O técnico Dunga disse que seu grupo para a Copa já está fechado e que agora só muda sua lista se aparecer um novo Pelé.

Como se nesta Seleção só existissem Pelés…

Disse ainda que todos os outros jogadores já convocados para uma Copa do Mundo foram muito testados antes.

Mentira!

Bastou um grande jogo para Edu ir pra Copa

O habilidosíssimo Jonas Eduardo Américo, popular Edu (Jau, 6 de agosto de 1949) foi convocado para a Copa da Inglaterra depois de fazer apenas dois jogos com a camisa do Santos. Na verdade, o Edu encantou os brasileiros na goleada de 4 a 0 sobre o Bangu, na qual marcou dois gols: um de falta e outro driblando toda a defesa do time carioca.

Três meses depois de sua estréia, sem nunca ter passado por seleções brasileiras amadoras (aquele tempo não tinha esse negócio de sub isso, sub aquilo), Edu foi para a Copa com 16 anos e se tornou o jogador mais jovem convocado para a fase final de um Mundial

Infelizmente o técnico do Brasil em 1966, Vicente Feola, deixou o santista no banco e escalou na ponta-esquerda o voluntarioso, porém rudimentar Paraná, do São Paulo, mesmo time de Feola.

Mas nas Eliminatórias para a Copa de 1970, João Saldanha manteve Edu como titular e ele, aos 19 anos, foi um dos destaques do time – fazendo, inclusive, toda a jogada do gol contra o Paraguai, no Maracanã, que decidiu a classificação brasileira para a Copa do México.

Com a queda de Saldanha e sua substituição por Zagalo, Edu foi para a Copa como reserva de Paulo César Caju, jogador do mesmo Botafogo de Zagalo. Apesar da facilidade para engordar e de problemas no joelho, que abreviaram sua carreira, Edu disputou 584 jogos pelo Santos e é o sexto jogador que mais vestiu a camisa alvinegra, sendo superado apenas por Pelé, Pepe, Zito, Lima e Dorval.

Também é o sétimo maior artilheiro da história do Santos, com 183 gols, atrás apenas de Pelé, Pepe, Coutinho, Toninho Guerreiro, Feitiço e Dorval.

Portanto, o Santos já teve um jogador genial, mais jovem do que Neymar e Ganso, que foi para a Copa sem nunca ter sido testado, carimbado e reconhecido firma, como quer o burocrático técnico da Seleção Brasileira. Ora, Dunga, o talento dispensa formalidades.

Neymar desanimado?

Ontem, além de machucado e muito bem marcado pela zaga do Paulista, Neymar parecia menos alegre do que em jogos anteriores.Provavelmente a declaração de Dunga, de que não levará mais ninguém para a África do Sul, influiu no ânimo do craque santista.

Preocupado apenas em livrar-se da pressão da imprensa, Dunga se apressou em uma declaração sem o mínimo de tato, que desestimula não só Neymar, como outros jogadores brasileiros que ainda sonhavam com a presença na Copa.

Nem Felipão, grosseiro como poucos, declarou que não levaria Romário para o Mundial de jeito nenhum. Mesmo visivelmente contrariado com a insistência popular pelo Baixinho, Felipão até o último momento deixou uma brecha, uma esperança no ar. Dunga preferiu, a 100 dias da competição, optar por fechar as portas a todos os outros que não fazem parte de “seu grupo”.

Para mim, foi precipitação, foi incapacidade de suportar com elegância a pressão natural que todo técnico de Seleção Brasileira sofre. E se alguém se machucar – o que, infelizmente, é bem possível – e se Neymar, Paulo Henrique Ganso e Ronaldinho Gaúcho continuarem jogando um bolão? Ainda assim precisarão ser novos Pelés para serem convocados?

E você, leitor, o que acha da postura de Dunga? Ela evita maiores especulações e dá mais tranqüilidade para os jogadores convocados, ou ao eliminar a competição ela provoca o desânimo em alguns e a acomodação em outros?