Engraçado este país! Alguns são obrigados a tirar até as calças na alfândega e podem ser detidos se trouxerem produtos de uso pessoal não registrados. Outros desembarcam com uma avião de muamba e tudo bem. Alguns tremem de medo ao serem convocados para esclarecer dúvidas na declaração de imposto de renda, outros são chamados para várias CPIs em Brasília e continuam impunes. Alguns se dão por felizes ao manter um emprego por dois ou três anos, outros completam 21 anos em um cargo de presidente de uma empresa de grande porte que assumiu sem precisar de currículo. Quase ninguém está seguro de se manter empregado, mas há quem tenha certeza de se manter em um cargo – e que cargo! – quanto tempo quiser. Alguns perdem a Copa e já sabem que estão demitidos. Outros vivem só para demitir.

Diante disso tudo, não dá para não ficar ressabiado e perguntar: POR QUE NUNCA SOBRA NADA PARA RICARDO TEIXEIRA?

Sim, lancei a campanha #ForaRicardoTeixeira e o nome do dono da CBF já é o terceiro tema do momento no twitter. Alguns, mais práticos, já me preveniram de que não adianta nada, pois a próxima Copa será no Brasil e Ricardo Teixeira já tem tudo amarrado, negociado, mancomunado. Os políticos estão do seu lado, a Rede Globo, dirigentes estaduais e muitos outros que comem na mão da CBF também. Mas eu e você não precisamos fazer média com ninguém, não é mesmo?

O bom de não precisar fazer média, obviamente, é poder ser sincero, dizer a verdade. E eu pergunto: quem neste País pode ter simpatia por um homem que assumiu a presidência da CBF porque era genro de João Havelange, mas quando se separou da filha de Havelange não teve a hombridade de se afastar também da CBF?

A dúvida permanecerá eternamente no ar: Ricardo Teixeira se casou com a filha ou com o genro? Ou se casou mesmo com a CBF? Bem, o que fez foi contrair matrimônio com o poder e o dinheiro gerados pela entidade que gerencia os negócios de um dos melhores produtos do mundo: a Seleção Brasileira de Futebol.

Sim, a CBF só administra a Seleção Brasileira. Só o filet mignon interessa ao senhor Ricardo. Para os clubes? Bananas, se tanto. Se fosse por ele, dois Campeonatos Brasileiros não teriam sido realizados: a Copa União e a Copa João Havelange, organizadas pelo Clube dos Treze – associação que recentemente também tentou dominar, por intermédio de seu enviado Kléber Leite.

E olhe que a CBF é a entidade mais rica do futebol brasileiro e uma das mais ricas do planeta. Tem incontáveis patrocinadores, enquanto a maioria dos clubes estão à mingua. Teixeira diz que os clubes é que são mal administrados. Ora, é fácil investir em um escritório e ter a seu dispor o time com os craques mais badalados do mundo, com filas de empresas querendo patrocinar.

A CBF deve ser a empresa com a melhor relação custo x benefício que já existiu (taí uma boa pauta para essas empresas de negócios. Alô Exame, Carta Capital…). E desta fortuna sobra o que para os clubes, os que mantém a paixão do brasileiro pelo futebol? Nada.

Alemanha pode ser campeã só com jogadores que atuam no País

Ao contrário dos clubes brasileiros, que sofrem todo tipo de dificuldade quando pretendem conservar seus maiores jogadores, os clubes alemães mantêm todos e com eles formou uma seleção que mais uma vez pode ser campeã do mundo.

Não é só uma questão de moeda forte. É questão de organização, que não parte só dos clubes, mas da federação nacional. Lá eles têm dirigentes como Franz Beckenbauer, aqui nós temos paraquedistas como Ricardo Teixeira.

Se nem a história do nosso futebol é preservada pela CBF, que nem mantém arquivos sobre as competições nacionais oficiais, como esperar uma política de fortalecimento das competições e dos clubes?

O que se vê é o um ambiente promíscuo, inundado de “empresários”, de técnicos e dirigentes desonestos, enfim, gente ansiosa por fazer dinheiro rápido e fácil, de abutres loucos para – com a conivência da CBF – vender os jovens talentos do futebol brasileiro tão logo eles brotem. É um milagre que diante de quando tão sombrio o Brasil ainda consiga ter um futebol respeitado no mundo.

Demitir Dunga pelo site foi desrespeito. Mais um, aliás…

Dunga nos deu motivos para ficar contrariados, claro. Não ouviu o clamor geral por Ronaldinho Gaúcho, Ganso e Neymar. Não ouviu as recomendações, também gerais, contra o cavalar Felipe Mello. Mas ninguém pode negar que o gaúcho trabalhou, manteve o time focado e suportou pressões para não permitir favorecimentos.

E ninguém também pode negar que o Brasil enfrentou uma ótima equipe, que talvez o vencesse mesmo que em campo estivesse o melhor que a Seleção pode apresentar no momento. A Holanda poderá seguir em frente e ser campeã do mundo? Por que não? Onde está escrito que todas as Copas devem ser vencidas por brasileiros?

Demitir o técnico e sua comissão sem nenhum respeito, como já fizera antes com outros, mostra bem o tipo de homem que o senhor Ricardo Teixeira é. Um homem em quem não se pode confiar, um presidente que não é líder de porcaria nenhuma, mas apenas alguém que usufrui do poder em benefício próprio.

Um líder de verdade, que comanda pelo exemplo, seria o primeiro a reunir a imprensa e admitir seus erros nesta Copa. Ora, não foi ele quem convidou o inexperiente Dunga para dirigir a Seleção? Não foi ele quem aprovou a comissão formada pelo técnico? Não foi ele quem permitiu que Dunga mantivesse o mesmo grupo de jogadores e não ouvisse a opinião pública? Por que agora, com a eliminação, só Dunga e sua equipe são culpados e devem ser punidos?

A Dunga não será dado o direito de aprender com seus erros. Tenho certeza de que nas próximas convocações ele daria oportunidades a jogadores que foram esquecidos. Estou certo de que Paulo Henrique Ganso e Neymar seriam chamados, por exemplo. Mas, com a demissão sumária de toda a comissão técnica, parte-se novamente da estaca zero.

Como sempre, os técnicos cogitados são os que concordam com a política da CBF e se dão bem com Ricardo Teixeira. Geralmente o escolhido ficará tão deslumbrado com o cargo que fará tudo e convocará todos que o chefe quiser. Ou seja, o que se verá será uma verdadeira caixa de pandora, da qual poderá sair de tudo.

Se você não protestar, ninguém vai…

Você que está em dúvida de firmar o seu protesto contra a direção da CBF, pense uma coisa: se você, que não tem rabo preso, não o fizer, quem fará? Os jornalistas esportivos das grandes empresas? Esqueça. Eles só se sentirão mais confiantes de dizer a verdade depois que sentirem respaldo popular. Portanto, o primeiro passo quem tem de dar é você.

Assim como na campanha #gansoeneymarnacopa, que começou timidamente e ganhou o Brasil, não tenha medo de demonstrar sua aversão pelo comando do futebol brasileiro, hoje nas mãos de quem odeia futebol, odeia os clubes brasileiros – seus atletas, torcedores e dirigentes – odeia imprensa, odeia democracia e odeia liberdade de expressão. Repita comigo, de peito aberto: #FORARICARDOTEIXEIRA

Os resultados virão. Pode crer.