Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

film izle

Tag: Pesquisa de torcidas de futebol

Voluntários para Pesquisa

Meus amigos, uma pesquisa que chega à conclusão de que a torcida de um time carioca é igual à do Santos no centro de São Paulo no mínimo está de sacanagem com a imensa torcida santista. Mas, como os idiotas da objetividade acham que os números podem provar tudo, até as maiores besteiras do universo, não adianta discutir com eles. O melhor e a única solução verdadeira é fazer a nossa própria pesquisa.

Isso de ouvir 100, 200 pessoas, a gente faz em uma tarde, ou manhã. Só preciso de uns voluntários que, de preferência, morem próximos a Santo Amaro. Não há pagamento em pecúnia, mas divulgarei os nomes das almas bondosas que participarão do evento aqui no blog e darei um exemplar do Time dos Sonhos, ou do Dossiê, para cada um. Vamos fazer história garotada!

A ideia é realizar a pesquisa em um dia da semana que vem. Os interessados devem enviar e-mail para blogdoodir@blogdoodir.com.br

Liquidação Total dos livros em 60 dias de aniversário!

Como prometi, este blog comemorará o aniversário de 105 anos do nosso amado Santos Futebol Clube nos meses de março e abril. E nessa comemoração, para tornar a rica história santista mais acessível a todos, reduzi ainda mais os preços dos livros oferecidos na livraria do blog e ainda mantive o frete grátis e a dedicatória, claro.

Confira os novos preços e entre na livraria para comprar para você ou para os amigos santistas, ou quase. Divulgar a história é uma forma de manter o carisma, a cultura e a visibilidade do Santos.

Veja só como os livros ficaram baratos (e todos com frete grátis)

Dossiê Unificação dos títulos brasileiros
Por 39 reais um exemplar, ou 69 reais dois exemplares
Time dos Sonhos
Por 39 reais um exemplar, ou 69 reais dois exemplares
Sonhos mais que possíveis
Por 14 reais o exemplar
Dinheiro, é possível ser feliz sem ele
Por 23 reais um exemplar, ou 35 reais dois exemplares

A promoção vai até 30 de abril, ou até acabar o estoque.

—— Para entrar na livraria, tecle aqui ——
ou entre na sala Comprar Livros, anunciada no alto desta página.

E você, o que acha disso?


Pesquisa do Lance diz que até recém-nascidos torcem por um time

Lance no lixo

O Jornal Lance está divulgando uma pesquisa dizendo que todo brasileiro torce por um time, mesmo os recém-nascidos. Foram ouvidas apenas sete mil pessoas de não se sabe quantas cidades. O resultado é de um empirismo total, já que a margem de erro é de imensos 1% para cima ou para baixo, o que pode mudar a posição anunciada de todos os times a partir do terceiro colocado.

O Santos mais uma vez foi prejudicado, com sua torcida colocada em décimo lugar, atrás de clubes regionais como os dois do Rio Grande do Sul e os dois de Minas Gerais. Por aí já se percebe que a pesquisa não teve a abrangência que deveria ter. De qualquer forma, a margem de erro (1%) pode colocar o Alvinegro Praiano em quinto lugar, à frente do Vasco, posição que seria mais condizente com a realidade do futebol brasileiro.

O primeiro absurdo é não levar em conta que cerca de 40% dos brasileiros não torcem para time algum, porcentagem que aumenta a cada ano. Para a pesquisa, todos os brasileiros têm um time, até mesmo os recém-nascidos. Diz a matéria do Lance: “Como em todas as outras edições da pesquisa, o Flamengo lidera o ranking. Desta vez tem 16,2% de preferência, o que equivale a 32,5 milhões de rubro-negros no país, tendo como base a estimativa do IBGE de 2013, cuja população brasileira é de 201 milhões de pessoas”.

Confira a matéria do jornal Lance sobre a “pesquisa”

Se esta pesquisa estiver correta, ao menos com relação aos índices de Flamengo e Corinthians, então o Flamengo tem 19,4 milhões de torcedores, e o Corinthians 16,3 milhões, já que no máximo 60% dos brasileiros, ou 120 milhões, torcem por um time. Pesquisas comprovam que 40% dos brasileiros não torcem para time algum. Portanto, fica mais do que evidente que essa história de 40, 30 milhões é uma balela alimentada pela mídia.

Quer dizer que pegaram a população do Brasil, simplesmente calcularam 16,2% dela, incluindo bebês, idosos, todas as mulheres, estrangeiros, homossexuais, religiosos… e chegaram ao total da torcida do Flamengo? Então, é só nascer no Brasil e já ter um time? Brincadeira… E querem que o torcedor, o leitor do Lance, leve essa pesquisa a sério? Nem que fosse um idiota completo.

Outra informação do Lance sobre a pesquisa diz que “além disso, este estudo ganha relevância por ser realizada (sic) com jovens entre 10 e 15 anos, o que não ocorre em outras pesquisas. Dessa forma, o Lance! Ibope indica as tendências de crescimento e queda das maiores torcidas do país.”

Aqui o texto é confuso. A pesquisa toda foi realizada com jovens de 10 a 15 anos, ou eles também foram ouvidos? E quantos deles foram ouvidos e de que cidades do Brasil? Isso não se diz. É estranho o Santos não estar muito bem colocado entre os jovens, pois o time comandado por Neymar e Paulo Henrique Ganso passou três anos ganhando no mínimo dois títulos por ano, entre eles uma Libertadores, enquanto o Atlético/MG ganhou uma Libertadores e já pulou seis posições?

Neste link abaixo há mais informações sobre a pesquisa e a possibilidade de comentá-la. Ela diz que na faixa etária de 55 anos para cima o Santos é o quarto, atrás de Flamengo, Corinthians e São Paulo. Até aí, repete exatamente o que vemos na Timemania. Mas na faixa de 10 a 15 anos a pesquisa coloca o Santos no décimo-quinto lugar, atrás de Bahia e Vitória, empatados em sétimo; Sport, em décimo, e Santa Cruz, em décimo-quarto. Pela pesquisa, o Santos tem apenas 440 mil jovens de 10 a 15 anos torcendo por ele em todo o País. Pelo jeito, um dos motivos para aumentar a torcida entre os adolescentes é deixar o time cair para a Segunda, ou Terceira Divisão. Ser gozado pelos colegas na escola faz aumentar a torcida. Outra estranha curiosidade é que aparecem dois times de Pernambuco na frente do Santos. Pergunta-se: que peso deve ter sido dado à população de Pernambuco, sabendo que Recife tem uma população de 1.599.513 pessoas, menor do que a Baixada Santista.
Mais informações sobre a “pesquisa” do Lance

Há menos de uma semana citei Émerson Gonçalves, estudioso do marketing esportivo e dono do blog “Olhar Crônico Esportivo”. Ao analisar os resultados da pesquisa muito mais abrangente da Pluri Stochos do ano passado, ele escreveu:

“Muito provavelmente, a presença da torcida do Santos na sexta colocação é um dos primeiros sinais da fase Robinho/Diego. Ainda é prematuro falar em efeito Neymar, uma vez que o universo pesquisado foi o de brasileiros com 16 anos e mais de idade. O crescimento da torcida provocado pelo atleta começará a aparecer nas pesquisas em 2015 ou 2016, sempre considerando o mesmo universo etário dessa pesquisa. Caso o Ibope realize nova pesquisa nacional considerando o público de 10 anos e mais de idade, acredito que o resultado de Neymar já seria visível nesse ano mesmo.”

Como se vê, o analista previa o crescimento da torcida do Santos entre os mais jovens, e o Lance vem com essa pesquisa dizendo que a torcida do Santos caiu de sexto para décimo? É difícil acreditar. A não ser que a margem de erro funcione 100%. Ou seja: o Santos não tenha 2,4% do total, e sim 1% a mais, ou 3,4%, enquanto o Vasco, quinto colocado, não tenha 3,6% e sim 2,6%. Isso deixaria o Alvinegro Praiano em quinto lugar, atrás apenas de Flamengo, Corinthians, São Paulo e Palmeiras, o que seria bem mais plausível.

As cidades em que essas pesquisas são feitas também são muito importantes para o resultado final, pois as capitais, sempre ouvidas, são os maiores redutos dos times locais (Grêmio, Inter, Cruzeiro, Atlético/MG), mas a Baixada Santista, região em que o Santos tem a maioria dos torcedores, nunca é ouvida. E tem mais habitantes do que Porto Alegre. Por aí se vê que o furo é grande.

Porto Alegre tem 1.467.823 habitantes e Belo Horizonte tem 2.479.175. São os redutos dos times grandes desses Estados. Okay. Mas o Santos não é um time de capital. Seu reduto, a região onde tem um percentual maior de torcedores é a Baixada Santista, que possui 1.765.277 habitantes. Não consultar as cidades da Baixada e consultar Porto Alegre e Belo Horizonte já deixa o Santos em grande desvantagem.

O que eu quero dizer é que uma pesquisa de torcidas no Brasil não pode ser concentrada apenas nas capitais dos Estados, pois a conta não fecha. Tudo bem que o Santos tenha muitos torcedores em São Paulo, mas para efeito de torcida sua capital é a Baixada Santista e esta região tem de ser consultada em toda pesquisa de torcidas no País, só que ela não é consultada nunca. É como se tirassem Porto Alegre dos gaúchos, Belo Horizonte dos mineiros, São Paulo dos times grandes do Estado e o Rio de Janeiro dos clubes cariocas. Todos eles perderiam muito. É o que ocorre com o Santos pelo fato de a cidade de Santos e a região da Baixada Santista, estranhamente, não entrarem nas pesquisas. E só na Baixada moram 500 mil santistas.

Baixada Santista, nove cidades que, somadas, têm mais do que a população de Porto Alegre. Aqui a torcida do Santos reina. Só que nunca é ouvida nas pesquisas de torcidas de futebol. Por que será?

O engraçado é que nenhuma enquete que vejo entre jovens torcedores coloca o Santos abaixo de sexto lugar no País. Agora mesmo entrei no IG e lá estava o ranking da torcida virtual, com o Santos em sexto lugar, com mais de 8.000 votos, número superior ao total de pessoas consultadas na pesquisa do Lance. Enfim, mais uma pesquisa furada, sem critério nem abrangência.

Porém, de nada adianta brigarmos para que essas pesquisas de torcida sejam bem feitas e retratem a verdade do tamanho das torcidas de futebol do Brasil, se o santista não der demonstrações de grandeza. Por isso, volto a convocar os santistas e os blogueiros do Santos em particular, para divulgarmos o jogo que o time fará no Pacaembu, dia 6 de setembro, sábado, às 18h30, contra o Vitória. A partida encerrará o turno. Não vale nada em especial, mas seria legal se os santistas comparecessem em grande número ao Pacaembu mais uma vez. Para incentivar o time e calar a boca de alguns gênios do achismo.

E você, o que achou dessa pesquisa do Lance?


Como transformar a Timemania em pesquisa científica

Timemania - 1

Digo e repito que a Timemania não pode ser negligenciada como indicador de torcidas de futebol no Brasil. O fato de dar ao apostador a opção de escolher o seu “time do coração” faz com que ela se torne a enquete mais abrangente sobre torcidas já feita no País.

Mas não é pesquisa científica, protestam os pragmáticos sistemáticos. E eu concordo. Realmente, é uma enquete que jamais pode ser desprezada, mas não é pesquisa científica. Por isso, neste post, que ofereço aos pesquisadores do Brasil, estagiários, estudantes, desempregados e à própria Caixa Econômica Federal, dou a fórmula, simples, de se transformar a Timemania em pesquisa científica.

Antes de divulgar a “Fórmula Odiriana para transformar a Timemania em Pesquisa Científica’, explicarei porque não se pode desperdiçar a abrangência nacional de uma enquete como esta.

Muitos já disseram que a única maneira de se fazer uma pesquisa fidedigna sobre torcidas de futebol no Brasil, precavendo-se das armadilhas do método científico por amostragem, seria incluir no censo populacional a pergunta sobre um único time de preferência de cada cidadão ou cidadã brasileiros. Só assim saberíamos exatamente o time para o qual cada brasileiro torce, e saberíamos também quantos não torcem para time nenhum. Como isso não foi feito e nem sequer é cogitado, a Timemania é a única oportunidade de se atingir uma abrangência maior, próxima de um censo.

Tenho dito que a Timemania é apostada em 65% das cidades brasileiras, mas descobri que estou sendo muito modesto. Informação da Caixa Econômica Federal de maio de 2008 dizia que havia 8.870 casas lotéricas em 3.499 cidades brasileiras. Como o Brasil tem 5.565 cidades, isso queria dizer que 62,8% dos municípios do País tinham casas lotéricas. Muito bem…
Quantas cidades tinham casas lotéricas em maio de 2008

Informação mais recente, provinda da Caixa em maio de 2014, diz que havia 13.076 casas lotéricas no Brasil, portanto 49% a mais do que em 2008. A matéria não informa quantas cidades a mais passaram a ter lotéricas desde maio de 2008, mas é natural esperar que destas 4.200 casas lotéricas abertas nos últimos seis anos, a metade, ou no mínimo um quarto, tenham como endereço as mais de duas mil cidades brasileiras que não possuíam casas da Caixa Econômica Federal – que, é bom lembrar, são um ótimo negócio, pois funcionam como agências bancárias.
Número de casas lotéricas aumentou quase 50% em seis anos

Então, não seria nenhum exagero imaginar que, hoje, no mínimo 80% das cidades brasileiras têm casas lotéricas e, conseqüentemente, recebem pessoas que anotam o seu “time do coração” na Timemania. Isso é uma quantidade espantosa, inalcançável para qualquer instituto de pesquisa.

Outro detalhe impressionante é que apesar de um número de apostas cada vez maior, a porcentagem de votos em cada time do pelotão de frente não se altera substancialmente de um ano para outro, assim como a posição de cada um dos dez mais votados. Isso prova que é consistência na enquete, ao contrário de outras pesquisas que apresentam resultados disparatados mesmo quando realizadas em intervalos menores de tempo.

Só para dar uma idéia do crescimento no número das apostas, lembro que o Flamengo terminou o ano de 2010 como o time mais votado da Timemania, com 3.848.273 votos. Agora, sua contagem parcial em 2014 já chegou a 6.468.142 votos. O Palmeiras, quinto colocado neste ano de 2014, já tem mais votos do que o Flamengo teve ao final de 2010. E se a porcentagem do rubro-negro em 2010 era de 6,38%, hoje é de 5,07%, apenas 1,31% menos.

Nesses quatro anos e meio a classificação dos dez primeiros pouco foi alterada. Flamengo e Corinthians continuam primeiro e segundo, respectivamente. O Santos era o terceiro em 2010 e o São Paulo, o quarto, hoje trocaram de posições. O Grêmio era o quinto e o Palmeiras, sexto, e também trocaram de posições. Internacional, sétimo, e Vasco da Gama, oitavo, continuam nas mesmas colocações. O Botafogo era o nono e o Cruzeiro, o décimo, e trocaram de posições.
Cheque os resultados e número de apostas na Timemania

E note que de lá para cá foram feitas cerca de 480 milhões de apostas, em milhares de cidades diferentes, por milhares (ou milhões) de pessoas que escolheram seus times dentre 80 times diferentes. Qual seria a possibilidade matemática de que os 10 mais votados continuassem os mesmos desde o início de 2010 até hoje, sabendo-se ainda que a cada ano a contagem é zerada?

Enfim, é evidente que essa abrangência da Timemania precisa ser aproveitada como pesquisa. E como fazer isso? Simples. Depurando os resultados da própria Timemania. É preciso saber quantas apostas cada apostador faz, em média; qual a porcentagem de apostadores que escolhem o seu próprio time como “time do coração” e qual a porcentagem de apostadores que deixam esse encargo para a “surpresinha”. Sabendo-se isso, teremos mais de um milhão de votos “válidos” a cada teste.

Além dessas informações básicas, seria interessante, também, saber a idade do entrevistado, o que serviria para definir as faixas etárias que mais apostam na Timemania. Nem vou incluir a pergunta sobre sexo, pois presumo que o entrevistador consiga distinguir o dito cujo de cada entrevistado sem precisar perguntar. E as cidades das lotéricas serviriam como indicativos de lugar.

Perguntas a serem feitas ao apostador da Timemania

Qual a sua idade?

Quantas apostas você costuma fazer em um teste da Timemania?

Que time você anota como “time do coração”:
( ) O time para qual você torce
( ) Um time qualquer
( ) Deixa a escolha para a surpresinha

Pois bem.A pesquisa é esta. Tem de ser simples, direta, de forma que todos entendam. Com ela saberíamos quantas pessoas efetivamente apostam em cada teste, pois suprimiríamos os volantes dobrados. Saberíamos também quantos votam aleatoriamente e quantos escolhem realmente o time para o qual torcem. Esses dados tabulados com os resultados de cada teste da Timemania seriam suficientes para nos fornecer uma pesquisa ampla e fidedigna.

Quem pode fazer isso? A própria Caixa, ou, o que é mais provável, grupos de estudantes que se proponham a fazer as perguntas nas lotéricas de sua cidade. Garanto que cada entrevista não durará mais do que um minuto. Com alguns grupos de entrevistadores espalhados pelo Brasil, teríamos a melhor pesquisa de torcidas – dentro da faixa etária da Timemania – que já se fez no País.

Se mesmo pesquisas que ouviram duas, três mil pessoas, já devem ser consideradas científicas, então bastaria ouvir 100 apostadores da Timemania em 20 ou 30 cidades brasileiras, espalhadas pelas cinco regiões do País, para termos uma amostragem que, cruzada com as informações dos testes da Timemania, daria uma ideia precisa do volume das maiores torcidas de futebol no Brasil.

O blog está aberto para receber os resultados e divulgá-los, assim como divulgar o nome dos entrevistadores e do professor responsável. Não se perderia muito tempo e poderíamos contribuir para transformar a Timemania em uma pesquisa consistente. O que acham?

E você, não acha possível transformar a Timemania em pesquisa científica?


Santos tem a quarta torcida nos mercados mais ricos do Brasil


Que criança não quer bater uma bola com Neymar, o craque do Santos?

Se as pesquisas de torcidas de futebol têm, entre seus objetivos, o de direcionar o investimento de empresas patrocinadoras no mercado esportivo, então o poder aquisitivo dessas torcidas e a região geográfica na qual elas se encontram no Brasil são dados essenciais, que nunca deveriam ser negligenciados pelos marqueteiros.

Chamo a atenção para o fato de que os três mercados mais ricos do País são a capital e o Interior do Estado de São Paulo e o Estado do Rio de Janeiro. Como seriam as divisões das torcidas nesses mercados?

Em primeiro lugar, não se discute a superioridade de momento das massas torcedoras de Flamengo, Corinthians e São Paulo. As três superam as de santistas. Porém, comprovo, com fatos e argumentos, que o Santos tem mais torcedores do que Vasco e Palmeiras nestes três mercados.

Comecemos pelo Rio. Lá, segundo pesquisa da Pluri Consultoria de janeiro de 2012, o Vasco tem 15,63% dos torcedores, o que significa 2,5 milhões da população total do Estado, que é de 16 milhões de pessoas. É claro que nem todos gostam ou acompanham o futebol, mas, por falta de pesquisas mais detalhadas, fiquemos com o número cheio.

Ok, o Vasco tem 2,5 milhões de torcedores no Rio. Quantos teriam Palmeiras e Santos? Não sabemos ao certo. Sei que o Rio de Janeiro é a quinta cidade que mais acessa este blog, mas isso não prova que todos que acessam são santistas. Então, diremos que o número de santistas e palmeirenses no Rio seja insignificante e, como não queremos chutar, fiquemos apenas com a informação de que no Rio o Vasco tem 2,5 milhões de torcedores.

Na cidade de São Paulo, segundo pesquisa da Stochos Sports & Entertainment, o Santos tem 7,74% dos torcedores, enquanto o Palmeiras tem 13,5%. A mesma Stochos Sports pesquisou também no Interior de São Paulo e chegou à conclusão de que o Santos tem 14,2% da torcida interiorana, contra 11% do Palmeiras. Tanto na capital como no interior de São Paulo o número de vascaínos é insignificante e, como ocorreu no Rio com Santos e Palmeiras, não serão levados em conta.

Se a capital de São Paulo tem 11 milhões de habitantes e o Santos tem a preferência de 7,4% de seus torcedores, então o montante de santistas na cidade é 814 mil. E se o Palmeiras tem 13,5%, isso quer dizer que há 1,485 milhão de palmeirenses na metrópole paulistana.

O rico Interior paulista tem 30 milhões de habitantes, dos quais 14,2% são santistas, o que dá 4,260 milhões. O Palmeiras tem 11% do total, ou 3,300 milhões. Somando-se capital e interior paulistas, o Santos tem 5,074 milhões de torcedores no Estado, contra 4,785 do Palmeiras.

Temos, então, o resultado final dos torcedores de Santos, Palmeiras e Vasco nos três mercados mais ricos e de maior poder aquisitivo do Brasil: 1 – Santos, 5,075 milhões de torcedores; 2 – Palmeiras, 4,785 milhões e 3 – Vasco, 2,5 milhões.

Sinais evidentes de crescimento da torcida do Santos

Olho o ranking do “Movimento por um Futebol Melhor”, lançado com estardalhaço por Ronaldo Fenômeno, ídolo que depois de veterano se bandeou do Flamengo para o Corinthians, e constato que a vantagem do Santos na liderança aumentou. De cerca de dois mil sócios a mais, a diferença já está chegando a quatro mil. O Santos tem 49.268 sócios, contra 45.386 do alvinegro paulistano.

Terceiro colocado, o Cruzeiro vem lá atrás, com 17.425 sócios, cerca de um terço dos santistas. E só em quarto aparece o São Paulo, com 15.729 sócios. O Fluminense está em quinto, com 14.297; o Palmeiras em sexto, com 10.155 e depois vem o Vasco, em sétimo, com 6.547, sete vezes menos do que o contingente de torcedores do Alvinegro Praiano.

Fico aqui, nesta quarta-feira de cinzas, olhando esses números e matutando sobre que tipo de torcida realmente vale. A que participa ativamente da vida do clube, associando-se a ele, acompanhando seus passos, ou aquela distante, que diz que torce mas não faz nada, ou quase nada, pelo time do seu coração.

Penso nisso porque estou diante de outros dados significativos. Estamos apenas no dia 13 de fevereiro e cerca de 6,915 milhões de volantes da Timemania já foram preenchidos com o “time do coração” de cada apostador. Quando se sabe que a maioria das 5.570 cidades brasileiras têm casas lotéricas, não se pode duvidar da abrangência dessa enquete. Pois bem, e por ela o Santos, repetindo o que ocorreu em 2013, continua como o quarto time mais escolhido, com 257.387 votos, que representam 3,73% do total.

À frente do Santos estão Flamengo, o primeiro colocado, com 414.908 votos (6,01% do total), o Corinthians, com 369.597 (5,35%) e o São Paulo, com 271.499 votos, ou 3,93% do total. Note que uma distância de apenas 0,20% separa o continente de santistas do de são-paulinos.

Depois aparecem o Grêmio, em quinto, com 231.935 votos (3,36%); o Vasco, em sexto, com 255.688 (3,27%); o Palmeiras, em sétimo, com 224.200 (3,25%), seguido por Internacional (208.865, 3,03%), Fluminense (187.846, 2,72%) e, completando os dez mais, o Botafogo, com 183.305, ou 2,66%.

Note que também na Timemania exige-se uma participação do torcedor. É preciso que ele esteja disposto a ir até a casa lotérica e desembolsar algum dinheiro para fazer a aposta. Será que os santistas podem representar uma torcida menor do que algumas outras em números absolutos, mas são mais participativos e por isso se sobressaem além do esperado?

Tenho uma forte convicção que sim. Recentemente, aqui mesmo neste blog, Álvaro de Souza, membro do comitê gestor do Santos, revelou que o livro do Centenário do Santos, produzido pela Magma Editora, vendeu mais exemplares do que o livro do Centenário do Corinthians, produzido com o mesmo carinho pela mesma editora.

Eu completo dizendo que o cruzeiro do Centenário do Santos, mesmo divulgado apenas na Internet, teve a lotação total de 1.700 pessoas e, apesar da bebida à vontade e do show de rock pauleira do Charlie Brown Junior, transcorreu às mil maravilhas, sem nenhum incidente e com reuniões concorridíssimas que discutiam a história do Time dos Sonhos com a presença de ídolos lendários do Alvinegro Praiano.

Para mim, tudo isso comprova que a torcida do Santos é um pouco mais sofisticada do que a maioria, se preocupa não só com o momento, mas com a preservação da história do clube, está entre as que têm maior poder aquisitivo e que mais crescem no País.

Mais evidências desse crescimento…

Além da capital e do interior do Estado, a torcida do Santos tem grande presença no Paraná, em Minas Gerais, Mato Grosso e em variadas regiões do País. Esses dados geralmente passam despercebidos nas matérias sobre torcidas, mas como este é um blog atento aos números e às questões relativas ao Santos, trago informações que comprovam a força e o potencial da torcida do Santos também no restante do Brasil:

Em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, com 805.397 habitantes, o Santos tem 5,41% dos torcedores, contra 1,17% do Vasco. Na faixa etária de 16 a 24 anos os santistas representam 8,62%, ou dez vezes mais do que os 0,86% dos vascaínos (Vetor Pesquisas).

Em Salvador o Santos tem 6,60% dos torcedores, contra 5,70% dos vascaínos (Pesquisa Correio/Futura).

Em Pernambuco, segundo a Plural Pesquisas, santistas são o dobro de vascaínos na faixa etária de 16 a 24 anos.

Em Manaus o Santos é o segundo time paulista com mais torcedores, com 13%, contra 9% do Palmeiras (Instituto de Pesquisas do Norte – IPEN).

Em Londrina, principal cidade do Norte do Paraná, com 801.756 habitantes, os santistas representam um dos maiores contingentes, com 8,02% dos torcedores, quase o dobro dos flamenguistas, que contam com 4,71% (Instituto Paraná Pesquisas).

Em Curitiba, capital do Paraná, com 1,770 milhão de habitantes, o Santos tem 1,28% dos torcedores, contra apenas 0,28% do Vasco (Instituto Paraná Pesquisas).

Em Maringá, terceira cidade mais populosa do Paraná, com 690.376 habitantes, o Santos conta com 9,79% da torcida local, contra 6,10% do Flamengo (Instituto Paraná Pesquisas).

Na região de Três Lagoas e outras cidades do Mato Grosso do Sul fronteiriças com São Paulo, os santistas somam nada menos do que 13,50% dos torcedores, enquanto os flamenguistas chegam a apenas 5,56% (Vetor Pesquisas).

Em 2004, Interior empurrou o Santos para o título Brasileiro

O Santos tem uma dívida com o Interior de São Paulo, pois em 2004, quando foi punido insistentemente com perdas de mandos de campo e não pôde mais jogar nem na Vila Belmiro, nem no Pacaembu, os estádios do Interior Paulista, tomados por uma torcida apaixonada que dificilmente podia acompanhar o Santos, assumiu o seu papel de empurrar o time em busca de seu oitavo título brasileiro.

Com jogos em Presidente Prudente e São José do Rio Preto, o Santos caminhou firme em busca do caneco, conquistado finalmente em São José do Rio Preto, após vitória de 2 a 1 sobre o Vasco.

Na caminhada, o Santos goleou o Fluminense por 5 a 0, diante de 21.760 pagantes, em São José do Rio Preto. Robinho e Deivid estavam endiabrados e marcaram dois gols cada. Dirigido por Vanderlei Luxemburgo, o Santos jogou com Mauro, Paulo César, Leonardo, André Luís e, Léo; Fabínho, Ricardo Bóvio (Zé Elias), Ricardinho (Marcinho) e Elano; Robinho (Basílio) e Deivid. Reveja os gols:

E você, já tinha idéia da verdadeira dimensão da torcida do Santos?


Se pesquisa eleitoral erra feio, a de torcidas então…

Santos é um dos três times mais votados pelos milhões da Timemania

Tenho defendido que a pesquisa de torcidas mais fidedigna que existe é a Timemania, pela quantidade de pessoas que apostam e que indicam o seu time do coração. São milhões, ao contrário de poucos milhares e até de alguns gatos pingados que são ouvidos pelos chamados institutos de pesquisa. Os erros grosseiros cometidos nas pesquisas nestas eleições provam que não se pode confiar nelas.

Até a pesquisa de boca de urna falhou feio, acima da margem de erro. Artigo interessante sobre isso foi escrito pelo cientista político Jairo Nicolau na página H18 do jornal O Estado de São Paulo desta segunda-feira.

Sob o título Eleições presidenciais saíram da margem, Jairo escreve: Os resultados das eleições presidenciais de ontem foram surpreendentes. Sobretudo, para aqueles que, de maneira equivocada, interpretam os resultados das pesquisas como se elas fossem um instrumento de precisão suíça.
Todos os institutos erraram o resultado final. Erraram no que eles consideram como erro máximo das pesquisas (margem de erro). O Ibope errou mesmo a pesquisa de boca de urna, que entrevista os eleitores no dia das eleições. A pesquisa ouviu 4.300 eleitores (a margem de erro anunciada é de no máximo de 2 pontos percentuais); todos os candidatos chegaram fora dos limites definidos.

Os resultados que circularam das pesquisas presidenciais nos estados mostram resultados muito mais discrepantes ainda. Precisam ser analisados com cuidado.

Este erro coletivo dos resultados foi o maior já cometido pelos institutos no Brasil. A partir de hoje, vamos ouvir uma série de possíveis responsáveis: as chuvas, a taxa de abstenção, as ondas de opinião nunca captadas, os erros na hora de votar.

Em 1992, todos os institutos ingleses erraram o resultado das eleições. Apontaram vitória dos trabalhistas, mas John Major, do Partido Conservador, venceu por larga margem. Após as eleições, os institutos montaram uma força-tarefa de sociólogos, cientistas políticos e estatísticos para analisar cuidadosamente o que tinha acontecido…

A propósito, ouvi a seguinte pergunta de um amigo:”se os institutos erram as pesquisas na véspera e no dia das eleições, quem pode assegurar que eles acertem durante ?”. Fiz o que podia: silenciei.

Resultado do último teste da Timemania

1º FLAMENGO RJ 90.305 5,57%

2º CORINTHIANS SP 83.377 5,14%

3º SANTOS SP 62.108 3,83%

4º SAO PAULO SP 59.262 3,66%

5º PALMEIRAS SP 58.253 3,59%

6º GREMIO RS 55.274 3,41%

7º INTERNACIONAL RS 50.391 3,11%

8º VASCO DA GAMA RJ 47.634 2,94%

9º BOTAFOGO RJ 44.759 2,76%

10º CRUZEIRO MG 42.271 2,61%

Se até pesquisa eleitoral de boca de urna erra tão feio no Brasil, dá para confiar nas pesquisas de torcidas de futebol?


© 2018 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑