Uma derrota às vezes faz o torcedor se voltar justamente contra o ídolo que ama. É uma atitude compreensível, mas é inteligente e traz benefícios ao time? Claro que não.

Uma derrota, mesmo em uma partida que só vale pela rivalidade, pode fazer o torcedor questionar tudo o que está acontecendo no clube. Mas será que tudo está mesmo errado?

A seguir, tento responder a algumas questões que estão afligindo o torcedor santista neste momento:

O time é tão forte quanto dizem Felipão e os técnicos adversários?
Não. O Santos é um do meio para a frente e outro, bem mais inseguro e errático, do meio para trás. Não é um time equilibrado.

O elenco do Santos é o melhor do Brasil?
Não. O time tem três jogadores acima da média – Neymar, Elano e Ganso –, mas um número maior abaixo da média, tais como Danilo, Pará, Adriano, Keirrison e Possebon.

O Santos tem um bom técnico?
Não. Marcelo Martelotte é um quebra-galho que está se segurando no cargo até que um técnico de verdade seja contratado, mas não espere que mude um jogo com uma substituição, ou que faça os jogadores conquistarem uma vitória inesperada. Ao contrário. Com ele, nenhuma vitória está garantida, mesmo quando todos dizem que o Santos é favorito.

Ganso é mercenário?
Não. Não está tão motivado quanto poderia, mas é inteligente e sabe que só conseguirá se valorizar jogando bem. Ainda não mostrou todo o seu futebol depois da cirurgia e, se continuar apagado, verá diminuir o interesse pelo seu passe. Se quer encher os seus e os bolsos de seus agentes de muito dinheiro, também terá de jogar muita bola.

E Neymar, é o quê?
O craque do time, o indiscutível, aquele que deve ser aplaudido sempre que sai de campo, que deve permanecer no Santos até o fim de sua carreira, ganhando muito bem. Pegar no pé dele é burrice. Sem Ganso, que já deve estar de saída, e sem Neymar, o Santos não terá qualquer possibilidade de ser campeão da Libertadores, do Brasileiro ou de qualquer competição que dispute.

E o papel de Elano?
Nunca foi um líder, alguém de levar o time a vitórias improváveis. É um ótimo coadjuvante. Parecia ter voltado da Europa muito melhor, mas depois de algumas ótimas partidas, caiu muito. Dizem que a nova namorada mexeu com a cabeça do caipira que agora está se sentindo um playboy.

Perder do Palmeiras mostrou que o time é inferior ao rival?
Não. O Palmeiras, que tem um elenco ainda mais limitado do que o do Santos, consegue jogar quase 100% do que pode, motivado por Scolari. O Santos é dispersivo, mas mesmo assim criou mais oportunidades de gol – e não se pode esquecer que a arbitragem foi favorável ao Palmeiras.

Por que a defesa toma gol em todos os jogos?
Porque é ruim. O melhor dos cinco é o goleiro Rafael, que só precisa aprender a sair do gol. Dos restantes, o menos inseguro é Durval.

Por que o departamento médico parece um buraco negro?
Não sei. Ou as contusões estão sendo tratadas com homeopatia, ou alguma coisa estranha está impedindo que os jogadores voltem logo para o time.

Casos como os de Chera e Ganso são inevitáveis?
Hoje, infelizmente, sim. Seres humanos gostam de dinheiro, de promoção em suas carreiras, de sucesso. Vivemos em um país de cultura colonizada, em que os próprios jornalistas esportivos aconselham os melhores jogadores a irem para a Europa. Diante disso, não dá para ser tão crítico com os jovens que querem fazer o caminho que, conforme lhes ensinam, é o natural. Por isso é que o clube precisa ter um trabalho forte de endomarketing, para contrabalançar a influência que vem de fora.

O que significa o jogo contra o Colo Colo?
Significa tudo. Ou nada. Uma vitória e a esperança se renovará, as tristezas recentes serão esquecidas e o time partirá firme rumo à classificação para a próxima fase da Libertadores. Uma derrota e tudo será questionado, a começar pela gestão de Luis Álvaro Ribeiro.

O torcedor ainda deve acreditar?
Claro. No futebol, como na vida, não há fase maravilhosa que sempre dure, nem crise que nunca termine. Algumas, ou apenas uma bola, que entre naquele retângulo com rede na próxima quarta-feira, e a água se transformará em vinho e os sorrisos voltarão aos rostos dos santistas.

Você tem mais alguma verdade, ou mentira, sobre o Santos?