Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

film izle

Tag: Modesto Roma Junior

Os porquês do bairrismo

modesto roma - placar 1
modesto roma - placar 2 Revista Placar de 5 de março de 1976 mostra como pensava Modesto Roma, pai do presidente atual do Santos.

O bairrismo, por si só, não é bom ou ruim. Baseia-se na crença, ou no sentimento, de que as coisas, concretas ou abstratas, de nosso bairro, nossa cidade, nossa região, merecem tratamento superior às de outros bairros, cidades ou regiões. Ser bairrista não significa, necessariamente, odiar o que é de fora, o estrangeiro. Veja que Portugal é o país considerado o mais hospitaleiro da Europa, no entanto é assumidamente bairrista.

O bairrismo de Portugal tem sua lógica. País pequeno, com apenas 10 milhões e meio de habitantes, o quase milenar Portocale teme que sua cultura seja dominada pelos estrangeirismos. Há regras rígidas até para se batizar uma criança por lá. Nomes que não são de origem portuguesa, como Wendel, Willian, Walter, Waldemar e Vivian, entre muitos outros, são proibidos nos cartórios. O português quer preservar, a todo custo, a última flor do Lácio.

Nós, torcedores do Santos que não moramos em Santos, sentimos na pele a força do bairrismo que é alimentado há décadas por alguns grupos da cidade praiana. Que eu me lembre, o grande presidente santista Athié Jorge Cury não era bairrista. Ele levou o Santos para jogar no mundo todo, e com os dólares que trazia manteve o melhor time do mundo por muitos anos. Onde, estaria, então, a origem desse bairrismo que ainda hoje freia os sonhos de crescimento do clube?

Digo “freia” porque é um bairrismo bem diferente do que se vê em Portugal. Não se trata de preservar a cultura ou a tradição de um povo, mas sim de apenas impedir que mais pessoas contribuam para o crescimento de uma instituição que conquistou adeptos em todo o mundo e agora, à força, querem que volte à sua dimensão anterior – algo tão difícil como fazer a rolha da champanhe voltar a tampar hermeticamente a boca da garrafa.

Um amigo santista acaba de me enviar uma revista Placar de 5 de março de 1976 que pode nos dar alguma pista das origens desse sentimento exclusivista que toma conta de alguns torcedores do Alvinegro Praiano. Nessa revista, há uma matéria de cinco páginas sobre o Santos, intitulada “Os feitiços da Vila”, na qual o presidente do clube na época, o senhor Modesto Roma (São Vicente, 15 de julho de 1907 – Santos, 6 de março de 1986), pai do atual presidente, pregava que o mesmo time que conquistou o mundo deveria voltar a ser apenas de sua cidade.

O velho Roma dizia, em março de 1976, que a saída financeira para o Santos era jogar na Vila Belmiro. Porém, conforme as súmulas dos jogos daquele período, impressas no Almanaque do Santos FC, escrito por Guilherme Nascimento, o quadro que se via era o mesmíssimo do atual, com o time conquistando seus maiores públicos nos jogos na Capital Paulista, e ainda colecionando muito mais derrotas na Vila Belmiro do que em São Paulo.

É preciso lembrar, ainda, que naquela época o Urbano Caldeira não tinha camarotes, os ingressos eram mais baratos e se permitia vender entradas para se assistir aos jogos de pé. Isso podia fazer a Vila receber públicos de até 30 mil pessoas, como ocorreu em 15 de fevereiro de 1976, quando, diante de 31.662 torcedores, o Santos foi goleado pelo Palmeiras por 5 a 0. Na maior parte dos jogos no seu estádio, porém, nesse mesmo período de 1976, o público era até menor do que hoje, como diante da Portuguesa Santista (5.104 pessoas), São Bento (3.977), Botafogo (7.838) e nos amistosos contra Saad (1.173), Ponte Preta (1.438) e Marília (4.002).

Mesmo mandando todos os seus jogos na Vila, o Santos não se classificou para a fase final do Campeonato Paulista, ficando em quinto e penúltimo lugar no Grupo C, atrás de Palmeiras, Ponte Preta, América e Noroeste. Os jogos de maior público com mandos do Santos, em 1976, ocorreram no segundo semestre, durante o Campeonato Brasileiro, nas partidas contra o Internacional, no Morumbi (83.995 pessoas) e Bahia, no Pacaembu (42.233 pagantes).

modesto roma - placar - frase

Certamente, Modesto Roma, que presidiu o Santos de 1975 a 1978, queria o melhor para o clube e agiu da maneira que julgou a mais correta para mantê-lo competitivo. Entretanto, depois de um primeiro semestre desastroso, percebeu que não poderia alijar dos destinos do Santos a grande torcida santista da Capital e recorreu a ela para recuperar as finanças do Santos.

Essa visão, abrangente e universal, é a que seria a mais indicada hoje, em que o clube estuda a participação em um empreendimento milionário que exigirá um investimento que ele não tem e ao mesmo o afastará da sua maior massa de torcedores, a mesma que socorreu o Santos quando Pelé parou e a imprensa esportiva de São Paulo já apostava que o Alvinegro Praiano voltaria às suas origens humildes.

Modesto Roma - capa da Placar de 5 de marco de 1976

Felizmente, Modesto Roma, o pai, percebeu a armadilha e aprumou o Santos no caminho que o consolidou, mesmo sem Pelé e os ídolos da década de 1960, como um dos maiores e mais populares times de futebol do Brasil. O que se espera agora é que, nesse momento delicado para a vida do clube, seu filho tenha a mesma visão e sabedoria, e saiba aliar as vantagens de ter o clube sediado na tranquila e aprazível cidade de Santos, com a enorme e apaixonada massa de torcedores que conquistou no planalto.

E você, o que acha disso?

SETEMBRO É MÊS DE PROMOÇÃO NO BLOG
Compre um exemplar de Time dos Sonhos e ganhe outro de presente (ou um do Dossiê, se preferir), com dedicatórias, mais as cópias eletrônicas de Donos da Terra, Ser Santista e Pedrinho escolheu um time. Tudo isso por apenas 68 reais!
Promoção vai até 9 de outubro ou o fim do estoque!
Conheça os tempos em que o Santos reinava no futebol mundial
odir e joel
Fui o último jornalista a entrevistar Joel Camargo, para o Museu Pelé. Dias depois ele foi internado na Santa Casa de Santos e faleceu em 23 de maio de 2014, aos 67 anos. Tive a felicidade de lhe tirar um sorriso quando lembrei que ele era uma das Feras de Saldanha na Copa de 70, pois as Eliminatórias fazem parte da Copa. Titular em todos os seis jogos do Brasil nas Eliminatórias, participou da partida de maior público oficial no País: a vitória sobre o Paraguai, por 1 a 0, no Maracanã, com 183.341 pessoas. Joel nasceu em 18 de setembro, um dia depois de mim. Somos ambos virginianos, um pouco chatos, exigentes, mas justos. A promoção dos livros nesse mês é uma homenagem ao inesquecível Joel.

No mês do meu aniversário – que também é o mês de aniversário do grande Joel Camargo – pague apenas 1, leve 2 exemplares do livro Time dos Sonhos, a Bíblia do Santista, com dedicatória exclusiva, e ainda ganhe o e-book que escolher, entre os livros Donos da Terra, Ser Santista e Pedrinho escolheu um time. Receba em casa sem custo de correio. Tudo por apenas 68 reais. Mas só até 9 de outubro. Aproveite antes que acabe!
Ah, e se quiser pode trocar um exemplar de Time dos Sonhos por um do Dossiê da Unificação dos Títulos Brasileiros, é só pedir pelo e-mail blogdoodir@blogdoodir.com.br

Pelé dormindo com os livros Time dos Sonhos
Clique aqui para comprar o livro Time dos Sonhos, a Bíblia do Santista, e ganhar mais um exemplar de graça, ou um Dossiê, além da versão eletrônica do livro Donos da Terra (ou Ser Santista, ou Pedrinho escolheu um time), frete pago e dedicatória exclusiva. Tudo isso só por R$ 68,00 e ainda dá pra parcelar. Clique já!

Como o mundo vê o Santos
Por mais que, no Brasil, vivamos essa dicotomia entre o Santos de sua cidade e o Santos do país inteiro, no Exterior não há dúvida de que o Santos é olhado como uma equipe universal. Nas minhas pesquisas invariavelmente me deparo com matérias, em outras línguas, sobre os ídolos e as conquistas de nosso time. Em 29 de agosto encontrei esta, escrita por Marcelin Chamoin. Fiquei feliz de saber que ela traz trechos de meu livro “Donos da Terra” e filmes postados no Youtube pelo amigo Wesley Miranda, uma prova de que nossos trabalhos para preservar a história do Santos sempre dão algum fruto, às vezes inesperado, em algum lugar do planeta.
Clique aqui para ler o texto, em francês (dá para traduzir) de Marcelin Chamoin, sobre o Santos e Pelé.

E você, o que acha disso?


Uma noite no Conselho

Logo mais, todo santista deve se ligar no Esporte Interativo!
santos bahia esporte interativo
Clique aqui para saber como acessar o Esporte Interativo

UMA NOITE NO CONSELHO

O Conselho Deliberativo do Santos aprovou que um escritório de advocacia comece as investigações para saber se Odílio Rodrigues será processado pelo clube por gestão temerária.

Creio que tenha sido mesmo temerária, principalmente no que se refere à contratação de Leandro Damião, mas temos de ser justos. O grande prejuízo que Damião deve causar ao Santos não é responsabilidade apenas de Odílio Rodrigues.

Eu pedi a palavra e lembrei, embasado em opiniões de conselheiros advogados, como a do amigo Marcello Pagliuso, que se Modesto Roma tivesse pagado os salários atrasados logo que assumiu o cargo, Leandro Damião não teria como ganhar a causa trabalhista que poderá tirar do clube cerca de 160 milhões de reais.

Além de Damião, na passagem de uma gestão a outra o Santos perdeu Arouca, Mena e Aranha.

Portanto, concordo que a gestão de Odílio Rodrigues foi temerária, assim como foi a de Luis Álvaro Ribeiro, a de Marcelo Teixeira e está sendo a de Modesto Roma. Ou seja, nosso pobre Santos tem vivido de gestão temerária em gestão temerária. Torcemos para um time administrado temerariamente há décadas, essa é a verdade.

Abaixo-assinado contra o Santos na areninha

Além do abaixo assinado deste blog – que pode ser assinado simplesmente deixando um comentário, com número de RG, ou de sócio do Santos – um outro abaixo-assinado com o mesmo teor foi passado entre os conselheiros. A maioria dos conselheiros é contra o time jogar em tal estádio e esquecer a capital.

Robinho

Para gente que viveu bem de perto a última passagem de Robinho pelo Santos, o clube não deveria contratá-lo mais. Segundo um ex-diretor, depois de ser reserva do time da China, sem a mesma vontade de treinar dos seus companheiros, ele não está em boa forma e é um mau exemplo para os mais jovens. E 600 mil por mês, nem pensar.

Geuvânio

Houve quem lembrasse a participação de Luis Álvaro Ribeiro na recuperação de Geuvânio, que seria mandado embora do Santos pelo técnico Muricy Ramalho. O ex-presidente resolveu ficar com o jogador e hoje a venda do seu passe é que dará algum respiro às combalidas finanças do clube.

A ditadura dos jogadores

Fonte confiável garante que o time não se esforçou como devia para ganhar do Flamengo pois já havia o interesse de alguns jogadores de pressionar o técnico Dorival Junior para escalar reservas nos jogos finais do Campeonato Brasileiro. A esta fonte Dorival se justificou, dizendo que teria escalado os titulares contra o Coritiba, mas os jogadores o pressionaram para não jogar.

Cabidaço de empregos

Ao assumir, a gestão atual criticava o cabide de empregos em que o clube tinha se transformado desde o presidente Luis Álvaro Ribeiro, com cerca de 360 funcionários. Realmente, era demais para um clube que não oferece nada, além de meia entrada para se assistir ao futebol. Bem, pois hoje, após apenas um ano de gestão de Modesto Roma, o quadro de funcionários do Santos está em 450!

Crise reduzirá ainda mais o público na Vila

Empresário de Santos previu que os jogos do time na Vila Belmiro terão públicos menores do que costumam ter. Ocorre que a crise tem desempregado muita gente na cidade e o poder aquisitivo, que nunca foi alto, está ainda menor. Aí eu acrescento: e por que não marcar a estreia do Santos para o Pacaembu, que teria um público de cerca de 30 mil pessoas?

Três cargos mais importantes

Frase de um santista influente, de cabeça aberta e morador de Santos: os três cargos mais importantes em Santos, são: prefeito da cidade, presidente do Santos e provedor da Santa Casa. Eu concluo: cargos que, além de poder e bom salário, permite empregar os amigos sem exigir qualificação.

Campanha de sócios? Espere sentado

Fontes próximas ao presidente e ao Conselho Gestor confirmam que não há o menor interesse do clube de atrair mais sócios, principalmente de fora da cidade de Santos. Deixar de fazer algo óbvio para melhorar as finanças do Santos não é sinal evidente de gestão temerária?

Visitei a sub-sede de São Paulo, muito bem instalada na avenida Higienópolis, deslumbrei-me, mais uma vez, com o sorriso da Juliana, só que o telefone e o sistema para aceitar novos associados ainda não estão funcionando. Aguardemos…

Fragmentação das chapas

Os grupos de conselheiros estão se fragmentando em subgrupos e já surgem prováveis nomes para a próxima eleição. Uma coisa é certa: se os conselheiros que enxergam o óbvio e querem realmente o bem do Santos não se unirem em torno de um único candidato, a visão oportunista dos que anseiam o poder apenas para sugar o clube prevalecerá novamente.

Falastrão

A opinião de muitos conselheiros é de que o Modesto Roma fala muito e adora um holofote. Anunciar publicamente, dois anos antes de terminar o atual contrato com a Rede Globo, que o Santos assinará com o Esporte Interativo, para muitos foi um tiro no pé. Agora o Santos será ainda mais boicotado pela rede que manda no futebol brasileiro e, se não tiver o apoio de outros clubes, ficará sozinho na parada, arcando com o ônus de tal ato. Agora que o estrago foi feito, creio que não haja volta. O Santos tem de assumir o futuro contrato com o Esporte Interativo, contatar outros clubes para fazer o mesmo e trabalhar muito para não cair no ostracismo em 2016 e 2017.

Homenagem a Gilberto Mendes

Sugeri que, em sua estreia no Campeonato Paulista, o time faça um minuto de silêncio em respeito à norte de Gilberto Mendes, compositor pós-moderno de renome mundial, morador na cidade e autor da obra “Santos Football Music”.

Reserve seu lugar no Encontro do 6º aniversário do Blog do Odir
Dia 2 de fevereiro, terça-feira, das 18 às 23 horas
Murymarelo Bar – Rua Fernandes Moreira, 387, Chácara Santo Antonio, São Paulo, SP, telefone (11) 5181-3104.
Haverá venda de livros a preços promocionais, e com direito a dedicatória do autor.
Sorteio de brindes
Para confirmar sua presença apenas envie e-mail para blogdoodir@blogdoodir.com.br

E você, o que acha disso tudo?


Já são 150 milhões de preju!

Você pagou para participar do coquetel de relançamento do livro Time dos Sonhos, A Bíblia do Santista? Então seu nome estará na lista do evento deste sábado, 19 de dezembro, a partir das 15 horas, no Museu Pelé.

Atenção: você não receberá um convite formal, pelo correio. Como toda a divulgação da campanha foi feita por este blog, considere-se convidado. Qualquer dúvida, envie e-mail para odir.cunha@uol.com.br Abraço!

novo time dos sonhos

Recebi hoje a notícia de que o livro Time dos Sonhos, conhecido como A Bíblia do Santista, será impresso na terça-feira. A partir de quarta ele será enviado a todos que o compraram na campanha de crowdfunding da Kickante.

Aos que pagaram pelo coquetel e pelo bate-papo com os pesquisadores e historiadores do Santos, o evento será no próximo sábado, dia 19, a partir das 15 horas, no Museu Pelé.

O evento ocorrerá dia 19 de dezembro, sábado, a partir das 15 horas. O Museu Pelé fica na Rua São Bento, esquina com a Rua do Comércio, no prédio da antiga prefeitura, em frente à antiga Estação da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí, hoje um restaurante-escola, ao lado da Igreja Santo Antonio do Valongo. Pouco antes da rodoviária de Santos há uma placa indicando o caminho para o Museu, à esquerda. O telefone é (13) 97406-5593.

Abriremos para todos os convidados do coquetel a possibilidade de assistir às palestras dos historiadores do Santos. Os que pagaram pela palestra serão reembolsados pelo valor que deram a mais, ou poderão retirar a diferença em livros ou produtos da loja do Museu Pelé.

Confira se o seu nome está na lista dos convidados para o coquetel de relançamento do livro Time dos Sonhos:

Ademir Joaquim Teles
Anderson Guedes
Celso Luiz Colombini
Claudio Haruo Okuyama
Edilson Aparecido Oliveira
Edneide Aleixo Farias
Eugênio Nogueira
Eugenio Singer
Fábio Gaia
Fabricio Ribeiro dos Santos
Guilherme dos Santos Castilho Cunha
Guilherme Van Holthe Tanaka
Isabela Alves Jafet
Jandir Boeira
José Mauro Alvarez Martinez
Luiz Fernando de Palma
Luiz Louzada de Castro
Marcelo Covas
Marcelo Giacomo
Marcelo Guilhermino Petersen
Marco Aurélio Piovan
Marcos Queiroz
Neli Aparecida Faria
Nelson Jafet
Nilton Ramalho
Oscar Cesar Leite Junior
Rodrigo Alves Jafet
Rogério de Moraes
Romualdo Henrique Soares
Rony Uemura
Vitor Pereira

Já são 150 milhões de preju!

Leandro Damião, o maior bonde da história do Santos. Comprado fiado por Odílio Rodrigues e caloteado por Modesto Roma Junior, o jogador só deu despesas.

O caso Leandro Damião lembra o daquele sujeito remediado que compra uma Mercedes com prestações a perder de vista, mas, como seu dinheiro só dá para a entrada, não faz seguro. Então, o carro é roubado e ele fica a pé e com 200 prestações altíssimas para pagar. Segundo Rodrigo Capelo, da revista Época, o Santos, que perdeu os direitos sobre Leandro Damião, ainda terá 65 milhões de reais para pagar à Doyen, valor que é corrigido mensalmente, em euros. Com isso, este primeiro ano da gestão Modesto Roma Junior, sob o impagável slogan “o Santos é de Santos”, já alcançou 150 milhões de reais de prejuízo ao clube!

Clique aqui para ler a matéria da revista Época.

A compra de cem por cento dos direitos do atacante Leandro Damião, por R$ 42 milhões de reais!, foi um negócio extremamente temeroso praticado pelo presidente Odilio Rodrigues. As chances de dar algum retorno financeiro eram mínimas. Porém, o clube ainda poderia recuperar parte do capital investido se o atual presidente, Modesto Roma Junior, não tivesse deixado de pagar ao menos o maldito terceiro mês de atraso. Esse terceiro mês deu ao jogador o direito de entrar na Justiça Trabalhista pedindo o seu desligamento do clube, o que finalmente acabou conseguindo nesta semana.

Agora estou sabendo que a diretoria pensa em fazer aquele temido segundo amistoso contra o Barcelona a fim de usar o dinheiro para pagar o passe de Marquinhos Gabriel. Acho o rapaz um bom jogador, mas estranho essa disposição da presidência e da diretoria de pagar uma fortuna por ele. Caso o negócio seja concretizado, acho que todo sócio gostaria de ver o extrato real dessa negociação. Entretanto, quando se sabe que a atual gestão só apresentou o balancete do primeiro semestre, creio que o balancete do quarto semestre de 2015 só será entregue depois do mandato de Roma.

Enquanto isso, como o condenado à cadeira elétrica que goza sua última e lauta refeição, a direção do Santos continua fingindo que está tudo bem. Fala-se em construir um inútil estádio para 25 mil pessoas colado na Vila Belmiro – que, ampliada, caberia mais do que isso –, especula-se a compra do caríssimo e mediano Marquinhos Gabriel e já se admite a venda dos principais jogadores, como Lucas Lima, Gabriel e Geuvânio.

Para mim, além da incompetência administrativa assustadora dos últimos dirigentes do Santos, pesa o fato de virarem as costas para o mercado mais rico do Brasil, que é a cidade de São Paulo e o Interior do Estado. A visão bairrista e o imobilismo da administração Modesto Roma Junior está levando o Santos, aceleradamente, para o brejo. Se um dia a torcida santista ficar restrita apenas aos moradores da cidade de Santos e adjacências, teremos, no máximo, a sorte da Ponte Preta, que jamais ganhou um título em sua centenária existência.

Mas se é tão óbvio que, para crescer, faturar mais, ter mais visibilidade, manter-se rico e forte, o Santos precisa extrair o máximo de sua torcida no planalto, por que seus dirigentes não o fazem? Ora, porque não estão verdadeiramente preocupados com o futuro do Santos, mas sim com suas questões particulares. Em uma cidade com poucas grandes empresas, o Santos é um cabidão de empregos que não requer prática nem perfeição, apenas fazer campanha, repetir as palavras de ordem e ser amigo de alguém importante no clube. O Santos é um osso que os aproveitadores do Santos, aqueles que mais tiram do que dão ao clube, não querem largar. E usam o bairrismo para mantê-lo atrelado a práticas escusas e retrógradas, que o distanciarão cada vez mais dos melhores times do futebol.

Em 2015 o clube ainda foi bafejado pela sorte. Em 2016, pelo jeito, será preciso um milagre para mantê-lo entre os grandes do Brasil. Vamos pedir ao pastor Ricardo Oliveira e aos seus colegas religiosos que incluam o Santos em suas rezas. Se bem que, como diz minha sábia mãe, Deus faz a sua parte, mas desde que façamos a nossa.

E você, o que acha disso tudo?


Sem desculpas, presidente

Nesta quarta-feira não há nenhum jogo na capital paulista, já que o Palmeiras enfrenta o Fluminense, no Rio de Janeiro, às 19h30; o Corinthians jogará contra o Internacional, em Porto Alegre, às 22 horas; e o São Paulo só entrará em campo amanhã, contra o Chapecoense, no Morumbi, às 19h30. Portanto, era a noite ideal para o Santos se exibir no Pacaembu diante do Atlético Mineiro. Até porque esse horário das 22 horas atrapalha o santista do planalto que costuma descer a serra para ver o time na Vila Belmiro.

Como se sabe, um pedido para a mudança do jogo para o Pacaembu foi feito por cerca de 40 conselheiros santistas em tempo hábil para se fazer a alteração de local, e sem o risco da objeção da Polícia Militar. Mas o presidente do Santos, Modesto Roma, e seu staff, não quiseram, porque os conselheiros que fizeram o pedido são de uma chapa de oposição e tudo que é da oposição é rejeitado pela atual diretoria. Arrogantes e nada democráticos, preferiram manter o jogo na Vila Belmiro, onde, já se prevê, o público será pequeno.

Essa teimosia, essa visão míope e mesquinha do clube, que é tratado como se pertencesse a uma minoria regionalista, tem custado e poderá custar ainda mais caro ao Santos, que está tendo prejuízos mensais e só consegue pagar suas contas com empréstimos bancários. Como a despesa aumenta mais do que a receita, é fácil adivinhar onde isso vai dar.

No campo, o time tem tudo para vencer o Atlético, dentro ou fora do alçapão. Completo, já que Victor Ferraz e Thiago Maia estarão de volta à equipe, o Santos, que no primeiro turno empatou por 2 a 2, em Belo Horizonte, agora deve conseguir os três pontos e manter viva a luta por uma vaga no G4. Aliás, depois de rejeitar o Pacaembu e preferir a Vila, técnico e jogadores têm obrigação de compensar o prejuízo financeiro com uma boa vitória. As duas equipes têm bons ataques e se prevê um jogo bem disputado.

Santos: Vanderlei, Victor Ferraz, David Braz, Gustavo Henrique e Zeca; Thiago Maia, Renato e Lucas Lima; Marquinhos Gabriel, Gabriel e Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Júnior.

Atlético Mineiro: Victor; Patric, Leonardo Silva, Jemerson e Douglas Santos; Rafael Carioca, Josué (Dátolo ou Danilo Pires), Luan e Giovanni Augusto; Lucas Pratto e Carlos. Técnico: Levir Culpi.

Arbitragem: Héber Roberto Lopes (Fifa/SC), auxiliado por Kleber Lucio Gil (Fifa/SC) e Fabrício Vilarinho da Silva (Fifa/GO).

Para refletir: uma aula de Ricardo Oliveira

E pra você, o Santos vencerá de quanto?


Carta aberta ao presidente Modesto Roma Junior

dossie na saraiva

Atenção torcedores de Santos, Palmeiras, Cruzeiro, Fluminense, Botafogo e Bahia:

Até o Natal o blog manterá a promoção do Dossiê que unificou os títulos brasileiros!

Apenas R$ 10,00! Aproveite porque a promoção só vai até o dia 25 deste mês messsmo.

Conselheiros eleitos pela chapa Santos Vivo, em ordem de registro. Os efetivos vão até o número 64. A partir do número 65 são suplentes.

1 – JOSÉ CARLOS PERES

2 – ANTONIO CARLOS CAVACO

3 – NELI APARECIDA DE FARIA

4 – URUBATAN HELOU

5 – FABIO JOSÉ CAVANHA GAIA

6 – EUGENIO DA MOTTA SINGER

7 – FLAVIO BENATTI

8 – MARCELLO BITTENCOURT MONTEIRO FILHO

9 – NILTON MASCH

10 – ILIUCHA GARCIA VALLE

11 – ALBERTO PFEIFER FILHO

12 – NILTON RAMALHO JUNIOR

13 – MARCELO COVAS LISBOA

14 – DANIEL FERREIRA BYKOFF

15 – ALESSANDRO RODRIGUES PINTO

16 – HELIO VASCONCELLOS LOPES

17 – CLOVIS EDUARDO RUIZ CIMINO

18 – JAIRTON FLAVIO SEIXAS

19 – GILSON MARCOS TAVARES BARROS

20 – MAURICIO BARROS

21 – MARCELO MUOIO

22 – SYLVIO NOVELLI

23 – ALEX SANDRO FRANÇA BESSA

24 – ALLAN CLAUDIUS MACIEL

25 – JOSÉ LUCIANO CARVALHO

26 – OSCAR CESAR LEITE JUNIOR

27 – RACHID YOUSSEF BOURDOUKAN

28 – ANTONIO ALFREDO GLASHAN

29 – GUILHERME COELHO DE SOUZA DO NASCIMENTO

30 – NELSON JAFET

31 – ANILTON LUIZ PERÃO

32 – LEONARDO DIAS DE CARVALHO JUNIOR

33 – JOSÉ CARLOS DE OLIVEIRA

34 – ANDRÉ FERREIRA DE ABREU

35 – ANDREI SILVA

36 – MARCELLO FRANCISCO COELHO PAGLIUSO

37 – RICARDO GUISADO

38 – JAYME GARCIA DOS SANTOS

39 – ANDRE LUIS MOURA CURVO

40 – ANTONIO LUIS GALLI DOS SANTOS

41 – ARMANDO TADEU RODRIGUES DE OLIVEIRA

42 – CLAUDIO LUIZ CALDAS

43 – GERALDO ANTONIO DIAS BERNO

44 – EDILSON APARECIDO DE OLIVEIRA

45 – FRANCISCO SÉRGIO BOCAMINO RODRIGUES

46 – JOSÉ BRUNO CARBONE

47 – LUIZ FERNANDO DE PALMA

48 – LUIZ LOUZADA DE CASTRO

49 – MILTON BARBIERI

50 – ODIR CUNHA

51 – RICARDO FEIJO

52 – SERGIO FIGUEIREDO

53 – THIAGO OLIVEIRA GOMES BARBOSA

54 – VICTOR JOSÉ ZORZENON REBOUÇAS

55 – GABRIEL RIBEIRO DOS SANTOS

56 – ESLI JULIANO PEDROSO DA SILVA

57 – ANTÔNIO CARLOS TERCI

58 – EDUARDO VARJÃO DE LIMA

59 – PAULO CESAR DE OLIVEIRA COELHO

60 – PAULO DIAS GONÇALVES

61 – VITOR LUIZ PAIVA PEREIRA

62 – FABIO MARCIO TAVARES BARROS

63 – CARLOS EDUARDO GONÇALVES DA CUNHA

64 – DAVID DA SILVA REGO JUNIOR

65 – DOMINGOS PENSO SARRAF

66 – EDUARDO AUGUSTO AYRES FIGUEIREDO

67 – FERNANDO TURIANI FERNANDES

68 – SERGIO EDUARDO CORREA DE OLIVEIRA RAMOS

69 – SILVIO CAPELÃO

70 – JOÃO AMÉRICO CORREA DE OLIVEIRA RAMOS

71 – REYNALDO CUNHA JUNIOR

72 – LUIS FELIPE ROSSI

73 – IVAM JARDIM ARIENTI

74 – CELSO LUIZ COLOMBINI

75 – GUSTAVO HENRIQUE DOS SANTOS FIGUEIREDO

76 – LUCAS HENRIQUE BARROS

77 – ALEXANDRE RIBEIRO BARROS

78 – NILSON ROBERTO DE BARROS CARNEIRO

79 – RONALDO TAVARES BARROS

80 – ADRIANO LUIZ CENI RIESEMBERG

A posse dos conselheiros se dará dia 22 deste mês, próxima segunda-feira, às 20 horas, no Salão Nobre do Conselho Deliberativo do Santos Futebol Clube.

Aproveito para parabenizar os conselheiros eleitos pela chapa Santos Vivo – assim como aos eleitos pelas chapas Santos Gigante e Mar Branco – e agradecer a todos pela participação nesta eleição presidencial do Santos. Deste blog saíram 53 inscrições de conselheiros, essenciais para fortalecer a chapa Santos Vivo e a candidatura de José Carlos Peres, que por muito pouco não mudou os rumos do nosso clube.

Agora uma nova luta nos aguarda, neste blog e no Conselho do Santos – em que estaremos fiscalizando, sugerindo, trabalhando para ajudar o Santos a ultrapassar essa fase difícil em que se encontra, resultado da irresponsabilidade das últimas gestões.

Carta aberta ao presidente Modesto Roma Junior

Prezado Modesto Roma Junior. Em primeiro lugar, parabéns! Imagino como você deve estar feliz por repetir o feito de seu pai e ter a honra de presidir o nosso querido Santos Futebol Clube. Você sabe que não votei e nem não pedi votos para você, e sim para José Carlos Peres, a quem considero mais capaz para dirigir o Santos, principalmente neste momento delicado que o clube atravessa. Porém, acima de tudo, sou santista, e agora, para o bem de nosso clube, todos nós devemos colaborar, ao menos com ideias, para que você faça a melhor administração possível.

Este blog é crítico, fiscalizador, e seria assim mesmo que meu amigo José Carlos Peres tivesse sido eleito. Então, não espere afagos, mesuras e bajulações. Mas pode esperar, sim, opiniões sinceras e muitas ideias que poderão ajuda-lo a entender melhor a alma do santista e tomar as decisões certas para cada momento da vida do clube.

Aqui eu e a maioria dos leitores do blog tentamos dissuadir a diretoria de fazer aquele amistoso suicida contra o Barcelona; aqui, quando o negócio já estava sendo encaminhado, pregamos que a contratação de Leandro Damião deveria ser cancelada. Nessas duas oportunidades não fomos ouvidos, e deu no que deu. Espero que você seja mais democrático, pois, pelo que lembro de nossas conversas, é uma de suas características mais nobres.

Peço-lhe que analise as propostas dos outros candidatos e, humildemente, adote as melhores. Peres, por exemplo, defende que o sócio do Santos pague menos à medida que more mais distante de Santos e São Paulo. Isso é óbvio. Como um associado que resida a milhares de quilômetros da Vila Belmiro, ou do Pacaembu, poderá usar o maior benefício que o clube lhe proporciona, que é pagar meia entrada em um jogo do Santos?

Portanto, adote, como o Internacional já faz com grande sucesso, o preço escalonado para os títulos do Santos. Isso aumentará sobremaneira o número de sócios e o faturamento do clube. Outro detalhe essencial é a aproximação com os sócios de São Paulo e de outras regiões. Não é porque você foi eleito com os votos dos santistas de Santos, que vai administrar o clube pensando apenas na sua cidade. Isso seria um erro que diminuiria as possibilidades do clube em todos as áreas, a começar pelo marketing. Isso será a fórmula ideal para o Santos Anão que ninguém quer.

Sem uma boa média de público não se consegue atrair grandes patrocinadores e muito menos criar condições para um bom acordo com a TV. Por falar nisso, acerque-se de dados e informações precisas para quando for negociar com a Globo. Ponha um verdadeiro dossiê embaixo do braço, comprovando a força da torcida nacional do Santos, seu poder aquisitivo e a audiência que ela tem proporcionado. Não confie na sua oratória, ou em sua capacidade de improvisação, evite cometer os mesmos erros da administração que o antecedeu.

Não falei ainda com José Carlos Peres depois da eleição, apenas trocamos e-mails, mas tomo a liberdade de sugerir a você, Roma, que converse com o Peres sobre o melhor caminho para a negociação da dívida do Santos e, principalmente, para os contatos com os presidentes dos outros clubes a fim de se criar a tão esperada Liga Nacional e alterar a Lei Pelé de forma que ela proteja mais o clube formador de jogadores. Isso é essencial para o crescimento do Santos.

Converse, também, sobre o plano de se criar uma rede de olheiros espalhada pelo Brasil, e de um grupo de inteligência para monitorar a carreira de milhares de jogadores, a fim de evitar, por exemplo, que se gaste dezenas de milhões na contratação de um atacante que bate de canela e tem um problema no quadril. Não dá mais para confiar nos contatos dos mesmos empresários de sempre, que gastam mais do que devem com jogadores que estão longe de serem considerados craques. Evite essa armadilha.

Não permita que o futebol seja dirigido pelos jogadores. Eles são funcionários do clube. Jamais podem decidir onde o Santos vai jogar, por exemplo. A insistência em jogar na Vila impediu que alguns milhões de reais entrassem nos cofres do Santos – dinheiro que neste momento seria vital para amenizar a crise financeira que aflige o Santos.

Tenha sabedoria para governar, meu caro Modesto, pois desta vez o Conselho não estará na mão do presidente. Ele será dividido entre a sua chapa, a de José Carlos Peres e a de Fernando Silva. Você não teve nem 30% dos votos. Portanto, a grande maioria dos santistas acompanhará suas primeiras decisões com precaução e pouca tolerância. Pense sempre no universo de torcedores santistas e não apenas naqueles que vivem na Vila Belmiro e adjacências. O Santos é universal, você sabe.

Enfim, você foi eleito, mas agora vem a parte mais difícil, que é governar. Pelo panorama atual, com grande poder para a oposição, se você não se abrir ao diálogo, ao entendimento, não chegará a lugar algum. Mais do que ninguém você sabe que o santista é exigente e, às vezes, cruel. Os últimos três presidentes – Marcelo Teixeira, Luis Álvaro Ribeiro e Odílio Rodrigues – deixaram o cargo enxotados, escorraçados. Estou certo de que você não quer entrar para a história do Santos como mais um líder que fez o clube andar para trás, ou marcou passo. Pense realmente gigante, meu caro.

Passados os calores e os debates eleitorais, estamos todos no mesmo barco. O seu sucesso como presidente será o sucesso do time, do clube, de todos nós. Por meios e fins de semana felizes, queremos que você acerte. A começar pela montagem de sua equipe de trabalho. Escolha pessoas que não vão comprometer a sua administração, acerque-se de gente honesta e competente que, efetivamente, trabalhe pelo clube e tenha seus atos movidos pela transparência. Não corra riscos desnecessários. O que seus comandados fizerem, respingará em você.

Por fim, tente transformar as críticas, mesmo aparentemente destrutivas, em conselhos úteis para construir um Santos do tamanho que a gente sabe que ele deve ter. Um Santos que não tenha limites geográficos para sua grandeza. Boa sorte, Modesto Roma!

E você, que sugestão pode dar ao novo presidente do Santos?


© 2017 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑