É importante se conscientizar de que o Centenário do Santos celebra os 100 anos do clube e não só o momento atual. Dos pioneiros Adolpho Millon Jr, Arnaldo Silveira e Haroldo Pires Domingues, até Neymar, Ganso, Arouca, passando por Pelé, Coutinho, Pepe e Cia. O momento é de reverenciar a história do Alvinegro Praiano. Por isso, abro espaço para o poeta José Erato Ferraz, que empregou talento e emoção para produzir esses versos em homenagem ao Santos:

CEM VERSOS DE HISTÓRIA – CEM ANOS DE GLÓRIAS

José Erato Ferraz

I
Surge o sol no horizonte,
Raia o dia neste instante;
Enfim, catorze de abril!
Me encontrem na Imigrantes.
Clima ameno de outono,
Lua no quarto minguante…
Para muitos mais um dia
(Sem nenhum fato marcante),
Mas não é seguramente;
Pois hoje, precisamente,
Faz CEM anos um GIGANTE.

Eu, pequenino poeta,
Busco um verso diferente,
De rima rica e tocante:
Um poema comovente.
Ajuda-me, musa audaz!
Inspiração, não se ausente!
A missão, ingrata e nobre,
É contar pra toda gente,
Nesta data singular
– De façanha secular –
Como meu peito se sente.

Sim, há exatos CEM anos,
Quando no Atlântico Norte
Afundava o Titanic,
Aqui nascia o mais forte
Alvinegro do Brasil,
Divisa insigne do esporte.
Leão do Mar altaneiro,
Gloriosa é tua sorte!
São milhões de toda parte,
Como eu a declarar-te:
PEIXE-REI ATÉ A MORTE!

II
Eu, um pequeno de teus filhos, me propus
Tecer CEM versos para ti, singelo encarte
À tua epopeia: CEM anos de GLÓRIAS,
CEM anos de ORGULHO… CEM anos de ARTE!

Da primeira assembleia – Rua do Rosário –
Foram tantos vultos de saudosa memória:
Sizino, Francisco, Argemiro e Mário…
Tantas personagens fizeram sua história!

Se não dá pra relatar aqui todas elas,
Impossível, igualmente, é esquecê-las.
De Arnaldo Silveira (do primeiro GOL)
Ao Rei de Ébano que veio das estrelas.

Como não falar do ataque dos CEM gols:
Camarão, Siriri, Feitiço, Araken…
De Antoninho, na década de quarenta;
Cinquenta e sessenta? Não tinha pra NINGUÉM!

PELÉ, Zito, Pagão, Formiga, Tite, Pepe;
Gylmar, Mauro, Calvet, Dorval, Coutinho, Lima,
Dalmo, Mengálvio, Carlos Alberto, Edu…
Nosso SANTOS estava um degrau acima.

Vou parar com os nomes pra não ser injusto,
Seria inevitável esquecer alguém.
Nossa história tem REI… e príncipes à Beça,
Uma corte REAL que NENHUM outro tem.

Após três gerações de Meninos da Vila,
Ninguém mais duvida: o CÉU é o limite.
A Vila é o legítimo CELEIRO DE CRAQUES.
Quem será o próximo? Deixe seu palpite.

III
Tanta gente boa ficou de fora,
Mas não dá pra falar de todo mundo,
Grandes nomes de hoje e de outrora…

Nascidos no teu seio tão fecundo;
Valentes de tamanha galhardia
Que a pátria tem em apreço profundo.

Pra lembrar todos eles eu teria
Que tornar em livro esta resenha…
Tão aquém fica minha poesia.

A santástica seu fervor empenha,
Mas é tempo de festa, não de pranto.
Os que já partiram, que Deus os tenha!

Estrangeiros que honraram nosso MANTO,
Artilheiros, goleiros, treinadores…
Em seu louvor hei de entoar meu canto!

Atletas, inclusive amadores,
Torcida, dirigentes, funcionários…
Ergo um brinde, senhoras e senhores,

Hoje também é seu aniversário!

IV
Nem falei dos títulos; são tantos e tantos,
Meu amado SANTOS, num poema não cabem.
Vou citar, numa estrofe, os principais;
E quanto aos demais… teus bons filhos bem sabem.

TRI senhor d’América; BI do mundo inteiro;
Do Brasileiro, OITO vezes maioral!
Cinco Rio-São Paulo, dezenove Paulistas…
Segue-se uma lista INTERNACIONAL.

Enquanto derramo, em versos, meus amores
Outra Libertadores está em disputa.
Quiçá venha o TETRA; meu SANTOS querido
No embate renhido jamais foge à luta!

REI d’América no século que passou!
Mas quem não presenciou – ó santista infante –
Não se preocupe. De vitória em vitória
Mais um século de glória vem adiante!

Enquanto teus filhos, o teu povo amado,
Com o peito inflamado te rendem louvor,
Começa a contagem pra mais um CENTENÁRIO.
Feliz aniversário, SANTOS, meu amor!!!