Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

film izle

Tag: Torcedor

Como o torcedor é tratado nos estádios – O Documentário

Muitos aqui já devem conhecer o trabalho do Rachid, que acompanha o time do Santos em diversas partidas e registra imagens dos problemas enfrentados pelos torcedores nos estádios. Ele realizou uma coletânea dos vídeos entre 2007 – 2012 e editou este filme abaixo. Confira abaixo o vídeo que mostra como o país que sediará a próxima Copa do Mundo trata seus torcedores:


O melhor torcedor

O melhor torcedor é aquele que olha para cada jogador do seu time como se estivesse vendo o seu filho: com amor, ternura, compreensão. Pois mesmo quando não merece, é quando mais precisa de apoio.

O melhor torcedor é aquele que sabe que alguns jogadores não têm condição de vestir a camisa sagrada de seu clube, mas mesmo assim tem paciência com eles, torce para que sejam felizes – se não no seu clube, em outro, menor, em que possa ser útil.

O melhor torcedor encara os revezes como parte do caminho. E não se amofina demais, não se torna um crítico mordaz e cruel, não ataca tudo e todos só porque foi obrigado a sofrer a dor da derrota.

O melhor torcedor enxerga longe, muito além do momento, e sabe que o seu time não é só uma partida, ou um campeonato, nem mesmo uma série deles. O seu time tem uma alma, um aura, uma cor e um destino com os quais ele se identifica.

O melhor torcedor gosta do seu time simplesmente porque é o seu time, talvez porque já lhe tenha dado muitas alegrias e ele quer simplesmente retribui-las, ou porque vê algo no seu time que os outros não têm.

O melhor torcedor é o otimista, aquele que está sempre pronto a perdoar os erros, ao mesmo tempo em que sabe reconhecer e gosta de ressaltar as qualidades de seu time.

O melhor torcedor não precisa usar óculos cor-de-rosa, mas, quando assiste a um jogo de seu time, também não gasta a maior parte do tempo xingando seus próprios jogadores.

O melhor torcedor respeita os ídolos de seu time eternamente. Ele sabe que sem eles a história de seu clube não seria tão rica, tão encantadora.

O melhor torcedor não joga toda a culpa dos fracassos nos ombros dos craques do time, pois sabe que são eles os que mais lutam, mais querem as vitórias, mais sofrem com as derrotas.

O melhor torcedor não pode ser um misto de jornalista e torcedor, como eu, pois há momentos em que o time não precisa de análises ou críticas, mas apenas de um abraço e de uma palavra de incentivo, mesmo que não seja plenamente sincera.

O melhor torcedor gosta de ver seu time entrando em campo, aprumando-se para as fotos, correndo atrás da bola. E já fica feliz por isso. Se puder ver um gol, então, que maravilha! Se comemorar um título, um verdadeiro sonho!

O melhor torcedor sofre pelo time de sua vila, de sua cidade, como se ele fosse o Real Madrid, o Barcelona, o Milan, o Santos… Para ele, o seu time será sempre o maior, o mais importante.

O melhor torcedor consegue, enfim, extrair o melhor do futebol, que é a paixão, o amor, a atração pela beleza, a incansável espera de que algo mágico e inesperado aconteça.

Por tudo isso o melhor torcedor nunca se envergonha de seu time e sempre terá orgulho de vestir sua camisa, nas vitórias ou nas derrotas, até que a morte o leve deste planeta tão feliz e com tanto futebol pra se ver…

É deste torcedor, mais amor e menos raiva, que todo time precisa.

E você, se considera um torcedor melhor?


Dia de decisão. Que imagem mental você está fazendo?

O torcedor é um ser múltiplo. Engana-se quem pensa que ele só grita por seu time e mantém um monótono comportamento binário: feliz nas vitórias, triste nas derrotas. Ele tam muitas propriedades e uma delas é antever, a seu modo, o que acontecerá na partida. Hoje, por exemplo, torcedores de Santos, Vitória, São Paulo e Internacional já acordaram imaginando coisas…

O santista, este eu conheço bem, não pensa em nada diferente do que uma goleada. Como? Com o Santos indo pra cima do tricampeão baiano, criando chances atrás de chances e marcando gols atrás de gols. Um jogo como aquele contra o Grêmio, na semifinal do Brasileiro de 2002, estaria ótimo. 3 a 0, com
Oportunidades para marcar mais três ou quatro vezes.

Mas, como é otimista demais – otimismo que costuma aumentar à medida que o momento do jogo se aproxima – não duvido que haja santistas lembrando que nesta mesma Copa do Brasil o time ganhou de 10 a 0 do Naviraiense e 8 a 1 do Guarani, ambos na Vila Belmiro. E se, após tomar os primeiros gols, o Vitória se descontrolar e sofrer uma estrondosa goleada? Para os analistas do futebol, isso parece impossível. Para os torcedores, não.

Mas é claro que há a contrapartida e neste momento os torcedores do Vitória também já estão jogando com a imagem mental que criaram para o confronto e ela deve mostrar o rubro-negro se aproveitando da insegurança que às vezes acomete a defesa santista para marcar gols que depois serão defendidos com unhas e dentes, orixás e todos os santos.

Enquanto o santista imagina uma torrente invadindo a área do Vitória durante os 90 minutos, o torcedor baiano deve esperar estocadas certeiras que ferirão o Santos em momentos oportunos.

No Beira-Rio, enredo parecido

Duvido que agora os torcedores do Internacional não estejam imaginando uma partida de muitos gols, todos do seu time. Com aproveitamento de 100% desde que voltou da Copa, o time do Sul é franco favorito contra o São Paulo, que ainda não venceu depois das férias forçadas.

Um gol, estádio enlouquecido, Rogério Ceni ajoelhado; outro gol, estádio mais enlouquecido, Rogério Ceni reclamando da defesa; mais um gol, estádio em festa, Rogério Ceni reclamando da arbitragem… Adivinho que este tipo de imagem é que está passando agora pela cabeça do torcedor colorado.

Um gol no contra-ataque, estádio quieto, adversário começando a se desequilibrar; mais um gol, talvez de Fernandão, estádio nervoso, começando a vaiar o próprio time… Estas as cenas que, certamente, estão povoando a imaginação dos são-paulinos.

Por isso, para o torcedor, mais do que uma decepção, a derrota é uma surpresa. Na sua cabeça o seu time já ganhou, e ganhou bem. Tudo o que a realidade mostrar de contrário o indignará. Mas, por outro lado, é esta confiança que atravessa o alambrado e entra em campo com os jogadores e que impulsiona as equipes para triunfos espetaculares.

Neste momento, todas as circunstâncias – a coragem, a determinação, a motivação para dar o máximo – são favoráveis àqueles que são movidos pelos gritos apaixonados de seus torcedores. Assim, por mais que os times se equivalham e por mais que tenham tradição, o fato de jogar em casa, cercado pelo carinho e pela fé dos que os amam, acaba sendo decisivo.

Nas minhas imagens mentais, vejo vitórias consagradoras de Santos e Internacional, imagino a Vila Belmiro e o Beira-Rio explodindo várias vezes. Claro que pode ser diferente. Mas qualquer outro enredo para estes dois espetáculos me pegará de surpresa.

Atenção para os times prováveis no jogão da Vila Belmiro

Santos
Rafael; Pará, Bruno Aguiar, Durval e Alex Sandro; Arouca, Wesley e Paulo Henrique Ganso; Neymar, Robinho e André (Marquinhos ou Marcel). Técnico: Dorival Júnior

Vitória
Lee; Rafael Cruz, Anderson Martins, Wallace e Egídio; Neto, Vânderson, Fernando e Ramon; Elkeson e Schwenck.
Técnico: Ricardo Silva

Arbitragem: Leonardo Gaciba da Silva (RS), auxiliado por Altemir Hausmann (RS) e Roberto Braatz (PR)

E na sua cabecinha, que imagens estão passando dos jogos de hoje? Como estão as partidas na Vila Belmiro e no Beira-Rio. Divida essas emoções com a gente…


© 2017 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑