Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

Tag: Madson (page 1 of 7)

Por que o Santos faz contratos tão longos com seus jogadores?


Maranhão tem mais dois e Danilo tem mais três anos e meio de contrato com o Santos

Pelo BID, o boletim oficial da CBF, ficamos sabendo que não só Marquinhos ainda tem um ano de contrato com o Santos, como Rodriguinho e Tiago Luis também têm mais um, Maranhão tem mais dois, Adriano tem mais dois e meio, Rodrigo Possebon tem mais três e Danilo tem mais três e meio…

Tudo bem que craque é bom ficar muito tempo ligado ao clube, mas será que não dava para perceber que alguns desses jogadores não tinham a mínima pinta de bons de bola?

Confira a validade dos contratos dos jogadores do Santos:

Adriano 14/08/2013
Alan Patrick 15/12/2014
Alex Sandro 31/12/2011
André Ferlini 31/12/2011
Arouca 31/08/2014
Bernardo 30/06/2011
Breitner 31/08/2014
Bruno Aguiar 31/12/2012
Bruno Rodrigo 31/12/2012
Danilo 28/06/2014
Diego Faria 07/11/2010
Diego Monar 19/02/2013
Durval 30/12/2011
Edu Dracena 31/12/2012
Felipe 25/08/2012
Felipe Anderson 22/07/2013
Jefferson 10/02/2014
Keirrison 30/07/2011
Léo 31/12/2011
Madson 31/12/2012
Maranhão 31/12/2013
Marcel 15/12/2010
Marquinhos 30/12/2012
Moisés 31/07/2011
Neymar 19/08/2015
Paulo Henrique Ganso 28/02/2015
Pará 31/08/2012
Possebon (Rodrigo) 19/08/2014
Rafael 28/02/2013
Rafael Caldeira 31/12/2014
Roberto Brum 23/06/2011
Rodriguinho 31/12/2012
Samuel 23/05/2011
Tiago Luis 27/01/2013
Vinicius Simon 31/12/2013
Vladimir 15/07/2012
Zé Eduardo 05/05/2013
Zezinho 31/12/2011

Você acha que o Santos agiu certo ao fazer contratos tão longos?


Meninos nem sempre se tornam craques

Hoje o Santos enfrenta o Goiás, em Goiânia, às 19h30m, e o jogo vale pouco mais do que nada. É duro dizer isso, mas a verdade é que o Santos não tem mais qualquer aspiração no campeonato e o Goiás está praticamente rebaixado. A única motivação que resta é a do jogador por sua própria carreira.

Neste blog lancei a idéia de analisar o comportamento dos jogadores do Santos ao final do campeonato. Tinha a intenção de criar uma motivação individual, já que o time caminhava para a situação melancólica que vive hoje, a de participar de uma competição sem chances de lutar por nada.

Porém, por mais que um atleta queira render o máximo, há limitações técnicas, físicas, intelectuais e psicológicas que restringem o seu rendimento. Alguns defeitos, infelizmente, vão acompanhá-lo por toda a carreira, tornando-o um jogador menor, incapaz de satisfazer uma torcida exigente como a santista.

Estava lendo agora mesmo o livro “A Década de Ouro”, de Guilherme Guarche, e me deparei com inúmeros nomes de jogadores que fizeram testes ou mesmo chegaram a jogar no Santos nos dourados anos sessenta, sem que ficassem no time e muito menos deixassem o nome na história.

Muitos são os chamados…

Quando percebi que a estratégia da diretoria de futebol era trazer para a Vila Belmiro jogadores jovens e promissores revelados em outros clubes, como Zezinho, do Juventude, e Danilo, do América Mineiro, fiquei animado e por pouco não fiz um post elogiando a decisão.

Zezinho foi companheiro de Neymar na Seleção sub alguma coisa e Danilo era a revelação do América, querido por outros clubes. O mesmo se pode dizer de Moisés, do Paissandu, e Victor Hugo, do Santa Cruz. Havia ainda Possebon… Caso só um deles desse certo, o investimento já seria amplamente recompensado.

Porém, pelo que se vê na escalação do Santos para a partida de hoje, só Danilo continua prestigiado – além do ex-Menino Adriano, que jogará como volante, a posição que hoje exige menos técnica no futebol.

Pelo jeito, não há nenhum Menino, formado no clube ou vindo de fora, que tenha garantido seu lugar no time para a próxima temporada. Se não são lançados em um jogo que não vale nada, quando terão vez?

Quando se chega a esta terrível conclusão, não há nada a fazer, a não ser continuar insistindo. Craques como Neymar e Paulo Henrique Ganso são raríssimos. Só mesmo a fábrica de craques que é o Santos para nos dar a ilusão de que podem surgir às fornadas, como pãezinhos quentes.

Uma saída para o jogador jovem e bom, que no entanto tem alguns defeitos graves, é treinar, treinar, treinar, até corrigir ou escamotear esses defeitos. Mas quantos têm a humildade e a disposição de fazer isso? E quantos são devidamente orientados para seguir o caminho que os tornará profissionais melhores?

Um blog, mesmo sendo o ombudsman extra-oficial do Santos, não pode obrigar o Alex Sandro a se tornar um marcador melhor, e nem pode exigir que Danilo treine mais o passe, o chute e os cruzamentos. Talvez eles achem que não precisem melhorar mais nada e já tenham suas desculpas prontas para quando forem dispensados pelo clube ou emprestados para outras agremiações.

Assim, por mais estrutura que um clube tenha e por mais boa vontade que demonstre com os jogadores jovens, no final das contas dependerá desses jovens o seu futuro no futebol. Se não tiverem talento ou não se empenharem para aprimorar seu jogo, entrarão para a história como mais alguns anônimos que passaram pelo Santos sem deixar ao menos uma lembrança.

Goiás x Santos

Goiás
Harlei; Valmir Lucas, Rafael Toloi e Ernando; Douglas (Wendel Santos), Amaral (Rithelly), Jonílson, Marcelo Costa e Wellington Saci; Éverton Santos e Felipe. Técnico: Artur Neto

Santos
Rafael; Danilo, Edu Dracena, Durval e Pará; Arouca, Rodriguinho, Adriano e Marquinhos; Neymar e Zé Eduardo. Técnico: Marcelo Martelotte

Serra Dourada, Goiânia às 19h30m.
Árbitragem: Marcelo de Lima Henrique (FIFA/RJ), auxiliado por Dibert Pedrosa Moisés (FIFA/RJ) e Rodrigo Pereira Joia (RJ).
Ingressos: R$50,00 (cadeira) e R$30,00 (arquibancada)
com promoção de meia entrada para torcedores com a camisa oficial

Reveja Santos e Goiás no primeiro turno, quando ainda havia o sonho da tríplice coroa. Perceba o entusiasmo no ar. Jogo no Pacaembu, time motivado, vitória (apesar do pênalti perdido por Neymar) e com ela o salto para a terceira posição no campeonato, com um jogo a menos. Nada indicava que no segundo turno Santos e Goiás jogariam por… nada.


Acompanhe e dê sua opinião sobre Santos x Vasco

Análise final

Resultado acabou sendo justo.

O jogo foi corrido, movimentado.

Tiago foi o melhor jogador do Vasco e fez boas defesas.

Santos jogou melhor no primeiro tempo, mas caiu no segundo.

Madson criou mais jogadas de ataque e foi o mais perigoso do Santos. Outro destaque do time foi o goleiro Rafael.

Não foram divulgadas renda e público. Público estimado em 13 mil pessoas, com renda aproximada de R$ 250 mil.

Fim de jogo: Vasco 1 x 0 Santos. Gol de Rafael Coelho.

——————————————————————–

Martelotte colocaria Jeferson em campo, mas mudou de idéia.

43 minutos – Com um jogador a mais e vencendo por 1 a 0, Vasco toca a bola e espera o tempo passar.

41 minutos – Zezinho foi expulso de campo

40 minutos – Ataque do Vasco é interceptado pelo goleiro Rafael.

39 minutos – Madson faz boa jogada, chuta bem e a bola passa raspando a trave.

38 minutos – Jogo indefinido, mas o Vasco parece melhor.

36 minutos – Lance duvidoso na área do Santos. Seria pênalti para o Vasco? O juiz não marca.

34 minutos – Madson é o único jogador perigoso do Santos.

33 minutos – Rafael sai do gol e corta uma jogada perigosa do Vasco.

30 minutos – Aperta a chuva e o Santos aperta um pouco. Madson e Moisés trocam passes perto da área, mas a defesa vascaína corta.

28 minutos – Substituição no Vasco – Sai Rafael, entra Diego.

Santos tem menos torcedores do que o Vasco.

25 minutos – Substituição no Santos – Sai Rodrigo Possebon, entra Zezinho.

Última vez que o Santos jogou em Piauí foi em 1986, quando venceu o Piauí por 2 a 0, pelo Campeonato Brasileiro. Dois gols de Dino Furacão.

22 minutos – Bola cruzada na área do Santos, sai para fora.

21 minutos – Substituição no Vasco. Sai Nunes, entra Patrick.

20 minutos – Substituição no Santos. Sai Felipe Anderson, entra Moisés, que faz sua estréia no time.

16 – Madson lança Felipe Anderson, mas o goleiro Tiago se antecipa e pega a bola.

15 minutos – Jogo está melhor do que no primeiro tempo. Vasco tem o domínio do jogo. Torcida vascaína animada.

13 minutos – Felipe Anderson passa para Madson, que penetra e chuta. Bola explode no peito do goleiro Thiago, que está sendo o principal jogador vascaíno.

——————————————————————–

Começa o segundo tempo

Parcial: Vasco 1 x 0 Santos

3 minutos – Rômulo (Vasco) recebe amarelo

Começa a chover em Teresina

4 minutos – No Vasco, saiu Rafael, autor do gol, para entrar Bruno.

—————————————————————–
Final do primeiro tempo:
Vasco 1, Santos 0

Gol de Rafael Coelho, aos 39 minutos.

Santos está melhor e criou mais oportunidades, que pararam nas mãos do goleiro Tiago.

Alan Patrick saiu machucado aos 3 minutos, substituído por Breitner.

Por incrível que pareça, Roberto Brum é um dos melhores do santos, ao lado do goleiro Rafael.

Jogo começou muito ruim, mas melhorou.

Apesar dos ingressos caros, o público não é ruim.


Novos Meninos da Vila terão chance contra o Vasco, em Teresina


Alan Patrick e Felipe Anderson: gostaria de ver essa dupla de meias amanhã

O que a torcida tem pedido – mais oportunidades para os Meninos da base – será feito. Mas não no Campeonato Brasileiro, e sim em um amistoso em Teresina, no Piauí.

O adversário será o Vasco, outro time que não tem mais nenhuma ambição neste Campeonato Brasileiro. O jogo, no estádio Alberto Tavares Silva, o “Albertão”, começará às 22 horas.

O técnico Marcelo Martelotte relacionou 18 jogadores para a partida e o único com mais de 25 anos é o volante Roberto Brum, 32 primaveras.

Confira a lista da molecada (e um titio) para enfrentar o Vasco

Goleiros: Rafael e Vladimir.
Laterais: Alex Sandro, Danilo e Maranhão.
Zagueiros: Bruno Aguiar, Rafael Caldeira e Vinicius Simon.
Volantes: Jefferson, Rodrigo Possebon e Roberto Brum.
Meias: Alan Patrick, Breitner, Felipe Anderson, Madson e Zezinho.
Atacantes: Keirrison e Moisés.

Acho uma iniciativa boa, mas ainda não fico muito animado. De repente, ao invés de colocar gente nova na equipe, Martelotte escala um time assim, ó:

Rafael, Maranhão, Danilo, qualquer zagueiro e Alex Sandro; Roberto Brum, Danilo, Breitner e Alan Patrick; Keirrison e Zezinho. Já pensou?

Já que é pra testar a Meninada, eu poria em campo: Vladimir, Danilo, Bruno Aguiar, Vinicius Simon e Alex Sandro; Jefferson, Rodrigo Possebon, Alan Patrick e Felipe Anderson; Keirrison e Moisés.

Os ingressos estão sendo vendidos na rede Pag Contas a preços de 25 a 35 reais.

Não há indícios de que alguma tevê transmitirá o confronto. O Blog do Odir fará um esforço de reportagem para mantê-lo bem informado.

Mas se você acha que nas arquibancadas só se verão vascaínos, aí é que se engana redondamente. Em Teresina tem muito mais santista do que você imagina. E eu amo esses caras todos de Teresina… Abraços apertados.

Se você fosse o Martelotte e pudesse contar com esses 18 jogadores, que time você colocaria em campo em Teresina?


#MENINOSJÁ!


Vinicius, Felipe Anderson e Tiago Alves; Anderson Planta, Renan Mota e Madson pedem passagem

Não, não quero fazer nenhuma pressão a favor de alguns jogadores ou contra outros que integram o elenco do Santos. Quero apenas que o clube siga, ou tente seguir, o seu DNA, a sua vocação ancestral de dar lugar e liberdade aos seus Meninos.

O Santos pode simplesmente cumprir tabela nestes três jogos que faltam, como pode utilizá-los para testar jogadores vindos da base ou jovens pouco utilizados até aqui. Há dúvida do que é melhor?

Se não der certo, paciência, mas se der os ganhos são incomensuráveis. As vantagens de se montar um time com atletas formados no próprio clube são bem maiores do que se valer de jogadores já formados, trazidos pelas mãos de empresários. Vejamos as vantagens:

1 – Tolerância do torcedor
O santista tem uma paciência infinitamente maior com seus Meninos. Isso dá mais tempo à comissão técnica de encontrar o time ideal.

2 – Apoio da opinião pública
Como tem a imagem de maior revelador de craques do futebol brasileiro, a imprensa apoia qualquer renovação do Santos neste sentido.

3 – Harmonia com sua vocação
O Santos nasceu para atacar, fazer, gols, ser atrevido, romper o status quo. E jovens sabem fazer isso melhor do que os “experientes”.

4 – Valorização
Os passes de garotos da base deveriam ser 100% do Santos. Ainda não são mas a porcentagem é bem maior do que destes que chegam por empresários.

5 – Risco calculado
Ao contrário de outros clubes, no Santos apostar em Meninos não é arriscar. O clube deve mais de 90% de seus títulos a várias gerações deles.

Um time para estes três jogos

Dá pra entender por que Vinicius Simon jogou duas partidas no lugar de Edu Dracena, ajudou a defesa a alcançar a façanha de não sofrer gols, e depois nunca mais foi escalado?

Você entende por que Felipe Anderson foi lançado nos últimos 20 minutos do clássico contra o São Paulo e nunca mais teve outra chance?

E Madson? Está machucado? Está afastado? O que ocorre com o jogador que foi importante no ano passado e também neste primeiro semestre?

E Anderson Planta, Renan Mota, Tiago Alves? Será que não poderiam ser lançados, um de cada vez, ainda neste Brasileiro?

O torcedor já sabe até onde pode ir o futebol de alguns que têm atuado como titulares do Santos. Ele quer ver como se sairão esses garotos, e tem o direito de exigir isso.

Um filme para imortalizar os Meninos

Esta semana a produtora Canal Azul inicia as gravações para o filme “Meninos da Vila – A Magia do Santos”, no qual divido o roteiro com Kátia Lund. E não há nada tão óbvio, quando se fala de Santos, do que lembrar suas mágicas gerações de Meninos bons de bola.

Reveja Coutinho, aos 16 anos, marcando dois gols na final do Rio-São Paulo de 1959, em que o Santos venceu o Vasco por 3 a 0, no Pacaembu.

E você, acha que chegou a hora de dar lugar aos Meninos do Santos? Dê sua opinião nos comentários e desde post e, no twitter, tecle #MENINOSJÁ!


Older posts

© 2017 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑