Desfalques provocados pela final da Libertadores e pelas convocações para a Copa América e o Mundial Sub-20 tornam quase impossível que os santistas repitam esta festa ao final do Brasileiro.

Não me lembro mais qual leitor amigo deste blog deu a idéia, se foi o Mozart ou o Khayat, e nem sei se foi meio na gozação, mas que não seria inviável declarar o Santos hors concours neste Campeonato Brasileiro, não seria mesmo.

Punido pela competência, o Alvinegro Praiano, único time a prosseguir representando o País Copa Libertadores, já teve de utilizar reservas em quatro jogos do Brasileiro. Agora, perderá Neymar, Ganso e Elano para a Seleção que disputará a Copa América e Danilo, Alex Sandro, Alan Patrick e Felipe Anderson para a equipe que jogará o Mundial Sub-20.

Como a Copa América será realizada de 1º a 24 de julho e o Mundial Sub-20 de 29 de julho a 20 de agosto, só mesmo daqui a mais de dois meses o Santos poderá contar com todos os seus titulares e principais reservas. Como esperar que o time, que em quatro rodadas já está a sete pontos do líder, ainda consiga lutar pelo título?

Eu diria que é humanamente impossível sair dessa fase de tantos desfalques e ainda brigar pela ponta do Brasileiro. Nenhum time conseguiu isso antes, por melhor e mais numeroso elenco que tivesse.

Alguns, como o Fluminense, em 2008, saíram de um quase título na Libertadores para um quase rebaixamento no Brasileiro. O técnico Renato Gaúcho deu tamanha prioridade para a competição sul-americana, que depois o time só se livrou da segunda divisão nas últimas rodadas do campeonato nacional.

Sugestões de vantagens ao hors concours

Considerando-se que um time brasileiro que disputa a final da Libertadores está contribuindo para o fortalecimento da imagem internacional do futebol brasileiro, com reflexos positivos para todo o mercado deste esporte no País; considerando que o time que fornece mais jogadores às seleções brasileiras principal e sub-20 também está dando uma cota maior de apoio a este futebol, por que puni-lo, se é possível premia-lo?

Como premiar a este verdadeiro herói nacional? Não sei ao certo e coloco a questão para ser discutida pelos amigos. Seria justo que uma equipe nessas circunstâncias ficasse, ao menos nesta temporada, livre do rebaixamento? Ou que tivesse um prazo maior e pudesse inscrever mais jogadores?

Não sei. Os adversários também não podem ser prejudicados com muitos adiamentos, claro. Mas não é justo que a equipe que mais contribui para o orgulho do futebol brasileiro no primeiro semestre, passe o segundo lutando para não cair para a Série B.

Competições nestas circunstâncias merecem o asterisco

Entre o segundo semestre de 1961 e o final de 1963 o Santos conquistou nove títulos oficiais consecutivos, em uma proeza jamais igualada – pela quantidade de jogos e qualidade dos adversários.

Nesses dois anos e meio foi duas vezes campeão paulista, brasileiro, bicampeão da Libertadores e bicampeão Mundial. De quebra, ganhou o Rio-São Paulo de 1963 (em 1962 ele não foi disputado).

Porém, quando teve de voltar ao Paulista de 1963, o elenco estava tão exausto que o técnico Lula deu férias para vários jogadores mesmo com a competição em andamento.

Hoje os jogos são mais numerosos e mais corridos, o esforço físico é maior, há mais choques e mais contusões. É preciso criar normas que protejam os times mis bem-sucedidos, os que vão mais longe nas competições, pois são justamente eles que se desgastam mais.

Neste ano os dados já estão lançados e é improvável que façam alguma coisa – ainda mais diante da reconhecida má vontade das entidades que dirigem o esporte e do interesse de parte da mídia de destacar outros times que vivem fases obscuras. Porém, para o futuro, seria importante analisar melhor esta questão.

Enquanto não se faz nada, sugiro que ao menos ao final deste Campeonato Brasileiro de 2011, a turma que adora asteriscos não esqueça de colocar algum para lembrar que o Santos jogou metade da competição com um time misto, devido ao fato de ser o único brasileiro nas finais da Copa Libertadores e de ceder três jogadores para a Copa América e quatro para o Mundial Sub-20.

O que você acha que deve ser feito para evitar que os times mais competentes sejam punidos? Gostou de alguma ideia sugerida neste post?