Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

film izle

Tag: Sonhos mais que possíveis

Só até meia-noite!

eu-pele-e-as-criancas
time dos sonhos - autor lendo trecho do livro para Robinho
dossie - peres e odir

Refaço o lembrete pois amanhã, segunda-feira, será o último dia em que poderei enviar livros, com dedicatória, aos que os adquirirem na Livraria do Blog – o que se faz ao teclar sobre as palavras COMPRAR LIVROS no alto, à direita, na primeira página do blog.

Terça-feira sairei de religiosas férias com a Suzana e vamos ver amigos, parentes e conhecer lugares no chamado velho continente. Só não tirarei férias do blog, mas não poderei fazer as dedicatórias dos livros e nem enviá-los ao correio, tarefas que faço questão de executar pessoalmente.

Como as vendas dos livros só voltarão ao normal em 2 de novembro, peço àqueles que pretendem adquiri-los nas próximas três semanas, que o façam ainda hoje até meia-noite, ou no máximo até a madrugada, pois poderei entregá-los amanhã, e depois a livraria será zerada e o estoque só será reposto no início de novembro.

Esqueci-me de dizer que quem adquirir qualquer livro receberá, de presente, as versões eletrônicas dos livros Donos da Terra, Ser Santista e Pedrinho escolheu um time. E se o livro adquirido por o Time dos Sonhos, o comprador ganhará, ainda, mais um exemplar de Time dos Sonhos, ou do Dossiê, de acordo com sua preferência. Para me avisar de que livro de brinde você vai querer, após a compra deve enviar e-mail para blogdoodir@blogdoodir.com.br

Se quiser checar os livros, todos com preços bem promocionais, à sua disposição, é só clicar no link:
http://livraria.lojaintegrada.com.br/

As metas do Santos

Lutar pelo título do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil são as metas, ambiciosas, mas factíveis, do Santos ainda este ano. Acompanharemos, torceremos, elogiaremos, mas também cobraremos qualquer negligência ou falta de comprometimento de jogadores e comissão técnica caso elas ocorram, como no final do ano passado, em que a possibilidade quase garantida de se classificar para a Copa Libertadores foi desperdiçada.

Outro objetivo, de todos nós, é observarmos bem os jogadores do elenco santista para, ao final das competições, votarmos em quem deve permanecer no clube e quem deve sair em 2017. É uma tarefa difícil, antipática, mas tem de ser feita, até porque o Santos não pode se dar ao luxo de desperdiçar dinheiro com jogadores que não estão rendendo.

Prosseguiremos discutindo, como sócios e torcedores, a delicada questão dos estádios nos quais o Santos deve mandar seus jogos, e a mais delicada ainda questão da areninha no Portuários, um empreendimento que até pessoas ligadas à diretoria do clube definem como um balão de ensaio do presidente Modesto Roma para desviar a atenção dos obscuros balanços financeiros de sua gestão.

Mesmo distante fisicamente, nas próximas três semanas estarei bem próximo do Santos e de meus colegas e amigos do blog, os quais tanto me informam sobre o nosso Glorioso Alvinegro Praiano e muitos outros assuntos. Descobrirei santistas onde for e pretendo trazer algumas boas novidades dessa viagem que incluirá Grã Bretanha, Holanda e Portugal. Abraços a todos e só uma última recomendação: continuem discutindo ideias, não pessoas.

Pelé dormindo com os livros Time dos Sonhos

E você, o que tem a dizer sobre isso?


Alô santista de Cuiabá!

Algo me diz que esta será a noite do Rodrigão!

Jogo pegado, duro, bolas espirradas na área e lá estará o centroavante peito de aço, Rodrigão, para marcar. Veja essa cena como uma das mais prováveis no jogo desta noite, às 21h45, na Arena Pantanal, em Cuiabá. Uma vitória e o Santos poderá assumir a liderança do Campeonato Brasileiro. É preciso ter garra. Nós ficaremos de olho na arbitragem, que nessas situações tende a favorecer o time carioca.

No Santos, Ricardo Oliveira, com dores no joelho, sairá para a entrada de Rodrigão, e Léo Cittadini voltará ao meio de campo, saindo Yuri. O time jogará com Vanderlei, Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Caju; Renato, Léo Cittadini e Jean Mota; Vitor Bueno, Copete e Rodrigão. Técnico: Dorival Júnior.

O Flamengo deverá entrar em campo com Alex Muralha, Pará, Réver, Rafael Vaz e Chiquinho; Márcio Araújo, Willian Arão, Alan Patrick e Mancuello; Everton e Guerrero. Técnico: Zé Ricardo.

E você, como acha que será o jogo de hoje?

Livro Olímpico na Promoção de Agosto!

Sonhos mais que possiveis - capa

Como prometi, hoje o Blog do Odir lança sua campanha de livros para este mês de agosto. E como se trata de um mês olímpico, nada mais apropriado do que incluir na promoção o inspirador Sonhos mais que possíveis, que escrevi para a Editora Planeta antes da Olimpíada de Londres, em 2012.

É livro pequeno, de bolso, mas tem 160 páginas e 60 histórias de superação de atletas olímpicos que selecionei com carinho após pesquisar na literatura brasileira e internacional. Quem gosta de esporte e quem precisa de uma injeção de ânimo, tenho certeza de que vai gostar.

Encontrei duas opiniões sobre o livro na Internet. Se quiser conferir, seguem os links:

Clique aqui para ler uma opinião sobre o livro Sonhos mais que possíveis.

Clique aqui para ler mais uma opinião sobre o livro Sonhos mais que possíveis.

Neste mês de agosto todos que adquirirem um livro na Livraria do Blog receberão um exemplar de Sonhos mais que possíveis, com direito a dedicatória e sem nenhum custo adicional. Isso vale para a compra de Time dos Sonhos, Dossiê da Unificação dos títulos brasileiros, Segundo Tempo, de Ídolo a Mito, Almanaque do Santos e o próprio Sonhos mais que possíveis. Ou seja, quem comprar um exemplar de Sonhos mais que possíveis, receberá dois.

Em agosto todos os compradores também receberão, de brinde, uma versão eletrônica (PDF) do livro Donos da Terra, além do PDF do livro Pedrinho escolheu um time. Qualquer compra dará direito, neste mês, aos dois PDFs, que serão enviados por e-mail.

O único empecilho desta promoção é que não tenho muitos exemplares disponíveis de Sonhos mais que possíveis. Como se trata de um livro esgotado, sugiro que não espere muito para fazer sua compra.

Com o preço do correio incluído, você pagará R$ 22,10 e receberá dois exemplares de Sonhos mais que possíveis, com dedicatória(s) e os PDFs de Donos da Terra e Pedrinho escolheu um time.

Clique aqui para comprar o livro Sonhos mais que possíveis.

ALÔ SANTISTA DE CUIABÁ!

Meu amigo e minha amiga, vejam como são as coisas: o Santos embalado para assumir a liderança do Campeonato Brasileiro e surge essa mal contada inversão de mando. E justo contra o Flamengo, o time que muito jornalista bajula para ter mais ibope, para sair do anonimato. Mas há uma esperança: que o Santos jogue confiante, sem medo, a arbitragem seja boa e neutra e nas arquibancadas da Arena Pantanal a voz do santista se faça ouvir.

Pesquisei pelo Google Analytics e descobri que este blog tem 185 leitores em Cuiabá. Procurei no Facebook e também encontrei a página Torcida Santista Cuiabá. É importante que essa comunidade se mobilize.
Clique aqui para ver a página da torcida santista de Cuiabá no Facebook

Para quem não sabe, Cuiabá, a pujante capital de Mato Grosso, tem 580 mil habitantes. E num raio de 100 quilômetros dela há mais oito cidades: Várzea Grande, Santo Antônio do Leverger, Chapada dos Guimarães, Barão de Melgaço, Lucas, Rosário Oeste, Poconés e Nobres.

Há santistas em Cuiabá e em todas essas cidades vizinhas. É a chance de darem o ar de sua graça. Não são em maior número do que os rubro-negros, mas certamente saberão se mobilizar nesse momento crucial para o Glorioso Alvinegro Praiano. Lanço um apelo a esses santistas do coração do Brasil para que façam valer sua voz contra o time da mídia.

O estádio comporta 41 mil pessoas. Não me surpreenderei se ao menos um quarto dele pertencer aos bravos torcedores do Santos. Digo bravos porque fugir do lugar-comum, da mesmice, da adulação e da lisonja interesseira exige personalidade. E o santista é, acima de tudo, um torcedor de caráter.

Agora, não precisava ser assim, né? Nesta quarta não haverá jogo em São Paulo. E o Corinthians que, dizem, usará o Pacaembu nesses tempos olímpicos, jogará em Curitiba. Então, por que cargas d’água o presidente Modesto Roma e a diretoria de futebol não conseguiu mudar o jogo para São Paulo? O empresário não quer dinheiro? Pois no Allianz Parque e no Pacaembu ele faturaria no mínimo o mesmo valor que arrecadará no Mato Grosso, com a diferença de que o mando não seria invertido.

Bem, todos sabemos que evitar a todo custo jogar na capital paulista está sendo, entre outros, o maior pecado dessa gestão. Se um outro resultado, que não a vitória do Santos, ocorrer na quarta-feira, e se lá no final do campeonato o Alvinegro Praiano não for campeão pelos pontos perdidos em Cuiabá, gostaria de saber como ficarão os bairristas que incentivam o presidente Modesto Roma a afastar o clube de São Paulo.

Mas essa é uma outra história. O momento é de união de todos os santistas em torno desse jogo decisivo, o jogo do campeonato até aqui. O melhor time do Brasil contra o time que tem mais torcedores e o preferido da imprensa. Será gostoso de ver.

E você, acha que o santista do Mato Grosso vai fazer ouvir sua voz?


O esporte nos livros

A reunião do Conselho Deliberativo do Santos promete ser das mais intensas nesta quinta-feira. Vejamos… Mas agora gostaria de falar de livros sobre o esporte. Para começar, adianto que a realização de mais uma edição dos Jogos Pan-americanos mexe comigo. Sempre gostei desses Jogos, mesmo antes de ser jornalista esportivo. Coincidentemente, minha primeira viagem internacional foi para cobrir o Pan de 1979, em San Juan de Puerto Rico, trabalho que deu a mim e ao companheiro Castilho de Andrade o Prêmio Esso de Informação Esportiva daquele ano.

Em 2007, quando o Pan foi realizado no Rio de Janeiro, o editor José Henrique Grossi e a Editora Planeta me deram a honra de ser o autor de um belo livro, de cara dura e lindas fotos, com a história completa do Pan, intitulado “Heróis da América”. Juntei os resultados de todos os medalhistas do Pan até àquela altura, mais de 100 mil informações, em um trabalho inédito no Brasil.

A divulgação foi excelente. Um programa inteiro “Bate-papo com Armando Nogueira” foi dedicado ao livro e a mim , assim como dois terços do Programa do Jô. Mas não, não foi um sucesso de vendas. Aliás, descobri que sou um dos poucos que têm tanto carinho pelo Pan. Mas tudo vale a pena quando a alma não é pequena. Como sobraram milhares de exemplares, arrematei quase todos e distribui para estudantes durante algumas palestras que dei em faculdades de Educação Física. Saber que o conhecimento acumulado em um livro será compartilhado por outras pessoas é o meu maior prêmio como escritor.

De vez em quando alguém se lembra de “Heróis da América” e faz algum elogio ao trabalho. Isso vale uma medalha para mim.

Matéria sobre o livro Heróis da América

Mais uma matéria sobre o livro Heróis da América

Sonhos mais que possíveis

Em 2008, antes dos Jogos Olímpicos de Pequim, o editor José Henrique Grossi e Editora Planeta me incumbiram de fazer um livro de bolso a ser comercializado pela Avon. Selecionei 60 histórias de superação de atletas olímpicos e escrevi “Sonhos mais que possíveis”. Durante os Jogos li no blog do judoca Luciano Correa que ele estava lendo o livro da Vila Olímpica.

Infelizmente, naquela Olimpíada Luciano não ganhou medalha. Mas continuou lutando por seu sonhos, e ganhou a medalha de ouro no Pan-americano de 2011, em Guadalajara, e neste terça-feira repetiu a façanha ao ganhar o ouro em Toronto. Não tem preço saber que ao menos um pouquinho de sua motivação vem das histórias que escrevi em “Sonhos mais que possíveis”.

O livro está à venda neste blog por apenas seis reais. Quanto ao Heróis da América, creio que ainda possa ser encontrado apenas em sebos.

O livro do Michel Laurence

O jornalista Michel Laurence foi o melhor texto do jornalismo esportivo da tevê durante muitos anos. Trabalhou, principalmente, nas TVs Globo e Cultura. Com muita sensibilidade, ele retratou as emoções do futebol com maestria. E o melhor é que Michel era santista e valorizou, como ninguém, as proezas do melhor time de todos os tempos. Agora, a Editora Realejo lançará um livro-homenagem a ele. Leia:

CRIADOR DO TROFÉU BOLA DE PRATA, MICHEL LAURENCE GANHA ‘LIVRO HOMENAGEM’ COM CAUSOS DO FUTEBOL
O projeto, iniciado pelo jornalista, foi concluído pela esposa Rose Guirro e será lançado pela Realejo Livros

Um dos mais importantes e influentes jornalistas esportivos das últimas décadas, o franco-brasileiro Michel Laurence, falecido em 2014, será homenageado com um livro de causos sobre Futebol e Jornalismo. O projeto, ensaiado pelo próprio Laurence nos últimos anos de vida, está sendo realizado pela Realejo Livros, com textos reunidos pela esposa, Rose Guirro, com supervisão do editor José Luiz Tahan.

Com o título ‘Michel Laurence – Causos da Bola’, o livro reúne histórias narradas pelo próprio Laurence (que construiu uma trajetória de 51 anos no jornalismo esportivo) e tem prefácio dos narradores Galvão Bueno e Cléber Machado, da TV Globo, onde trabalhou por vários anos e construiu uma relação de amizade com ambos.

A pré-venda já teve início através do portal de ‘crowdfunding’ (financiamento coletivo) Kickante, com recompensas a partir de R$ 15,00. Entre elas, por R$ 50,00, o comprador pode ter seu nome impresso no livro, entre os agradecimentos, e garantir vaga no evento de lançamento, que acontecerá no restaurante Lenhareto, em São Paulo, o preferido do jornalista. O endereço da campanha éwww.kickante.com.br/michel.

Quem foi Michel Laurence

Ao longo de 51 anos dedicados ao jornalismo esportivo, Laurence cobriu oito Copas do Mundo, integrou a primeira equipe da revista Placar e foi um dos criadores do troféu Bola de Prata, dado anualmente pela revista aos melhores jogadores do Campeonato nacional desde 1970.

Ganhou um Prêmio Esso com uma série de reportagens chamada ‘O jogador é um escravo’ (Jornal da Tarde) e, com sua série de reportagens “A falência dos cartolas”, inspirou a criação do modelo atual do Campeonato Brasileiro.

“No Jornal da Tarde, conheceu Pelé, pois pediu para cobrir o Santos, que virou seu time de coração. Escreveu reportagens antológicas com Pelé, como uma exclusiva onde o jogador contou a ele que iria parar de jogar”, conta Rose Guirro.

Na TV Globo, participou do nascimento do “Globo Esporte” e da transformação do “Esporte Espetacular” (que era composto por vídeos norte-americanos) em um programa feito no Brasil. Na TV Cultura, foi um dos responsáveis pelo lançamento dos programas “Cartão Verde” e “Grandes Momentos do Esporte”.

Em 2008, lançou o blog “Jogo Mais que Perfeito”, no IG, onde contava seus causos – muitos dos quais estão no livro.

Agora, eu lhe pergunto: Quanto vale preservar a história do Santos?

Como você já deve saber, relançarei o livro “Time dos Sonhos”, com a história completa do Santos até o título brasileiro de 2002. Nas livrarias ele custará mais de 100 reais, mas quem entrar na campanha agora, garantirá o livro por um preço promocional de 70 reais, com direito a ter o nome impresso no último capítulo do livro. Repito:

Garanta o livro Time dos Sonhos por um preço de pré-venda e ainda tenha o seu nome publicado na história do Santos. Vamos com tudo para o segundo turno da campanha. Conto com você!

Quer a Bíblia do santista pelo preço de pré-venda e ainda ter seu nome impresso no livro? Clique aqui para saber como.

Neste vídeo abaixo, dirigido pelo talentoso santista João Lucca Piovan, eu conto a história curiosa de como o livro ganhou o título de Time dos Sonhos. Assista:

O Barqueiro de Paraty, primeiro lançamento da Editora Verbo Livre

barqueiro_capa (1)

Gostaria de compartilhar com os amigos e amigas do Blog do Odir Cunha a criação da Editora Verbo Livre, a mesma que está relançando o livro Time dos Sonhos, por meio da campanha de crowdfunding da Kickante, e também já disponibilizou, pela Amazon, o ebook de O Barqueiro de Paraty, um romance que fala de amor e amizade e pode, sim, mudar a forma de como você vê a vida.

O livro conta a história de um executivo paulistano que vê sua vida familiar e profissional fracassar e aceita o convite de um amigo do colégio para passar uns dias em Paraty e “reaprender a viver”. Muitos se identificarão com Pedro, Mauro, Clara, e sua busca pela essência da vida.

Tomo a liberdade de sugerir aos amigos a leitura de O Barqueiro de Paraty, pois, entre outros motivos, a maioria dos que o lêem, gostam muito. O livro trata de um drama muito comum e sugere valores fundamentais para se alcançar uma vida equilibrada e feliz.

Clique aqui para ver, na Amazon, o ebook de O Barqueiro de Paraty

Segundo as pesquisas do Skoob, 70% do público que comenta sobre O Barqueiro é feminino e 82% das avaliações atribuem à obra de três a cinco estrelas. Lançado em papel em 2008, pela Editora Mundo Editorial, o livro está sendo relançado agora, em forma de ebook, pela Amazon. Logo mais sua versão em Inglês também estará disponível.

Assista e divulgue o book movie do livro O Barqueiro de Paraty

Comentários e análises de O Barqueiro de Paraty no site Skoob

Comentários de leitores de O Barqueiro de Paraty no site da Livraria Cultura

Entrevista de Odir Cunha sobre o livro O Barqueiro de Paraty ao jornalista Heródoto Barbeiro

Missão
A Verbo Livre está aberta para lançar autores nacionais e estrangeiros com obras preferencialmente instigantes. O site da editora, em preparação, receberá currículos de autores e sinopses de suas obras para avaliações preliminares. Nossa missão é revelar escritores(as) e oferecer livros de qualidade a preços acessíveis, contribuindo para a difusão do conhecimento e da reflexão.

E então, você é amigo dos livros sobre o esporte?


A responsabilidade de Muricy. E a enquete sobre o elenco do Santos

Na coluna de hoje do jornal Metro de Santos falo das lições que Muricy Ramalho poderia ter aprendido com a goleada sofrida para o Barcelona. Mas parece que o professor não prestou atenção à aula.

O leitor e pesquisador Marcelo Fernandes, de Luxemburgo, lembra que depois de perder de 4 a 0 para o Ajax, o Bayer de Munique, do lendário Franz Beckenbauer, ficou tão chocado que fez um pacto de nunca mais passar por tamanho vexame e acabou se tornando campeão da Europa em seguida. Essa é a atitude que os santistas esperavam de Muricy e dos jogadores do Santos.

No tênis, costuma-se dizer que se aprende mais nas derrotas do que nas vitórias. Sim, mas para isso é preciso ter humildade e sabedoria – qualidades que Muricy não demonstrou.

Depois de um semestre para preparar o time, de poder não só armar o Santos, mas estudar profundamente o adversário, não dá para o técnico desembarcar de volta ao Brasil dizendo que nada podia ser feito e que não aprendeu nada com a derrota.

Na verdade, Muricy deu a resposta errada. Pois se nada mais podia ser feito e se a derrota não deixou lições, logicamente só restou ao santista torcer para o time nunca mais enfrentar o Barcelona, o que vai contra toda a lendária coragem do Alvinegro Praiano, que jamais se negou a um combate.

Deixo claro, porém, que não quero que o Santos mude o técnico. Só gostaria que Muricy mudasse. Que abrisse a cabeça, revisse seus conceitos, aprendesse que o Barcelona oferece ao mundo uma nova concepção do futebol que pode e deve ser praticada pelo Santos, pois é vitoriosa.

Prossegue a enquete: quem deve sair e quem deve permanecer no Santos?

Esta enquete não é uma caça às bruxas, mas um balanço obrigatório que toda empresa faz ao final do ano. Se você acha que não se deve mexer em nada, diga. Aqui não se tem rodeios e nem qualquer pudor em analisar o desempenho dos jogadores. Sim, porque eles passam e o Santos fica.

A enquete continua. Este blog quer ouvir o maior número possível de santistas. Não darei minha opinião agora, para não influenciar ninguém, mas gostaria de saber como você – que representa a opinião abalizada de todos os santistas – analisa os jogadores do Santos. Analise com calma e diga quem você acha que merece continuar no time em 2012 e quem não deve mais jogar no Alvinegro Praiano.

No ano passado fizemos enquete semelhante e o resultado foi que alguns jogadores, como Marcel, Roberto Brum e Marquinhos, não deveriam mais permanecer na Vila Belmiro. Isso talvez não tenha sido decisivo, mas influenciou, sim, para que os três fossem dispensados. Hoje podemos perguntar: Fizeram falta? Creio não haver qualquer dúvida de que não fizeram a mínima falta e a decisão de desfazer-se deles foi eficaz, pois enriqueceu o elenco e reduziu a folha de pagamentos.

Chegamos ao final de 2011 e esta consulta aos santistas qualificados deste blog se faz necessária. Creio que quem está de fora, analisando apenas a performance dos jogadores, sem qualquer vínculo ou contato pessoal com eles, tem um distanciamento ideal para uma análise fria e técnica de seus desempenhos.

Peço que separe os jogadores em três grupos: 1 – Quem deve ficar; 3 – Quem merece ser melhor observado; 3 – Quem deve ser dispensado. Peço também que explique suas opiniões.

Vale, também, uma análise do técnico Muricy Ramalho. Deve ser o técnico do Santos em 2012? E a diretoria de futebol? Tem trabalhado bem? Tem contratado bons jogadores a um bom preço?

A opinião coletiva dificilmente falha

A opinião coletiva é mais eficiente do que a decisão individual de um ou outro diretor de futebol. O santista que freqüenta este blog entende de futebol e tem opiniões pertinentes, bem fundamentadas. Se a maioria quer uma coisa, creio que essa decisão deva ser respeitada.

Afinal de contas, um time de futebol existe para alegrar o torcedor e não aos seus dirigentes, que são eleitos ou escolhidos apenas para representar esse torcedor. Mais do que qualquer tendência política, estou certo de que o verdadeiro santista quer o sucesso do clube, quer ver um time vencedor, de futebol bonito e ofensivo, como está na vocação do Santos.

Por mais que um ou outro dirigente, menos familiarizado com o processo democrático, entenda qualquer crítica como uma punhalada nas costas, reputo essa enquete como um serviço ao clube – pois reflete a opinião do torcedor e contribui para que se tenha um time mais eficaz e, talvez, menos caro em 2012.

Sonhos mais que possíveis

O Natal se aproxima e lembro que o blog está com uma promoção que dá como brinde o livro “Sonhos mais que possíveis” a quem adquirir o Dossiê da Unificação dos Títulos Brasileiros a partir de 1959.

Este livro, escrito por mim, impresso pela Editora Planeta e distribuido para todo o Brasil pela Avon, traz 60 histórias reais de superação de atletas olímpicos. Quem lê, gosta muito.

Costumo dizer que quem lê “Sonhos mais que possíveis” deixa de ter motivos para se queixar da vida. Pois o que alguns atletas já fizeram para vencer no competitíssimo esporte olímpico é inacreditável.

Gosto de todas as histórias do livro – entre elas, de alguns atletas brasileiros. Mas uma das que mais me atrai é a do atirador húngaro Karoly Takacs, que viveu a melhor fase de sua carreira depois de perder o braço direito (e ele era destro!). Reproduzo a história abaixo e espero que os indecisos se decidam pela compra do Dossiê. Isso é muito importante para a difusão do conhecimento.

As entregas estão sendo feitas em no máximo dois dias e, apesar da correria do Natal, os Correios têm funcionado perfeitamente. A compra é segura e você terá uma leitura edificante nas folgas de fim de ano.

Karoly perdeu um braço. Mas só um

Aos 28 anos, o sargento do exército húngaro Karoly Takacs perdeu o braço direito na explosão de uma granada. O acidente parecia dar um fim à sua carreira de atirador. Mas Karoly não desistiu. Afinal, ele ainda tinha a mão esquerda…

Uma granada defeituosa parecia ter acabado com a carreira do sargento Karoly Takacs, 28 anos, vitorioso integrante da equipe húngara de tiro. Destro, Takacs perdeu justamente a mão direita, com a qual, após anos de treinamento, havia conseguido grandes vitórias no tiro com pistola. Porém, ainda havia a mão esquerda e, pacientemente, Takacs passou a treinar com ela.

O acidente aconteceu em 1938. Como a Segunda Guerra impediu a realização das Olimpíadas de 1940 e 44, a competição só voltou em 1948, quando Takacs já tinha 38 anos. Mesmo assim, ele se classificou para representar a Hungria na modalidade pistola de tiro rápido.

Ao encontrá-lo na vila olímpica, em Londres, o campeão e recordista mundial Carlos Valiente, da Argentina, cumprimentou-o com a frase: “É uma honra pra nós, atiradores olímpicos, ter você aqui para nos ver competir”. Takacs respondeu, educadamente: “Desculpe-me, mas não vim para assistir. Vim pra competir”.

No dia 4 de agosto, os 59 melhores atiradores do mundo em pistola de tiro rápido lutaram pelas medalhas. Carlos Valiente marcou 571 pontos, o que seria um recorde mundial não fosse a atuação espantosa de Takacs, que alcançou 580 pontos e garantiu o recorde e a medalha de ouro.

Quatro anos depois, em Helsinque, o húngaro repetiu a proeza, e com 579 pontos tornou-se o primeiro bicampeão olímpico na pistola de tiro rápido. A segunda colocação, um ponto atrás, ficou com o compatriota Szilard Kun (o argentino Valiente terminou em quatro).

Aos 46 anos, Karoly Takacs participou de sua terceira olimpíada, em Melbourne, e ficou em oitavo. Sua obstinação e espírito esportivo lhe deram o título de “herói olímpico”, concedido pelo Comitê Olímpico Internacional.

Quando lhe perguntavam o que achava da descrença de seus adversários, que não acreditavam que pudesse competir com a mão esquerda, ele respondia: “Não os culpo. Eles pensavam que eu tinha apenas dois braços. Mas tinha mais um, na cabeça”.

O dedo aperta o gatilho, mas é o cérebro que dirige a bala.

Bem, já falei demais. Agora quero saber quem você acha que deve permanecer no Santos e quem não deve fazer parte do time em 2012. A palavra é sua.


© 2017 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑