, ou a um(a) santista querido(a), com um exemplar de Time dos Sonhos e ainda ganhe uma versão eletrônica do livro Donos da Terra. Clique aqui para saber como adquirir o seu exemplar de Time dos Sonhos – uma autêntica Bíblia Santista, de 528 páginas – sem nenhuma despesa de correio e com dedicatória do autor, por apenas 68 reais. E ainda receba, gratuitamente, o e-book do livro Donos da Terra.
Promoção se encerra dia 10 de maio!

E você, o que acha disso?


Por que o maior medo dos santistas é a arbitragem

Primeiro jogo da final alcança 23 pontos no Ibope

Como se previa, a audiência de Palmeiras e Santos bateu o recorde do futebol na Globo neste Campeonato Paulista. No próximo domingo é bem possível chegar a 25 pontos.
Clique aqui para checar o ótimo Ibope de Palmeiras X Santos.


Marcelo Rogério e Valdívia, ambos do time da Crefisa, durante jogo contra o Botafogo de Ribeirão Preto.

Sinto que muitos santistas ficaram bem desconfiados depois do primeiro jogo da decisão, no estádio palmeirense. A arbitragem de Vinicius Furlan, extremamente danosa ao Santos, foi decisiva para a vitória do time da casa e aumentou o temor de que as coisas já estejam encaminhadas neste Paulistão.

Por tudo que se ouve e se lê, parece que os “astros” estão convergindo para tirar o Palmeiras de uma fila sem títulos. Do site Yahoo Esportes leio a seguinte frase de um artigo do colunista Jorge Nicola: “O mais curioso é que nenhum outro clube tem tão boa relação com a cúpula da FPF quanto o Palmeiras. A sintonia tem a ver com a amizade entre Nobre e Marco Polo Del Nero… Del Nero votou em Nobre nas últimas duas eleições presidenciais do Verdão. Sucessor de Del Nero na Federação, Reinaldo Carneiro Bastos também é alinhado ao Palmeiras…).

Então, temos uma Federação simpática ao Palmeiras? Isso não é novidade, já que se chegou ao cúmulo de o clube da Água Branca e a equipe de árbitros estampar no uniforme o mesmo patrocínio da Crefisa. Imagine o Museu Pelé com seu nome nas camisas do trio de arbitragem e o Santos, com o mesmo patrocínio, decidindo o título em casa, ao lado do Museu do Rei do Futebol… Seria uma falta de ética incrível, não é mesmo? Pois é o que está havendo, só que do outro lado.

O que posso dizer, sem tirar os méritos do Palmeiras, é que o alviverde realmente tem tido, digamos, muita sorte com as arbitragens, que têm errado em lances capitais a seu favor. Na partida contra o Botafogo de Ribeirão Preto, pelas quartas-de-final, já se anulou equivocadamente o gol do time do Interior, que terminaria o primeiro tempo com a vantagem de 1 a 0.

Sei que alguns árbitros, como Sálvio Spínola, mais um que veio do futebol para virar jornalista esportivo, dizem que houve falta em Fernando Prass, porque ele já estava com a bola dominada naquele gol do Botafogo. Mas não mesmo. Quantas vezes você já não viu, querido leitor e leitora, um goleiro fazer uma ponte, dominar a bola com categoria, e soltá-la ao cair ao gramado? Pois a defesa só está completa quando o lance termina e o goleiro tem a bola totalmente dominada.

Naquela jogada da partida do Botafogo, ato contínuo ao pegar a bola, Prass se chocou contra o jogador adversário e a soltou, propiciando o gol contra sua equipe. Em nenhum país do primeiro mundo do futebol seria marcada falta naquele lance.

Dois pesos e duas medidas

Vamos, agora, ao jogo deste domingo, em que Vinicius Furlan aplicou dois pesos e duas medidas em várias jogadas, invariavelmente beneficiando o time patrocinado pela mesma empresa que patrocina o departamento de árbitros da Federação Paulista de Futebol. Logo no início, causou espécie a inversão de dois laterais, um deles contrariando a sinalização do bandeirinha, que confirmava o arremesso para o Santos.

Cobrado rapidamente, quando os jogadores do Santos já tomavam posição de ataque, o lateral pegou a defesa santista desprotegida e quase provoca um lance de gol para o Palmeiras. Depois, houve o impedimento mal marcado de Geuvânio, que teria a oportunidade de penetrar pela esquerda, levando perigo à meta palmeirense.

Isso tudo logo nos primeiros minutos, enervando os jogadores do Santos e criando um clima de insegurança na equipe. Pois, experientes que são, jogadores profissionais de futebol sabem que no dia em que a arbitragem está errando muito para o adversário, tudo fica muiiito mais difícil.

Então, aos 29 minutos de um jogo equilibrado e até certo ponto amarrado, em que o Palmeiras não tinha dado um único chute ao gol, veio o lance que abriu o marcador. Já falei sobre ele e volto a repetir: um jogador que recebe a bola naquelas circunstâncias e faz um corta-luz que engana o defensor e favorece a penetração de seu companheiro, obviamente influiu na jogada e, como estava em impedimento, a jogada deveria ter sido imediatamente paralisada pelo bandeirinha – que, diga-se de passagem, estava a dois metros dela.

Depois, em outro lance decisivo, tivemos a marcação do pênalti e a expulsão do zagueiro do Santos, Paulo Ricardo. Nessa hora, todos nós sabemos que a marcação depende dos humores do árbitro. Se ele quiser, marca quando a falta começou, bem fora da área; se também quiser, dá o cartão amarelo. Mas, se preferir, dá pênalti e expulsa o defensor, usando da maior severidade que a regra lhe confere. Okay. Vamos aceitar que tenha agido corretamente neste caso.

Porém, se a intenção do árbitro era seguir a regra à risca, deveria, no mínimo, ter aplicado o cartão amarelo, por simulação, ao jogador palmeirense que deu um salto acrobático quando foi marcado por Geuvânio na área santista. Você já viu um jogador ser calçado e, ao invés de cair ao chão, voar pelos ares? Pois foi exatamente isso que o palmeirense fez, tentando forçar um pênalti no qual nem foi tocado, jogando o estádio lotado contra a arbitragem.

Aliás, vendo e ouvindo as reclamações de alguns palmeirenses da mídia, fico aqui pensando quantos gols irregulares, quantos pênaltis e quantas expulsões de santistas eles ainda queriam para achar que a arbitragem de Vinicius Furlan foi boa para eles?

Enfim, como todo santista, eu só quero que a arbitragem na Vila Belmiro seja justa, imparcial, e que ganhe o melhor time. E, é claro, que o título fique com a melhor equipe ao longo de todo o campeonato. E quero também que o Santos entre em campo com o mesmo espírito que o levou ao título brasileiro de 2004: que às vezes é preciso marcar dois gols para valer um.

Vladimir
Contra o Palmeiras, por duas vezes Vladimir foi abalroado por jogadores adversários ao interceptar um cruzamento. Esta foi uma delas. Em nenhuma das oportunidades foi marcada falta no goleiro santista. Fernando Prass já teve mais sorte contra o Botafogo de Ribeirão Preto (Ivan Storti/ Santos FC).

Atitude civilizada e exemplar da torcida do Santos

Nenhuma cadeira foi quebrada, nenhum dano ao estádio do Palmeiras foi causado pelos torcedores santistas que foram ao primeiro jogo da final do Campeonato Paulista. Essa atitude, que não passa de obrigação em um país civilizado, deve ser elogiada e servir de exemplo no futebol brasileiro. Isso é bonito e enche de orgulho a todos os santistas. Principalmente porque a torcida do Corinthians tinha quebrado mais de 40 cadeiras no estádio palmeirense e, por sua vez, os palmeirenses quebraram 800 cadeiras, além dos banheiros, no estádio do Corinthians. Quando isso voltar a acontecer, os clubes não devem ser responsabilizados, mas sim os torcedores, ou as torcidas organizadas que praticaram o vandalismo. Creio que hoje todos os santistas estão percebendo como é bom agir corretamente. Comportamentos assim acrescentam muito mais para o clube do que demonstrações de selvageria. Parabéns aos torcedores do Santos que foram ao estádio do Palmeiras. Vocês agiram como verdadeiros SANTISTAS!

E você, acha que o santista tem motivos para temer a arbitragem na Vila?


Mais de 20 mil ingressos ainda estarão à venda no Morumbi neste domingo

Ainda está sem ingresso para a partida entre Santos e Guarani, neste domingo? Não há problema. Mais de 20 mil ingresos serão colocados à venda nas bilheterias do estádio das 10 às 14 horas.

Leia abaixo o comunicado enviado à imprensa pela departamento de comunicação do Santos Futebol Clube:

Guarani x Santos FC – Ingressos para primeiro jogo da final do Paulista seguem à venda neste domingo (06) somente no Morumbi

Cerca de 33 mil e 100 ingressos foram vendidos – 25 mil e 500 para santistas e 7 mil 600 para bugrinos – para o primeiro jogo da final do Paulista 2012, entre Santos FC e Guarani. Como a carga total para a partida é de 60 mil torcedores, os ingressos continuam à venda neste domingo (06) somente no estádio do Morumbi das 10 às 14 horas. O primeiro jogo da final acontece domingo (06), às 16 horas, no Morumbi.

A torcida do Santos FC ainda tem disponível para compra ingressos de arquibancada do setor amarelo, que teve abertura de vendas neste sábado.

Todos os outros setores do estádio têm venda liberada para qualquer torcedor, independente da agremiação.

Sócios

Como as finais são mando da Federação Paulista de Futebol, e não dos clubes, e a renda será dividida entre os dois times, os associados do Santos não terão a possibilidade de comprar ingressos pelo portal www.sociorei.com.br . Em compensação, a diretoria santista, em negociação com o Guarani e a Federação Paulista, conseguiu garantir que os sócios paguem meia-entrada em qualquer um dos setores do Morumbi nas duas partidas.

Para comprar ingressos, os sócios devem se dirigir a um dos postos de venda munidos de suas carteirinhas. Haverá guichê especial de atendimento para associados.

Para entrar no estádio, sócios devem apresentar carteirinha e ingresso.

Donos de cadeira

Por conta do mando das partidas ser da FPF, donos de cadeira na Vila Belmiro também devem comprar ingressos da mesma forma que os sócios que não possuem cadeira.

Para entrar no estádio, sócios devem apresentar carteirinha e ingresso.

Opções de ingresso

Arquibancada Azul – Setor esgotado – portão 6 – torcida do Santos FC: R$ 60,00 (meia entrada R$ 30,00);

Arquibancada Laranja – Setor esgotado – portão 6 – torcida do Santos FC: R$ 60,00 (meia entrada R$ 30,00);

Arquibancada Amarela – Torcida do Santos FC: R$ 60,00 (meia entrada R$ 30,00);

Setor Térreo VISA (Vermelha) – portão 3: R$ 70,00 (meia entrada R$ 35,00);

Morumbi Premium Clube – portão 4: R$ 120,00 (meia entrada R$ 60,00);

Cativa Azul – Proprietário – portão 5: R$ 60,00 – disposição de venda apenas no Morumbi;

Cadeira Especial Azul – portão 5: R$ 120,00 (meia entrada R$ 60,00);

Laranja Premium – portão 5: R$ 120,00 (meia entrada R$ 60,00);

Cadeira Laranja – portão 5: R$ 70,00 (meia entrada R$ 35,00);

Setor Visa Infinite – portão 5: R$ 170,00 (meia entrada R$ 85,00);

Cativa Vermelha – Proprietário – portão 16: R$ 60,00 – disposição de venda apenas no Morumbi;

Cadeira Amarela – portão 16: R$ 70,00 (meia entrada R$ 35,00);

Setor Deficiente – portão 17: R$ 60,00 (meia entrada R$ 30,00);

Setor Térreo VISA (Vermelha) – portão 18: R$ 70,00 (meia entrada R$ 35,00);

Arquibancada Vermelha – portão 15 – torcida do Guarani: R$ 60,00 (meia entrada R$ 30,00).

Meia entrada

Possuem direito à meia entrada estudantes do ensino fundamental, médio ou superior (público ou particular). Para compra e acesso ao estádio, o estudante deverá apresentar declaração escolar relativa ao ano letivo ou carteirinha escolar com validade e carimbo da escola, ou boleto referente ao mês vigente e RG original ou cópia autenticada (lei Municipal nº 11.355/1993 – Decreto Municipal nº 33.468/1993 – Lei Municipal nº 13.715/2004).

Aposentado do INSS paga meia entrada com a apresentação do holerite ou cartão do benefício e RG original ou cópia autenticada (Lei Estadual nº 10.858/2001).

Cadastro de torcedores

Em atendimento à lei 14.590, que prevê identificação dos frequentadores de partidas de futebol, o Santos FC está realizando o cadastro dos torcedores no momento da compra. Sócios do clube não precisam realizar este cadastro.

Boteco da Vila

A Santos FC Tour, operada em parceria com a Futebol Tour, realizará um “Boteco da Vila” especial direto do Morumbi com as presenças de Lima e Edu. O ingresso custa R$ 275,00 e dá direito a assento em local privilegiado para a hora do jogo, alimentação e bebida não-alcoólica. A entrada dos torcedores deverá ser feita pelo portão 2, a partir das 14h.

Os interessados em comparecer a esta edição especial do “Boteco da Vila” devem adquirir suas entradas antecipadamente com a Santos FC Tour pelos telefones (13) 4062-9446 e (11) 3813-3231, pelos e-mails santos@futeboltour.com.br e atendimento@futeboltour.com.br ou pelo site www.botecodavila.com.br .

As vendas serão realizadas pelo www.botecodavila.com.br até as 10 horas de domingo (06).

Retrospecto de decisões no Morumbi

Se vencer o Guarani, o Santos poderá conquistar seu sétimo título no Morumbi e o segundo tricampeonato da história no estádio – em 1969, o título do estadual que nos deu o último tri veio depois de um 0 a 0 com o São Paulo. Aliás, este foi o primeiro título da história do Morumbi.

Depois disso, quatro Paulistas ainda seriam conquistados no Cícero Pompeu de Toledo: 1973 (Santos FC 0 x 0 Portuguesa, decisão nos pênaltis), 1979 – referente ao estadual de 1978 (Santos FC 0 x 2 São Paulo, título veio após empate de 0 a 0 na prorrogação), 1984 (Santos FC 1 x 0 Corinthians) e 2007 (Santos FC 2 x 0 São Caetano). Além disso, o Brasileirão 2002 também foi conquistado no Morumbi após um 3 a 2 contra o Corinthians.

E aí, criou coragem para comprar o seu ingresso?


Prevaleceu o profissionalismo. Decisão será no Morumbi!

Glória aos deuses do futebol nas alturas! O profissionalismo prevaleceu. Graças à oportuna intervenção de Marco Polo Del Nero, presidente da Federação Paulista de Futebol, os dois jogos da decisão do Campeonato Paulista serão disputados no Morumbi nos domingos 6 e 13 de maio.

Ao invés de jogar no Brinco de Ouro e na Vila Belmiro, Guarani e Santos acataram o bom senso e aceitaram a decisão da Federação Paulista de Futebol de fazer os dois jogos no maior estádio de São Paulo, onde se espera no mínimo 50 mil pessoas por partida.

Com isso, as duas arrecadações serão divididas e cada clube deverá receber cerca de R$ 2 milhões líquidos. Além do valor, importante para equilibrar as finanças de Guarani e Santos, os jogos terão mais visibilidade e mostrarão, mais uma vez, a tremenda força da torcida santista.

Como os dois times são técnicos, jogam aberto e buscam o gol, as dimensões maiores do Morumbi certamente favorecerão a qualidade do espetáculo. Que os dois times façam grandes jogos e vença o melhor.

Reveja agora a última decisão do Campeonato Paulista no Morumbi:

E você, o que achou de os dois jogos serem no Morumbi?


Alguém entendeu porque o Tribunal da Federação Paulista não julgou Mano Menezes, Dentinho e Washington?

O Tribunal de Justiça Desportiva da Federação Paulista de Futebol se reuniu ontem para mais uma sessão de julgamentos. Como as semifinais do Campeonato Paulista começam no próximo fim de semana, esperava-se, obviamente, que fossem resolvidas todas as pendengas dos clubes que podem se classificar para esta fase decisiva.

Surpreendentemente, porém, os casos do técnico Mano Menezes, que poderia pegar até seis jogos de suspensão, e os de Dentinho e Washington, cuja punição poderia chegar a três partidas, foram adiados para o dia 12, próxima segunda-feira, após a primeira partida das semifinais.

Ora, isso é no mínimo estranho. Quem assistiu ao julgamento disse que a atuação do advogado do Corinthians, o também jornalista João Zanforlim, foi muito boa, como sempre. Aliás, Zanforlim tem sido muito acionado e é um dos craques do Corinthians no momento. Agora, adiar os julgamentos e dar a estes réus a possibilidade de atuar não só na partida decisiva de hoje à noite, como no primeiro jogo da semifinal é, no mínimo, contrário aos propósitos de um tribunal que se preze.

Há coisas que nem o melhor advogado do mundo poderia poder reverter. O caso de Dentinho, então, é o mais grave. O rapaz é reincidente no uso do cotovelo com a intenção de atingir o adversário. Washington foi sua terceira vítima, sem que até agora o jogador do Corinthians tenha sofrido qualquer punição mais séria. Será que estão esperando que cegue alguém para receber o devido castigo da lei?

Quem tiver curiosidade de ler a ata da sessão de julgamentos do dia 5, o link é esse:  http://www.futebolpaulista.com.br/tjd.php?sec=15&sub=&cod=36487 Veja que, coincidentemente, claro, em um dia em que Corinthians, São Paulo, Palmeiras e Portuguesa foram julgados, o único clube grande condenado foi o Santos (multa de R$ 1.500,00). Claro que também é apenas uma coincidência que o Santos tenha no mínimo um gol anulado, erradamente, por partida.

Será que sou eu quem está vendo coisas? Ou os homens do tribunal e os árbitros estão armando uma retranca contra os Meninos da Vila? Qual a sua opinião sobre o caso?


© 2017 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑