Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

Tag: Fucile

Até meia-noite de hoje você pode comprar o Dossiê por apenas 30 reais!!!


“Realizando uma de suas grandes exibições, o Santos conquistou ontem à noite, pela segunda vez, a Taça Brasil, obtendo consequentemente o título de bicampeão brasileiro de futebol” – esta frase inicia a matéria da Folha de São Paulo de 3 de abril de 1963. Há uma maneira mais clara de dizer que o campeão da Taça Brasil era o campeão brasileiro? Pois esta mesma Folha de São Paulo hoje nega o que seus jornalistas escreveram há 49 anos. Quem está certo? Quem cobriu os fatos in loco, ou quem hoje, sem estudar o passado, tenta reescrever a história? Na outra matéria, a capa do jornal A Gazeta Esportiva, maior jornal de esportes do Brasil, destaca o tetracampeonato do Santos, em 1964 – que se transformaria em pentacampeonato no ano seguinte. Estas são apenas duas imagens dos muitos documentos que fazem parte do Dossiê que unificou os títulos brasileiros a partir 1959. Por isso eu lhe peço para aproveitar a promoção desta terça-feira e adquirir e divulgar o Dossiê (Clique nas imagens para ampliá-las).

Hoje é o Dia do Dossiê aqui no Blog. Estamos oferecendo, por apenas 30 reais, o livro que recuperou os títulos brasileiros de 1959 a 1969. É só clicar no banner aí em cima e escolher a forma de pagamento. Seu apoio é muito importante para difundir esse conhecimento pelo Brasil. Se você já tem o Dossiê, por que não comprá-lo e doá-lo a um jornalista esportivo de sua cidade? Encare como um pequeno investimento em nome da verdade histórica do futebol brasileiro.

Reveja agora o momento histórico em que William Bonner, editor do Jornal Nacional, anunciou a Unificação dos Títulos Brasileiros. O furo foi dado no dia 13 de dezembro de 2010:

Nas frases curtas do técnico Muricy Ramalho no programa Bem, Amigos de ontem, deu para perceber muita coisa importante sobre o Santos. Por exemplo? Lá vão:

1 – Muricy é apaixonado por Borges, com quem já trabalhou em três clubes. Ele foi sondado por Felipão, mas não aceitou ceder o jogador ao Palmeiras. Para o técnico do Santos, Borges é um artilheiro e logo que voltar a fazer gols, não vai parar mais. Entretanto, Alan Kardec é o titular.

2 – Rafael continuará titular até a Olimpíada. Durante os Jogos Olímpicos, Aranha será o titular. Depois os dois brigarão pela posição. Quem estiver melhor, jogará.

3 – Pelo que o técnico deixou escapar, a contusão de Fucile é séria e o jogador ficará um bom tempo sem jogar. Pelo jeito, Henrique voltará a ser o lateral-direito no jogo de quinta-feira, com o Vélez.

4 – Muricy gostou de Galhardo, disse que o garoto “sabe jogar” e provavelmente o usará no futuro, tentando fazer uma dobradinha dele com Elano, assim como Juan e Neymar fazem pela direita.

5 – O técnico admitiu que o Santos está capenga, pois só tem um bom ataque pela direita.

6 – Para Muricy, o Vélez marcará tão bem como na Argentina e jogará no mesmo nível do primeiro jogo, mas a diferença de quinta-feira será o Santos, que jogará bem melhor e irá para cima para conseguir o resultado de que precisa (uma vitória por dois gols de diferença).

7 – Muricy deu a entender que o Vélez perdeu ótima oportunidade de garantir a classificação na quinta-feira, pois jogou muito bem e pegou o Santos em um péssimo dia, cansado pelos jogos consecutivos.

8 – Além da jogada óbvia de Neymar pela esquerda, tabelando com Juan e Ganso, o técnico citou as avançadas de surpresa de Arouca como uma das armas do Santos para chegar ao gol do time argentino.

Você concorda com a visão do técnico?


Quem não viu Pelé, agora pode ver Neymar


Com os três gols, Neymar supera Pelé e se torna o maior artilheiro santista contra o Inter

Fico imaginando a alegria dos santistas de vários pontos do Brasil que desembarcaram do Cruzeiro do Centenário e já ficaram em Santos para ver o concerto de Neymar e do Santos contra o Internacional. Que exibição! Que show! Que aula de futebol!

A exibição de Neymar é daquelas que ficará para sempre gravada na história deste esporte. Três gols, dois deles magníficos, em que pegou a bola no meio de campo, superou todos os jogadores que apareceram à sua frente e concluiu de maneira sutil, precisa, cruel.

A arte dos Meninos da Vila Neymar e Paulo Henrique Ganso superou com sobras o jogo feio, ríspido e violento do time gaúcho, que, a exemplo do alvinegro da capital, jogou fechadinho e só se limitou a dar pontapés. Que constrangedor ver jogadores como Tinga e Dagoberto, que um dia já jogaram futebol, entrarem em campo apenas para distribuir coices.

No Santos, o futebol de todos está crescendo. E, só para provar que sou justo e não persigo ninguém, sou obrigado a reconhecer que Íbson, que não estava jogando nada, melhorou muito e já merece ser o titular. Arouca aos poucos volta à sua melhor forma; Henrique tem se aprimorado na marcação; Fucile e Juan tomaram conta das laterais, e mesmo Borges, ainda em busca de seu futebol, joga muito sem bola e hoje sofreu o pênalti que abriu a vitória.

Edu Dracena e Durval tiveram pouco trabalho. Acho até que Dracena poderia ter sido substituído ao sentir o joelho. Percebia-se que a contusão comprometeria sua mobilidade. Não deu outra. Na primeira bola em que teve de disputar corrida com um adversário, ficou para trás e permitiu que Oscar desse o passe para Leandro Damião diminuir para 1 a 2.

No entanto, quem tem Neymar já entra em campo com meio jogo ganho. Mesmo cercado, chutado, agredido, o Menino de Ouro deu outro show, deixou nos espectadores a certeza de que o futebol é muito mais bonito e empolgante do que aquele que passa na Globo.

Reveja o show histórico de Neymar e do Santos:

http://youtu.be/K2btgPymqNA

A campanha continua: não assista ao outro alvinegro

Que tipo de música vende mais discos? Que programa dá mais ibope na tevê? Pois é. O mau gosto é a preferência da maioria nesse País e isso talvez explique porque a Rede Globo evite mostrar os jogos do Santos. Seus espectadores não estão acostumados a nada de alto nível. Vão se sentir chocados, sei lá.

Por isso, e isso não vale apenas para santistas, mas para todos os torcedores de todos os outros times, não assistam aos jogos do time-chupim, que vive da aversão dos outros e que tenta transformar uma história de fracassos em sucesso financeiro.

Neymar x Messi

Hoje, enquanto Neymar extrapolou os limites da genialidade de um jogador de futebol na Vila Belmiro, diante de um adversário de tradição no futebol brasileiro; Messi brilhou na Europa, marcando cinco gols na goleada do Barcelona sobre o Bayern Leverkusen. É mais do que evidente que ambos são os melhores do mundo.

Porém, duvido que Messi sofra agressões grotescas como as que ferem Neymar – e Ganso – sem que seus adversários sejam punidos convenientemente. O que é esse Índio? Um cavalo vestido de vermelho. Como definir os coices do eterno derrotado Dagoberto, de Tinga e mesmo do manjado Cléber Chicletinho? Que decepção, Internacional. Esperava um pouco mais de futebol do time que ganhou a Libertadores antes do Santos, mas só vi uma equipe de luta-livre.

A opção por Neymar foi sábia

Quando houve o desentendimento entre Neymar e Dorival Junior, muitos santistas, atiçados pela mídia, pediam a punição do garoto e o apoio ao técnico. A diretoria agiu acertadamente a prestigiar seu jogador e mandar embora o treinador que nunca mais conseguiu montar um time decente.

Quando o Santos resolveu jogar todas as fichas em Neymar, bancando a permanência do jogador no Brasil, muitos criticaram essa decisão, alegando que o clube estava abrindo mão de uma fortuna. Porém, o Alvinegro Praiano não é um banco, é um time voltado a jogar o melhor futebol possível.

Nesses dois episódios coloquei-me francamente favorável às decisões da direção do Santos. Manter Neymar foi uma decisão sábia e, por mais cara que seja, dará um retorno de visibilidade e crescimento da torcida – desde que sejam implementadas ações neste sentido – que compensará os milhões de euros “perdidos”.

A Nau dos Sensatos

Uma alegria indescritível acompanhou os santistas que participaram do Cruzeiro do Centenário no transatlântico Grand Mistral. Durante três dias, 1.300 santistas viveram o céu na terra, ao lado dos ídolos, envolvidos em eventos que divulgaram a rica história do Santos em um ambiente elegante e extremamente confortável.

Como eu previa e já tinha assegurado a Marco Galvão e Alexandre Zubarán, os organizadores do Cruzeiro, a viagem seria feliz e tranqüila, sem qualquer incidente, ao contrário de um outro cruzeiro de um outro alvinegro. Os tripulantes e o comandante do Grand Mistral se surpreenderam com o comportamento dos santistas. Não imaginavam que torcedores de futebol tivessem esse nível.

Nem mesmo a bebida à vontade e o rock pauleira de quatro horas da banda excelente Charlie Brown Jr., do Chorão, fez alguém ter alguma conduta inconveniente. Éramos uma grande família, brincando, dançando, sorrindo, mas unidos pelo carinho e o amor que reúne os verdadeiros santistas.

Torcedores de Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Paraná, Santa Catarina, Bahia, várias cidades do Interior de São Paulo, além, é claro, de Santos e de São Paulo, fizeram a viagem. E veja que o evento só foi mais divulgado neste blog, no site oficial do Santos e em alguns outros blogs e sites de santistas. Em nova oportunidade, com divulgação na grande imprensa, o maior transtlântico do mundo será pequeno.

“Quem veio, veio”, disse o Carlinhos, de Jundiaí, que viajou com Regina, sua mulher. Acho que essa frase definiu o espírito do Cruzeiro do Centenário. Todos estavam conscientes de que participavam de um momento único e histórico do clube.

Carreata e Romaria

Cresce a cada dia o número de adesões para a Carreata que descerá a serra em direção à Vila Belmiro e, simultaneamente, a Romaria que sairá da antiga Rua do Rosário, onde o Santos foi fundado, também para a Vila Belmiro. Logo mais anunciarei os eventos que serão realizados na Vila no dia sagrado de 14 de abril de 2012. Mobilize-se. Fale com os amigos. Prepare o carro e a bandeira. E, se morar em Santos, separe o tênis, a bermuda, mas também a camisa e a bandeira. O fim de semana de 14 e 15 de abril será dedicado exclusivamente ao nosso Santos querido!

Histórico atualizado de Santos e Inter

Por Wesley Miranda

Santos e Internacional se enfrentaram ao longo da história 59 vezes, e o Alvinegro ganhou 24 contra 20 vitórias coloradas e 15 empates. O time santista marcou 80 gols. O Santos FC nunca perdeu para o Inter jogando na Vila Belmiro. Em 15 jogos foram 11 vitórias.

Santos V, E, D
Copa Libertadores 1, 0, 0
C. Brasileiro: 21, 12, 17
Copa do Brasil: 1, 1, 2
Sul-mericana: 0, 1, 0
Amistosos: 1, 1, 1

O artilheiro do Santos no confronto
Agora o artilheiro santista no confronto é Neymar, com 5 gols, que supera Pelé, com 4. O Rei atuou em 8 partidas vencendo 5, perdendo 2 e empatando 1. Na vice artilharia, com 3 gols cada, dois atacantes de uma história mais recente: Paulinho Mclaren, o artilheiro do Brasileirão 1991 (15 gols) e o artilheiro do Brasileiro 2008, Kléber Pereira (21 gols).

Poucos jogos na história
Apesar de se tratar de dois times praticamente centenários, a marca de 58 partidas é pequena, já que o primeiro confronto aconteceu apenas em 1935, um empate em 1 a 1 no Rio Grande Sul. Quem marcou o primeiro gol do Santos foi Sacy!
O segundo confronto demorou mais 14 anos para acontecer, 4 a 0 para o Santos jogando no Rio Grande Sul. Gols do arquiteto da bola Antoninho Fernandes, Arthurzinho, Telesca e Juvenal.
O terceiro confronto só foi acontecer 12 anos depois, em 1958, mais uma vez no Rio Grande do Sul, e dessa vez, com vitória gaúcha por 5 a 1. Essa é até hoje a maior goleada do Inter do confronto. Mas teve vingança…

A maior goleada do Santos
Quase 9 anos depois e um novo confronto entre Santos e Internacional, e ele só foi possível graças ao Torneio Roberto Gomes Pedrosa de 1967, o Robertão, o Brasileiro da época! E foi, digamos, com um gostinho especial, já que era março e o Santos já tinha jogado na Argentina, na Colômbia, nos EUA, no Chile, no Peru e nas duas primeiras rodadas do Robertão em Minas (Atlético-MG) e Rio Grande do Sul (Grêmio), mas ainda não tinha atuado para sua torcida! E o jogo no Pacaembu, na noite de 15 de março de 67, apresentou uma goleada por 5 a 1 no quadro santista, com gols de Toninho Guerreiro, Copeu (2), Edu e, para delírio da torcida, aos 43 minutos, Pelé de pênalti! O suficiente para os jornais estamparem em suas capas: o Rei voltou!
E com imagens raras do 1º tempo, destaco este jogo da maior goleada santista do confronto.

O fim do tabu
Pelé tinha parado em 1974 e desde então o Santos não tinha mais vencido equipes de Porto Alegre, Belo Horizonte e Rio de Janeiro em Brasileiros. E foi contra o atual campeão, o forte Internacional de Falcão, que o Peixe encerrou o jejum em 27/03/1980 no Morumbi pela 8ª Rodada do grupo C: 1 a 0 com gol de Nilton Batata. A vitória deu também o título do grupo e colocou o Santos como 2º na classificação geral!

O jejum do Internacional
Depois do Brasileiro de 1980, voltava o tradicional jejum de confrontos, e foram 8 anos sem se encontrarem, mesmo disputando o Brasileirão. Isso agravou e muito o jejum de vitórias do time colorado, que ficou de 78 a 95 sem vitórias sobre o Santos. Nesse período foram disputados 7 jogos, com 4 vitórias santistas e 3 empates. O jogo mais curioso desse jejum certamente foi o encontro de 1992…..

O dia em que o Inter fugiu de campo
Logo aos 18 minutos iniciais, o goleiro paraguaio Gato Fernandez tentou catimbar em cima de Paulinho McLaren, batendo a bola perto de seus pés. Paulinho, que era matador e tinha sido artilheiro do Brasileiro de 91, esperou a hora certa do segundo quique da bola, acabando a brincadeira e colocando para o fundo do barbante. Pronto, ali começou a confusão, e no meio dela foram expulsos Marquinhos, Gérson (aquele mesmo revelado pelo Santos na Taça SP 84) e o próprio causador do problema, Gato Fernandez. Mas mesmo jogando contra apenas 8 jogadores, o Santos encontrou dificuldades para furar a defensiva do Inter e só aumentou o placar aos 12 minutos do segundo tempo, com Cilinho, que também marcou aos 15 e Axel aos 21 minutos. Todos em arremates e rebotes de longa distância, devido ao congestionamento da defesa colorada. Faltando menos de 10 minutos para o fim do certame, os jogadores do Inter iniciaram um “cai-cai”, com Canhoto e Lima. Então, com o timer gaúcho com 6 jogadores em campo, o árbitro José Roberto Wright (aquele mesmo, ex-comentarista da Globo) encerrou a partida. E o Inter mandou toda a raça gaúcha para o espaço!

Goleada do Santos
Brasileirão 2007, grupo B, 2ª fase, Santos e Internacional. No Morumbi, o Santos aplicou um sonoro 4 a 0, com gols de Alexandre, Muller, Marcos Assunção e o ex-colorado Caíco. Mas a nota principal do jogo foi a expulsão de Luxemburgo pelo árbitro Cláudio Vinicius Cerdeira. O técnico reclamou da atuação do árbitro, que desfalcou o Santos de 5 titulares no jogo no Sul e ainda citou envolvimento da CBF. Veja:

O artilheiro dos gols bonitos
Ao contrário do Internacional, que nunca ganhou do Santos na Vila Belmiro, o Santos já ganhou do Inter no Beira Rio. Em 28 jogos, o Santos venceu 4, empatou 9 e perdeu 15. E uma dessas vitórias, 2 a 1 no dia 02/10/1999, certamente marcou como um dos gols mais bonitos do confronto! O gol do Dodô vale a pena ser conferido!

Algoz do Santos
Apesar da vantagem alvinegra em confrontos, o Inter eliminou o Santos em duas Copas do Brasil. Em 1997 o Santos venceu na estreia do enfim reformado gramado da Vila por 2 a 0 com gols de Macedo e Robert. No Beira Rio, o Santos perdeu pelo mesmo placar e a disputa foi para os pênaltis. E depois de Marcos Assunção, Robert e Sandro perderem suas penalidades, o Inter eliminou o Santos ganhando por 3 a 2.
Em 2002, na Vila Belmiro, empate em 3 a 3 com gols de Oséas(2) e Odvan (lembra deles? rsrs) na primeira partida. No Sul, o Santos perdeu por 1 a 0 e deu adeus na competição.

Segunda jamais
A situação do Santos no Brasileiro de 2008 era complicada, e o jogo contra o Internacional era o divisor de águas. Na 35ª rodada, o Inter foi a Vila e perdeu por 1 a 0, com um gol pra lá de estranho. Michael Jackson Quiñónez arrematou muito torto, mas Gustavo Nery desviou contra o próprio gol, aos 24 minutos do segundo tempo. Com o resultado, o Santos abriu 6 pontos da zona da degola. O Peixe não venceu mais nos últimos 3 jogos (1 derrota e 2 empates), mas essa vitória foi suficiente para manter o Alvinegro na primeira divisão!
Mesmo com a péssima campanha em 2008, o Santos venceu seus dois jogos contra o Internacional. No primeiro turno, em Porto Alegre, na estréia de D’ Alessandro, Maikon Leite marcou o único gol do jogo.

O último confronto, um jogo épico
No último jogo válido pelo Brasileiro de 2011, o Colorado do técnico Dorival Jr, abriu 3 a 0 jogando no Beira Rio. Parecia que a vitória era inevitável. E foi só aos 31 minutos do segundo tempo que Borges diminuiu. Parecia inacreditável, mas Alan Kardec fez o segundo aos 35 e Borges empatou aos 41com um golaço, seu 14º gol no certame!

Quem já sentiu o gostinho
Além de Neymar e Borges que marcaram 2 gols, e Alan Kardec que marcou 1 gol no empate em 3 a 3, do atual elenco santista Elano marcou na derrota santista por 2 a 1 em 2004. Mas a grande surpresa é o gol do auxiliar do Muricy, o Tata, que marcou na derrota santista por 3 a 1 em 1976.

E você, o que acha deste momento de Neymar e do Santos?


Show de Neymar e Ganso na melhor exibição do ano!

Em outros tempos, mais eufóricos, não faltaria jornal para dar o título: “Pintou o campeão!”. Realmente, esta performance do Santos contra a Ponte Preta foi a melhor exibição de um time neste Campeonato Paulista. Mais do que os 6 a 1, que representam a maior goleada da competição, e do show da dupla de ouro Ganso e Neymar, o Alvinegro Praiano dominou o jogo de maneira absoluta, arrasadora, constrangedora. Nenhum time de São Paulo consegue vencer assim.

Neymar voltou a brilhar, com lances geniais e dois gols. Agora o Menino tem seis e está a apenas dois da artilharia. Ganso, em boa condiução física, voltou a esconder a bola e fazer dela o que quer.

Arouca voltou a jogar bem, marcando lá atrás e ainda saindo pro jogo. Como Henrique também melhorou, ao menos na marcação, com eles o meio-campo cresceu. A briga entre Íbson e Elano pela posição está puxando os dois para cima. Se bem que eu ainda ache que o Felipe Anderson é melhor do que os dois.

Juan se firma, Fucile ao menos é um bom marcador (se bem que Chrystian apoia melhor). Edu Dracena, melhor fisicamente, se deu ao luxo de marcar dois gols de cabeça. Palmas pra ele!

Tudo bem que Borges ainda não reencontrou o gol, mas está tentando. Durval está na mesma e Rafael não foi exigido. A bola difícil que foi, entrou. Ainda não vi Ganso e Felipe Anderson na armação, mas hoje nem dá para reclamar. O Santos fez sua melhor partida desde a conquista da Libertadores e não há o que contestar. Até a arbitragem resolveu marcar as faltas sobre Neymar.

Muito santista já me disse que se os árbitros marcassem todas as faltas e dessem todos os amarelos que os marcadores de Neymar merecem, os adversários do Santos terminariam os jogos com dois ou três jogadores a menos. Pois foi o que aconteceu hoje. O árbitro Marcelo Rogério cismou de seguir a regra e a Ponte terminou com três a menos. Nada mais justo.

Como é bom ver o Santos jogar pra frente, com vontade, determinação, sem preguiça. Você pode perguntar: Ué, mas não estava tudo errado até há poucos jogos. Quais foram as mudanças tão radicais? Eu direi.

Não se esqueça de que os laterais contra o Palmeiras foram Maranhão e Pará. Hoje o time não leva mais bolas pelas costas (só levou uma contra a Ponte, justamente no gol do time de Campinas). Com menos buracos nas laterais, os zagueiros Edu Dracena e Durval voltaram a atuar com segurança.

Arouca melhorou muito, Henrique subiu um pouco também e ficou mais difícil para o adversário penetrar pelo meio. Íbson e Elano estão se empenhando mais, em busca da titularidade. Mas a grande novidade tem sido o crescimento de Paulo Henrique Ganso.

Com ele e Neymar jogando bem, uma ou outra falha da equipe fica escondida. Ambos exigem tanta atenção da defesa contrária, que o adversário perde até o ânimo de atacar. Na verdade, Ganso e Juan têm sido os maiores responsáveis pelo crescimento do Santos.

Vem aí os jogos decisivos contra Guarani e Corinthians

No meio da semana, Neymar, Ganso e Rafael viajam para defender a Seleção Brasileira contra a Suíça, na quarta-feira. No mesmo dia o Santos enfrentará o Guarani, em Campinas, que está à sua frente no Paulistão. Rafael não deverá fazer muita falta, já que Aranha vem se saindo muito bem, mas é inegável que Neymar e Ganso são insubstituíveis. O que será que Muricy poderá fazer?

Acho que ele será conservador e escalará Alan kardec na frente, ao lado de Borges, e colocará Íbson e Elano como meias. Eu, como é fácil adivinhar, daria um jeio de colocar o Felipe Anderson no time, nem que fosse no lugar do Neymar, mais à frente. O garoto não bnate de canela, como o Kardec.

E domingo, na Vila, contra o líder Corinthians, eu só espero que a arbitragem seja boa, honesta. Porque no campo, se os dois times jogarem apenas futebol, será difícil parar o Alvinegro Praiano.

Quer ver de novo os melhores lances do jogo? Curta aí:

http://youtu.be/z__2CrFYlDg

E você, o que achou de Santos 6, Ponte Preta 1?


Finalmente o Santos estreou em 2012. Palmas para Ganso e Juan

Com exceção dos últimos 15 minutos do segundo tempo, em que recuou e deu espaço ao Mirassol, o Santos dominou completamente o jogo deste sábado e mereceu a vitória por 3 a 1, em Mirassol. O estreante lateral-esquerdo Juan foi tão bem que acabou marcando o primeiro gol do jogo, aos 12 minutos de partida. O melhor em campo, porém, foi Paulo Henrique Ganso, que voltou a ser o maestro de sempre.

Neymar continuou sendo o atacante mais perigoso, mas perdeu um gol diante do bom goleiro Fernando Leal, quando o placar já estava 3 a 1. Borges, que não foi bem, mas marcou o segundo gol, de pênalti, também perdeu boa chance de ampliar a vantagem.

Deu para perceber grandes melhoras na equipe, que até os 30 minmutos de jogo nada permitiu ao Mirassol. O Santos adiantou a marcação, optou por sair jogando, ao invés de rifar a bola, e envolveu completamente o adversário. 1 a 0 foi pouco para o primeiro tempo.

Logo no início da segunda etapa, Ganso ia dar um chapéu em Acleisson quando o jogador usou as mãos para evitar o drible. Pênalti claro, que Borges cobrou aos dois minutos para fazer 2 a 0.

Neste momento, juro que pensei ser quase impossível ao Mirassol chegar ao menos ao seu gol de honra. Porém, cinco minutos depois, Íbson perdeu a bola e caiu sentado, propiciando um contra-taque fatal ao adversário, que marcou com um belo chute de Preto, bem no ângulo.

A vitória poderia correr riscos, mas Elano entrou bem, no lugar de Íbson, e ao cobrar uma falta, próxima à linha de fundo, serviu com precisão para Edu Dracena fazer, de cabeça, o terceiro do Santos. Depois é que vieram as chances desperdiçadas por Neymar e Borges.

Tudo indica que habemos lateral-esquerdo

Se jogar sempre como o fez hoje, principalmente na primeira meia hora de jogo, o estreante Juan não deixará nos santistas nenhuma saudade do ídolo Léo. Seguro na defesa e, principalmente, bom no apoio, Juan se tornou uma arma importante do time pela esquerda. Cansou no segundo tempo, mas deixou em todos a certeza de que o problema da lateral esquerda do Santos finalmente foi solucionado.

Do outro lado, ainda não se pode falar o mesmo do uruguaio Fucile, mas ao menos o rapaz é um marcador bem mais firme do que Pará, Maranhão e Crystian. Portanto, também deverá prosseguir titular.

Ainda prefiro Anderson Carvalho e Felipe Anderson

Suspenso, Anderson Carvalho não podia ser escalado. Quando a Felipe Anderson, Muricy Carvalho teimou em não colocá-lo novamente ao lado de Ganso, o que daria e dará ao ataque do Santos um poder extraordinário. O rapaz só entrou quando faltavam quatro minutos para terminar o jogo. Mesmo assim, ainda teve tempo de deixar Dimba na cara do gol. Será que é tão difícil ver o talento de Felipe?

Tudo bem que Íbson e Elano são mais experientes, mas nada supera o talento. E Felipe Anderson tem o dom da enfiada de bola fatal, como só jogadores especiais – tipo Ganso – conseguem. Os dois juntos no meio-campo serão um tormento para os adversários.

Porém, reconheço, Elano desta vez entrou com mais vontade. Precisa ver quanto tempo ele consegue se manter jogando bem, pois costuma cansar fácil. De qualquer forma, entre Elano e Íbson, fico com Elano. E se ele melhorar ainda mais, eu arriscaria um meio-campo com Arouca, Elano, Felipe Anderson e Paulo Henrique Ganso. Queria ver como a defesa adversária iria se virar.

Hoje era dia para golear, caso Neymar e Borges estivessem mais inspirados. Dimba entrou no lugar do centroavante e matou uma bola de canela que fez Pagão se virar no túmulo. O rapaz estava no meio-campo e ao tentar dominar a gorducinha fez com que ela voltasse à intermediária…

Arouca melhorou, Henrique melhorou um pouco, mas Anderson Carvalho joga igual ao volante que veio do Cruzeiro, com a vantagem de ser mais jovem e ter mais vontade. E de ser Menino da Vila.

Aranha não teve culpa no gol. Durval foi o de sempre. Continua dando seus chutões pra frente. O árbitro Philippe Lombard, de levasse as regras a sério, teria de expulsar meio time do Mirassol – quase todos vítimas dos dribles de Neymar, que também levou o amarelo, assim como Ganso.

Com a vitória, o Santos subiu para quinto lugar e mostrou que tem time para lutar pelo tricampeonato paulista. Gostei de ver jovens santistas no estádio, principalmente garotinhos com cabelos coloridos, em homenagem ao ídolo Neymar. Vamos para o Carmaval mais alegres! Há esperança!

E você, o que achou do Santos contra o Mirassol?


© 2017 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑