1 – O Barcelona é um grande time, porém mesquinho. Ele quer ficar com a bola o tempo todo, mas faz de tudo para impedir que o adversário jogue. Ontem, mesmo com 71% de posse de bola, foi o time mais faltoso. Na verdade, a equipe de Pep Guardiola, longe de ser um primor de fair play, como o Santos de Pelé, usa a falta como recurso. Sempre que perdia a bola no ataque, fazia a falta logo no lance seguinte, principalmente para impedir o contra-ataque santista. Além de Piqué e Mascherano, Keita também merecia o cartão amarelo.

2 – O fato de ter ficado muito tempo sem jogar uma partida com a obrigação da vitória, e a admiração declarada do técnico Muricy Ramalho e de muitos jogadores do Santos pelo Barcelona, deram ao jogo um caráter amistoso. Mesmo sendo uma partida que poderia ser uma das mais importantes na história do clube, os santistas foram bonzinhos demais com o adversário, mal cometendo faltas e com isso permitindo que tocassem a bola com mais facilidade.

3 – Neymar deve ter percebido que elogiar os zagueiros Piqué e Puyol, antes do jogo, não impediu que estes mostrassem suas garras quando a bola rolou. Piqué fez falta proposital em Neymar para impedir que este partisse, livre, para o gol, aos 38 minutos do primeiro tempo (um gol santista ali diminuiria a vantagem para 2 a 1). E Puyol, em duas vezes que subiu para cabecear, machucou Danilo e Borges, acertando mais a cabeça dos santistas do que a bola.

4 – Comparar Messi e Neymar após um jogo desses é extremamente injusto. É só trocar os times e imaginar Messi no ataque do Santos, isolado, cercado por três adversários, sem ter com quem tabelar, e Neymar rodeado de jogadores tão habilidosos e inteligentes quanto ele. É claro que o Menino de Ouro se destacaria mais. Messi não precisa decidir o jogo para o Barcelona, ao contrário do que Neymar tem feito no Santos.

5 – Messi tem o corpo de um ginasta: é extremamente baixo (menos de 1,70m) e troncudo. Proporcionalmente, a bola é maior para ele e, naturalmente, mais fácil de controlar. Seu centro de gravidade, mais próximo do solo, lhe dá um equilíbrio muito maior do que o de jogadores mais altos. Isso, explica sua facilidade para correr com a bola rente aos pés e cair pouco. Assim, em que pese seu talento, Messi é uma trapaça da natureza. Além de ser super energético, como um mussaranho.

6 – Se o Barcelona, reconhecidamente o melhor time do mundo, cultiva a posse de bola desde as categorias de base, será que o Santos, que se orgulha de seu DNA ofensivo, também não deveria voltar sua filosofia de jogo para o ataque? Se a resposta é SIM, cabe a pergunta: será Muricy Ramalho o técnico ideal para fazer o time do Santos jogar conforme sua predestinação genética? Por mais que eu goste de Muricy e o considere o maior responsável pelo título da Libertadores, acho que não. Sua filosofia tática se baseia na defesa, que para ele é o melhor ataque. Porém, ao se olhar o mercado, percebe-se que no Brasil todos os técnicos são defensivistas. Seria o caso de se buscar alguém de fora?

7 – Por mais que o Barcelona seja superior a todos os times do mundo, o fato é que o Santos teve um semestre para se preparar para este jogo, que perdeu por 4 a 0, pouco tocou na bola, e poderia ter perdido por mais. Assim, é evidente que além do mérito do adversário, houve o demérito do Santos. Não seria agora o momento ideal para se fazer uma análise do que deu errado e tentar corrigir para o futuro? Se há um momento para se trocar pessoas e metodologias, não é o começo de uma temporada?

8 – O torcedor do Santos diz, desde os tempos do técnico Dorival Junior, no primeiro semestre de 2010, que o problema do time é a defesa. Analistas de jornais espanhóis escreveram o mesmo, que também foi constatado pelos observadores do Barcelona. O jogo de ontem confirmou que o sistema defensivo do Santos é um caos e foi vencido com facilidade pelo ataque do Barcelona . Então, por que não se aproveita o Campeonato Paulista, no começo do ano, para testar uma defesa diferente, mais ágil e jovem? É possível acreditar que dá para vencer o Barcelona, em uma hipotética final do Mundial de 2012, com esta mesma defesa que jogou ontem?

9 – A vitória na Libertadores deu aos heróis santistas lugar cativo no time que jogaria o Mundial. Foi como se durante o segundo semestre de 2011 o torcedor tivesse de engolir a má fase de uns e a má vontade de outros, à espera do grande momento que compensaria tudo. Mas agora, que muitos desses jogadores fracassaram espetacularmente na tentativa de buscar a terceira estrela, não é o momento de rever quem deve continuar e quem deve sair do Santos? Não é o momento de se pensar em montar um time mais forte, mais rápido, mais ofensivo e mais motivado?

10 – Enquanto o Santos abriu mão do Campeonato Brasileiro para descansar o time e só pensar no Mundial, o Barcelona viajou para o Japão depois de jogar completo um clássico efervescente contra o seu maior rival, o Real Madrid. E ainda no Japão perdeu David Villa, com a perna fraturada. No entanto, quando enfrentaram o Santos, parecia que os jogadores do Barcelona é que estavam descansados. Será que em 2012, mesmo que o Santos volte a conquistar a Libertadores, valerá a pena poupar os titulares no Campeonato Brasileiro?

11 – Perder, e de goleada, uma final de Mundial, não é o fim da história. Sinto que hoje todo mundo está falando do jogo de ontem, do Barcelona e sua incrível posse de bola, e do pobre Santos, que não conseguiu jogar. Até mulheres que nunca assistiram a uma partida de futebol estão falando nisso. O jogo criou uma expectativa sobre o Barcelona, mas também sobre o Santos. Se souber dar a volta por cima, o Alvinegro Praiano transformará a tristeza de ontem em muitas alegrias e atrairá a simpatia de muitos novos torcedores. O que não pode, agora, é baixar a cabeça.

E você, o que acha? Tem mais constatações a fazer?